junho 30, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

EXCLUSIVO: Moscou estabelece novos controles rígidos sobre comércio exterior de ativos russos

EXCLUSIVO: Moscou estabelece novos controles rígidos sobre comércio exterior de ativos russos

Vapor sobe das chaminés de uma usina de aquecimento sobre o horizonte do centro de Moscou, Rússia, 23 de novembro de 2020. REUTERS/Maxim Shemetov/File Photo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

  • Rússia suspende temporariamente venda estrangeira de ativos
  • Estrangeiros agora precisam fornecer detalhes antes de negociar
  • Os pedidos de licenças devem ser apresentados em russo

LONDRES/NOVA YORK, 17 Mar (Reuters) – A Rússia estabeleceu novas regras duras para estrangeiros que buscam autorizações para comprar e vender ativos russos, desde títulos a imóveis, de acordo com uma nota de cliente do Citigroup. (CN) Mostrado, em meio a um êxodo em massa de empresas internacionais em resposta às sanções ocidentais.

A Rússia interrompeu temporariamente o comércio exterior de ativos russos este mês, dizendo que quer garantir que as decisões de saída sejam atendidas e não pressionadas por pressão política, após a invasão da Ucrânia por Moscou. Consulte Mais informação

Agora, revelou detalhes do processo de solicitação que deve ser seguido antes que o Tesouro decida se os ativos podem ser negociados, incluindo a divulgação de quaisquer beneficiários e investimentos estratégicos, como defesa.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Dezenas de bilhões de dólares em dinheiro lidando com a Rússia aguardam detalhes sobre as restrições que ela enfrentará ao tentar se desfazer de ativos, tendo como pano de fundo o crescente isolamento econômico do presidente Vladimir Putin.

“Acho que ninguém na Rússia ousaria dizer a Putin quais são os problemas financeiros pela frente”, disse Alistair Winter, analista de investimentos globais da Argyll Europe, prevendo “baixas em massa” para muitos estrangeiros expostos ao país.

READ  Discovery controla HBO, CNN e Warner Bros. , criando um novo gigante da mídia

A invasão, que Moscou chama de “operação militar especial” para desarmar a Ucrânia, levou a um êxodo em massa de empresas internacionais e isolou a economia russa do resto do mundo.

As autoridades russas publicaram o Decreto nº 81 este mês, que estabelece que qualquer transação entre russos e contrapartes estrangeiras requer permissão do Comitê de Monitoramento de Investimentos Estrangeiros do governo russo. Consulte Mais informação

Efetivamente, isso significa que os investidores estrangeiros, que agarraram ações e títulos russos sem restrições, ficam presos com essas participações enquanto a economia oscila de um destino de investimento rico em petróleo para um pária financeiro.

“As autoridades russas anunciaram a ordem de obtenção de licenças para realizar as operações definidas pelo Decreto nº 81. Foi criado um órgão com poderes para tomar decisões sobre a emissão de licenças”, diz nota do Citigroup.

O processo inclui um pedido e documentos relacionados apresentados ao Ministério das Finanças da Rússia, em russo, contendo “informações sobre a finalidade, assunto, conteúdo e termos básicos da transação”.

Os candidatos também devem divulgar informações completas sobre os beneficiários e beneficiários efetivos, diz o memorando, bem como detalhes de quaisquer investimentos em empresas em um “setor estratégico”, como aviação, aeroespacial, produção de recursos naturais ou trabalho com armas ou equipamentos militares.

“Este é apenas um mecanismo para controlar as entidades que podem negociar em moedas estrangeiras e não serão empresas de países hostis saindo do país”, disse uma fonte bancária sobre as regras.

O Citigroup se recusou a comentar além de confirmar a autenticidade do memorando.

Uma segunda fonte bancária disse que aconselhou os clientes a não negociar nesses termos, o que diminuiu as preocupações sobre o compartilhamento de dados confidenciais e a falta de transparência sobre aprovações ou rejeições de pedidos.

Reportagem adicional de Megan Davis. Edição por John O’Donnell, Edmund Blair, Elaine Hardcastle

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.