junho 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Notícias da Ucrânia e da Rússia: líderes da UE dão à Ucrânia o status de candidato cobiçado

Notícias da Ucrânia e da Rússia: líderes da UE dão à Ucrânia o status de candidato cobiçado
atribuído a ele…Nariman Al-Mufti/The Associated Press

BRUXELAS – A União Europeia apresentou formalmente a Ucrânia como candidata à adesão nesta quinta-feira, sinalizando diante de uma devastadora ofensiva militar russa que vê o futuro da Ucrânia no seio do Ocidente democrático.

Embora a entrada da Ucrânia no bloco possa levar uma década ou mais, a decisão envia uma forte mensagem de solidariedade a Kyiv e uma repreensão a Moscou, que trabalhou por mais de uma década para impedir a Ucrânia de construir laços ocidentais.

A medida foi vista como quase impossível há algumas semanas, até porque a Ucrânia foi considerada tarde demais em termos de erradicar a corrupção e instituir reformas econômicas.

Mas a decisão de dar a ela o status de candidata foi outro salto para os países europeus que rapidamente abandonaram preconceitos e reservas para apoiar a Ucrânia diante de uma invasão russa.

“Acordo” Charles Michel, Presidente do Conselho Europeu, Ele disse no Twitter. “Momento histórico. Hoje marca um passo decisivo em seu caminho para a União Europeia.”

A candidatura à adesão à UE, que os 27 líderes da UE também atribuíram à Moldávia, é um marco, mas pouco mais. Indica que o país está em condições de, se cumpridas certas condições, iniciar um processo muito minucioso e minucioso que dará continuidade a anos de mudanças e negociações com o bloco, visando uma eventual adesão.

Quando isso pode acontecer depende da prontidão do país em questão, que deve estar alinhado institucionalmente, democraticamente, economicamente e juridicamente com as leis e normas da UE. Em média, o processo levou cerca de 10 anos de outros países; A Turquia é candidata há 21 anos, mas é improvável que se junte.

READ  Como a Estônia quer ficar longe da propaganda russa

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky chamou a decisão da UE de “uma das decisões mais importantes para a Ucrânia” em seus 30 anos como país independente.

“Este é o maior passo para o fortalecimento da Europa que pode ser dado agora, em nosso tempo, e precisamente no contexto da guerra russa, que está testando nossa capacidade de preservar a liberdade e a unidade”, escreveu Zelensky em seu Telegram.

A União Européia começou em 1952 como um bloco de livre comércio entre as seis nações centrais. Cresceu ao longo dos anos para incluir não apenas vastas áreas do continente europeu, mas também para incluir políticas que vão muito além do comércio e da economia, embora ainda sejam os tipos mais fortes e melhores de ação conjunta.

A guerra na Ucrânia forçou a UE a se engajar em política externa, defesa e alinhamento militar, áreas com as quais é desconfortável politicamente e legalmente mal equipada para lidar. Embora não haja alternativa à OTAN, o bloco pode evoluir nos próximos anos – quando a Ucrânia realmente se juntar – para uma união militar.

Os líderes da Alemanha, França e Itália, os maiores da UE, fizeram uma apresentação preliminar da decisão de conceder o status de candidato à Ucrânia em uma visita na semana passada à sua capital, Kyiv. No entanto, alguns estados membros precisam estar convencidos de que, embora a Ucrânia não esteja pronta para aderir à união, é necessário dar-lhe essa possibilidade.

Por mais importante que seja o momento para a Ucrânia, é muito importante também para a União Europeia. A maioria dos membros estava ansiosa para impedir o crescimento do bloco, em parte porque seus 27 membros às vezes já acham muito difícil chegar a um acordo sobre questões-chave como liberdades democráticas, reformas econômicas e o papel dos tribunais.

READ  As ações globais caem e os rendimentos dos EUA aumentam à medida que os preços do petróleo atingem novos máximos

O bloco quase dobrou de tamanho na década de 2004 a 2014, adicionando 13 membros, muitos deles de países ex-soviéticos mais pobres que rapidamente ganharam acesso aos mercados de trabalho mais ricos e mais abundantemente financiados do bloco.

E essa integração permanece irregular, com muitos países lutando contra a corrupção, questões de estado de direito e declínio econômico. Isso coloca em questão a capacidade do bloco de acomodar um país do tamanho e da população da Ucrânia.

Alguns países europeus também gostariam de ver a Albânia, a Macedônia do Norte e os países balcânicos que eram candidatos há mais de uma década, antes da Ucrânia. Líderes dos países dos Balcãs Ocidentais reuniram-se com os seus homólogos da UE na quinta-feira, mas a reunião não produziu nenhum progresso.

A decisão de conceder a candidatura da Ucrânia deve enfurecer a Rússia, que descreveu as aspirações da Ucrânia de se juntar a instituições ocidentais como a Otan e a União Européia como uma provocação e intrusão em sua esfera de influência.