maio 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Cientistas revelam o segredo de como os fósseis de aranha se formam

Cientistas revelam o segredo de como os fósseis de aranha se formam

Os esqueletos externos macios não estão bem preservados – com exceção de alguns locais excepcionais ao redor do mundo. Há um local maravilhoso no sul da França, onde foram descobertos os fósseis de aranhas que teciam uma teia há 22,5 milhões de anos.

Os cientistas disseram ter identificado por que muitas criaturas de corpo mole, como aranhas, insetos e peixes, são enterradas e preservadas. Com esses detalhes nesta formação rochosa particular em Aix-en-Provence. Condições muito favoráveis ​​incluem uma substância produzida por microalgas que envolveria a aranha e promoveria uma mudança química protetora.

“A maior parte da vida não se transforma em fóssil”, disse Alison Olcott, professora associada de geologia e diretora do Centro de Pesquisa da Universidade do Kansas, em um comunicado à imprensa.

“É difícil se tornar um fóssil. Você tem que morrer sob condições muito específicas, e uma das maneiras mais fáceis de se tornar um fóssil é ter partes duras como ossos, chifres e dentes. corpo terrestre é”, disse Olcott, principal autor do estudo publicado na revista Communications Earth and Environment Magazine, A vida é como as aranhas agitadas.

“Mas temos esses períodos de preservação excepcionais em que todas as condições estavam em harmonia para que a preservação ocorresse.”

A fluorescência fornece pistas

No comunicado, Olcott disse que a descoberta ocorreu graças à decisão de examinar o fóssil da aranha sob um microscópio fluorescente. Esse tipo de observação não faz parte do protocolo padrão para examinar fósseis, mas a pesquisa A equipe pensou que isso poderia ajudá-los a discernir mais detalhes das aranhas fossilizadas, que se misturavam com as rochas ao redor. Diferentes elementos na rocha absorvem a energia da luz UV em um microscópio e transformam a luz em diferentes comprimentos de onda.

READ  A taxa acelerada de derretimento torna o manto de gelo da Groenlândia a maior barragem do mundo

“Para nossa surpresa, ele brilhava, e por isso ficamos muito interessados ​​no que a química desses fósseis os fazia brilhar. Se você olhar para o fóssil na rocha, é quase indistinguível da própria rocha, mas brilha com uma cor diferente em a faixa fluorescente.”

“Nem toda amostra geológica é auto-radiante e brilhante – mas quando é, pode ser incrível e fornecer muitas informações, disse Olcott. As algas aquáticas microscópicas detectadas por microscopia de fluorescência são conhecidas como fósseis de diatomáceas e, quando vivas, secretam substâncias ricas em enxofre que formam tapetes de algas.

“Essas microalgas fazem a bola pegajosa e pegajosa – é assim que elas se unem”, disse ela.

Os autores sugeriram que essa substância revestia as aranhas e promovia um processo chamado enxofre, que estabiliza e preserva os corpos frágeis das aranhas.

“Basicamente, a química das microalgas e a química das aranhas trabalham juntas para alcançar essa conservação única”, disse ela.

Olcott disse que a descoberta pode ajudar os geólogos a localizar outros fósseis excepcionais desse período em outras partes do globo.

“Se os tapetes de diatomáceas ajudarem a trazer essa notável preservação de fósseis, devemos ser capazes de explorar mais unidades de diatomita, as rochas ricas em diatomáceas que existem globalmente neste momento, para procurar mais desses depósitos.