agosto 14, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Reino Unido bate recorde de temperatura mais alta da Europa

Reino Unido bate recorde de temperatura mais alta da Europa

A Grã-Bretanha quebrou seu recorde de temperatura mais alta já registrada na terça-feira em meio a uma onda de calor que varreu partes da Europa, com o meteorologista nacional do Reino Unido dizendo que esses aumentos são agora um fato da vida em um país despreparado para condições tão extremas. .

O país temperado típico foi o último a ser engolido por um clima excepcionalmente quente e seco que causou incêndios florestais de Portugal aos Balcãs e resultou em centenas de mortes relacionadas com o calor. Imagens de chamas correndo em direção a uma praia francesa E o calor sufocante dos britânicos – mesmo à beira-mar – levou a preocupações domésticas sobre as mudanças climáticas.

A agência meteorológica do Met Office registrou uma leitura provisória de 40,3 graus Celsius (104,5 graus Fahrenheit) em Coningsby, no leste da Inglaterra – quebrando o recorde estabelecido apenas algumas horas antes. Antes de terça-feira, a temperatura mais alta registrada na Grã-Bretanha era de 38,7 graus Celsius (101,7 Fahrenheit), registrada em 2019. No final da tarde, 29 lugares no Reino Unido haviam batido o recorde.

Enquanto a nação observava com uma mistura de admiração e fascínio, o cientista-chefe do Met Office, Stephen Belcher, disse que tais temperaturas na Grã-Bretanha eram “praticamente impossíveis” sem a mudança climática causada pelo homem.

Ele alertou que “poderíamos ver temperaturas como essa a cada três anos” sem tomar medidas sérias sobre as emissões de carbono.

O mau tempo interrompeu as viagens, os cuidados de saúde e as escolas. Muitas casas, pequenas empresas e até prédios públicos, incluindo hospitais, na Grã-Bretanha não têm ar condicionado, o que reflete o quão incomum esse calor pode ser em um país notório pela chuva e temperaturas amenas.

O calor sufocante desde segunda-feira danificou a pista do aeroporto de Luton, em Londres, forçando-a a fechar por várias horas e desfigurando uma importante estrada no leste da Inglaterra, fazendo-a parecer um ‘parque de skate’, disse a polícia. As principais estações de trem foram fechadas ou quase vazias na terça-feira, pois os trens foram cancelados ou rodando em baixa velocidade por medo de escorregar nos trilhos.

READ  Alemanha registra mais de 18 mil refugiados da Ucrânia

Londres enfrentou o que o prefeito Sadiq Khan chamou de “aumento maciço” de incêndios devido ao calor. O Corpo de Bombeiros de Londres registrou 10 grandes incêndios que combatia em toda a cidade na terça-feira, metade dos quais eram incêndios de grama. Imagens mostraram várias casas em chamas enquanto a fumaça subia dos campos em chamas na vila de Winnington, nos subúrbios do leste de Londres.

As vendas de fãs em um varejista, Asda, aumentaram 1.300%. Ventiladores elétricos esfriaram as forças tradicionais da cavalaria familiar enquanto eles estavam no centro de Londres em trajes festivos pesados. O tempo para a troca das cerimônias de guarda no Palácio de Buckingham foi encurtado. O Hyde Park da capital, geralmente lotado de pedestres, estava estranhamente quieto – exceto pelas longas filas para nadar no Lago Serpentine.

“Vou para o meu escritório porque é fofo e legal”, disse o geólogo Tom Elliott, 31, depois de nadar. “Eu ando de bicicleta em vez de pegar o metrô.”

A rainha Elizabeth II sempre passou a trabalhar. O rei de 96 anos realizou uma reunião virtual com a nova embaixadora dos EUA, Jane Hartley, do porto seguro do Castelo de Windsor.

Grande parte da Inglaterra, de Londres no sul a Manchester e Leeds no norte, permaneceu sob o primeiro alerta “vermelho” de calor extremo do país na terça-feira, o que significa que havia risco de morte mesmo para pessoas saudáveis.

Tais perigos podem ser vistos na Grã-Bretanha e em toda a Europa. Pelo menos seis pessoas se afogaram enquanto tentavam se refrescar em rios, lagos e reservatórios em todo o Reino Unido. E na vizinha Espanha e Portugal, centenas de mortes relacionadas ao calor foram relatadas na onda de calor.

READ  Inundações em Seul: chuva recorde mata pelo menos 9 na capital da Coreia do Sul, com prédios inundados e carros inundados

Especialistas em clima alertam que o aquecimento global levou a um aumento na frequência de eventos climáticos extremos, com estudos mostrando que a probabilidade de as temperaturas do Reino Unido atingirem 40°C (104°F) agora é 10 vezes maior do que na era pré-industrial.

O chefe da Agência Meteorológica das Nações Unidas expressou esperança de que o calor que varre a Europa seja um “alerta” para os governos fazerem mais sobre as mudanças climáticas. Outros estudiosos usaram o momento decisivo para enfatizar que é hora de agir.

“Embora a temperatura ainda seja rara, agora é uma realidade no verão britânico”, disse Frederic Otto, Professor Sênior de Ciência Climática no Instituto Grantham para Mudanças Climáticas do Imperial College London. “Se isso se tornará um evento muito comum ou permanecerá relativamente raro em nossas mãos, é determinado por quando e quando a temperatura global atingir zero líquido”.

O calor severo danificou outras partes da Europa também. Em Paris, o termômetro da estação meteorológica mais antiga da capital francesa – inaugurada em 1873 – ultrapassou 40°C (104°F) apenas pela terceira vez. Os 40,5 graus Celsius (104,9 Fahrenheit) medidos pelo serviço meteorológico Meteo-France na terça-feira foram a segunda leitura mais alta da estação, chegando a apenas 42,6 graus Celsius (108,7 F) em julho de 2019.

As secas e ondas de calor associadas às mudanças climáticas também tornaram os incêndios florestais mais comuns e mais difíceis de combater.

Na região de Gironde, no sudoeste da França, incêndios florestais ferozes continuaram a se espalhar por florestas de pinheiros secos, frustrando os esforços de combate a incêndios de mais de 2.000 bombeiros e aviões de bombardeio de água.

READ  Ministro das Relações Exteriores da Lituânia pede impeachment de Putin e espera que o líder russo se torne mais volátil à medida que as perdas aumentam

As autoridades de Gironde disseram que dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas de suas casas e locais de férias de verão desde que os incêndios começaram em 12 de julho.

Um terceiro incêndio menor ocorreu na segunda-feira na região vinícola de Medoc, ao norte de Bordeaux, aumentando os impostos sobre recursos. Cinco acampamentos na área de praia da Costa Atlântica pegaram fogo enquanto os incêndios se espalhavam ao redor da Bacia Marinha de Arcachon, famosa por suas ostras e resorts.

Na Grécia, um grande incêndio florestal irrompeu a nordeste de Atenas, alimentado por ventos fortes. Autoridades do corpo de bombeiros disseram que nove aviões de combate a incêndios e quatro helicópteros foram mobilizados para tentar impedir que as chamas atingissem áreas povoadas nas encostas do Monte Bentley, cerca de 25 quilômetros a nordeste da capital. A fumaça das chamas cobriu parte do horizonte da cidade.

Mas a previsão do tempo ofereceu algum consolo, com as temperaturas previstas para cair ao longo da costa atlântica na terça-feira e a possibilidade de chuva no final do dia.

___

Os escritores da Associated Press Sylvia Howe e Joe Kearney em Londres, John Lister em Le Beck, França, Mike Corder em Haia, Holanda, e Jamie Keeten em Genebra contribuíram para esta história.

___

Siga a cobertura climática da Associated Press em https://apnews.com/hub/climate-and-environment.