junho 29, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

YouTube remove mais de 9.000 canais relacionados à guerra na Ucrânia | YouTube

O YouTube removeu mais de 70.000 vídeos e 9.000 canais relacionados à guerra no Iraque Ucrânia Por violar as diretrizes de conteúdo, incluindo a remoção de vídeos que se referiam à invasão como uma “missão de edição”.

A plataforma é muito popular na Rússia, onde, ao contrário de algumas de suas contrapartes americanas, não foi fechada apesar de hospedar conteúdo de figuras da oposição como Alexei Navalny. YouTube Também foi capaz de operar na Rússia, apesar de reprimir o conteúdo pró-Kremlin que violava as diretrizes, incluindo a Política de Grandes Eventos Violentos, que proíbe a negação ou minimização da invasão.

Desde o início do conflito em fevereiro, o YouTube suspendeu canais, incluindo o do jornalista pró-Kremlin Vladimir Solovyov. Canais ligados aos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores da Rússia também foram temporariamente suspensos de enviar vídeos nos últimos meses para descrever a guerra como uma “missão libertadora”.

“Temos uma política de grandes eventos violentos e isso se aplica a coisas como negação de grandes eventos violentos: tudo, desde o Holocausto até Sandy Hook. E, claro, o que acontece”, disse Neil Mohan, diretor de produtos do YouTube. Ucrânia É um grande evento violento. E, portanto, usamos essa política para tomar medidas sem precedentes”.

Em entrevista ao Guardian, Mohan acrescentou que o conteúdo de notícias do YouTube sobre o conflito recebeu mais de 40 milhões de visualizações somente na Ucrânia.

“A primeira e talvez a mais importante responsabilidade é garantir que as pessoas que procuram informações sobre este evento possam obter informações precisas, de alta qualidade e críveis no YouTube”, disse ele. “O consumo de canais confiáveis ​​em nossa plataforma cresceu significativamente, é claro na Ucrânia, mas também nos países ao redor da Ucrânia, Polônia e na própria Rússia.”

READ  Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

O YouTube não forneceu um detalhamento de quais conteúdos e canais foram removidos, mas Mohan disse que muitos deles representavam os relatos do Kremlin sobre a invasão. “Não tenho os números exatos”, disse ele, “mas você pode imaginar que muitos deles são contas vindas do governo russo, ou atores russos em nome do governo russo”.

Assine a primeira edição, nosso boletim informativo diário gratuito – todas as manhãs da semana às 7h GMT

O YouTube tem cerca de 90 milhões de usuários na Rússia, embora a publicidade não seja mais permitida na plataforma no país. A decisão da empresa controladora do YouTube, o Google, provocou protestos de Navalny, que disse que anúncios bem direcionados ajudaram a combater a propaganda do Kremlin.

“O YouTube continua sendo o maior site de compartilhamento de vídeos operado e operado na própria Rússia”, disse Mohan. “O YouTube é um lugar onde os cidadãos russos podem obter informações sem censura sobre a guerra, inclusive de muitos dos mesmos canais oficiais que todos podemos acessar fora do país. Continuamos sendo uma plataforma importante para os próprios cidadãos russos à medida que esta crise continua a se desenvolver.” .

Na semana passada, o ministro do Desenvolvimento Digital da Rússia, Maksut Shadaev, disse que o país não bloquearia o YouTube, apesar das disputas sobre o conteúdo que levaram a plataforma a ser multada no tribunal por não remover os vídeos proibidos.

Shadev observou que bloquear as plataformas de mídia social mais populares na Rússia afetará os usuários. “Não estamos planejando encerrar o YouTube”, disse o ministro. “Acima de tudo, quando restringimos algo, devemos entender claramente que nossos usuários não sofrerão.”

O YouTube também impôs uma proibição mundial de canais ligados à mídia estatal russa, incluindo Russia Today e Sputnik. Facebook e Instagram são proibidos na Rússia O acesso ao Twitter foi restrito, em resposta à proibição das plataformas da mídia estatal russa.