fevereiro 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Protestos israelenses contra o novo projeto de lei de Netanyahu para a Suprema Corte

Protestos israelenses contra o novo projeto de lei de Netanyahu para a Suprema Corte

TEL AVIV (Reuters) – Manifestantes israelenses bloquearam as principais rodovias e enfrentaram a polícia nesta terça-feira enquanto a coalizão de extrema direita do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu avançava com um projeto de lei contestado que busca limitar o poder da Suprema Corte.

Multidões de manifestantes com bandeiras interromperam o tráfego matinal nos principais cruzamentos e rodovias de todo o país. Alguns ficaram nas ruas enquanto outros lançaram sinalizadores.

A polícia a cavalo se espalhou entre centenas de manifestantes em Tel Aviv, centro de negócios de Israel. Na entrada de Jerusalém, os oficiais usaram canhões de água para dispersar alguns manifestantes e arrastaram outros à força.

A polícia disse que pelo menos 42 pessoas foram presas, e mais protestos estão planejados ao longo do dia na terça-feira, inclusive no principal Aeroporto Internacional Ben Gurion.

A aliança nacional-religiosa de Netanyahu para mudar o sistema de justiça provocou protestos sem precedentes, alimentou a preocupação com a saúde democrática de Israel entre os aliados ocidentais e prejudicou a economia.

O novo projeto de lei ganhou o primeiro dos três votos necessários para ser transformado em lei na segunda-feira em meio a gritos de “vergonha” dos legisladores da oposição.

Se aprovado como está, limitaria o poder da Suprema Corte de anular decisões do governo, ministros e autoridades eleitas ao considerá-las irracionais.

Os críticos argumentam que essa supervisão judicial ajuda a prevenir a corrupção e o abuso de poder. Os defensores dizem que a mudança facilitará a governança eficaz, reduzindo a interferência do tribunal, argumentando que os juízes têm outros meios legais de exercer a supervisão.

READ  A economia chinesa vacilou no ano passado, com o crescimento estagnado devido ao coronavírus

Alguns membros do partido Likud, de Netanyahu, disseram que o projeto de lei será atenuado antes de ir para a votação final, que eles esperam concluir antes do recesso de verão do Knesset em 30 de julho.

Mas Simcha Rothman, chefe do Comitê de Constituição, Lei e Justiça do Knesset que está redigindo o projeto de lei, disse à Rádio do Exército: “Estou dizendo isso sem rodeios: não estou convencido de que sejam esperadas mudanças significativas”.

As divisões sobre a campanha judicial do governo estão profundas na sociedade israelense. Netanyahu – que está sendo julgado por acusações de corrupção que nega – a interrompeu para negociações de acordo com a oposição, mas as negociações foram interrompidas em junho.

Washington instou Netanyahu a chegar a acordos amplos sobre quaisquer reformas judiciais que, segundo ele, devem preservar a independência dos tribunais israelenses.

Netanyahu ainda não indicou que bloquearia a legislação novamente e minimizaria as consequências econômicas da repressão, que assustou os investidores e enfraqueceu o shekel em quase 8% desde janeiro.

O chefe do maior sindicato de Israel pediu a Netanyahu que não permita o que chamou de extremismo. “Para onde você está levando o Estado de Israel? Que legado você deixará para trás? Acabe com essa bagunça maluca”, disse Arnon Bar-David, chefe da Histadrut.

Reportagem adicional de Mayann Lubel, Dan Williams e Stephen Scheer. Escrito por Maayan Lubel. Edição por Louise Heavens, William Maclean

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.