junho 30, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Coluna: Proibição de alumina australiana pressionará Rusal e alumínio: Andy Home

Coluna: Proibição de alumina australiana pressionará Rusal e alumínio: Andy Home

LONDRES (Reuters) – A decisão da Austrália de proibir as exportações de alumina para a Rússia aumentou a pressão de matérias-primas sobre a gigante russa de alumínio Rusal. Consulte Mais informação

A capacidade de fundição de quatro milhões de toneladas por ano da empresa processa oito milhões de toneladas de alumina, que fica entre a bauxita e o metal refinado na cadeia produtiva do alumínio.

As plantas domésticas de alumina em Rusal responderam por apenas 37% das necessidades de sua fundição no ano passado. O saldo foi importado. Os dois maiores fornecedores foram a Ucrânia, onde a invasão russa levou ao fechamento da refinaria Nikolaev de Rosal, e a Austrália.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A empresa disse que está “atualmente avaliando” a perda do segundo fornecedor de matérias-primas, mas o mercado já havia respondido à potencial perda do metal russo.

O alumínio de três meses da London Metal Exchange (LME) saltou mais de 5% quando abriu para US$ 3.554 a tonelada na manhã de segunda-feira e foi negociado recentemente em torno de US$ 3.545.

As importações de alumina da Rússia em 2021

Volume de matéria-prima

Até agora, Rusal escapou das sanções ocidentais diretas graças ao acordo fechado para suspender as sanções dos EUA em 2019. Oleg Deripaska, proprietário da Rusal, permaneceu na lista negra, mas Rusal foi excluído depois de reduzir sua participação majoritária na EN + holding.

Isso pode ter mudado, no entanto.

A proibição do governo australiano, acelerada para impedir que um embarque de alumina com destino à Rússia parta esta semana, não se refere explicitamente à Rusal, mas é uma punição de fato para a empresa que domina a produção russa de alumínio.

READ  23h00 em Kiev. Aqui estão os últimos desenvolvimentos na invasão russa da Ucrânia

A colocação da participação de 20% da Rusal na refinaria da QAL em Queensland é motivo de muito debate, uma vez que agora ela não pode exportar sua participação compradora e parceira Rio Tinto. (RIO.L) Comprometidos a retirar-se de todos os projetos russos conjuntos. Consulte Mais informação

A Rio já suspendeu um acordo de tarifa de pedágio com a refinaria de alumina Ogench da Rosal na Irlanda, forçando a produtora russa a redirecionar os embarques de bauxita das minas da Guiné.

Essa autopunição limita o espaço de manobra de Rusall em termos de substituição de forragem australiana perdida.

A Rio Tinto, produtora americana da Alcoa, domina o mercado de alumina transoceânico (AA.N) e a norueguesa Hydro. Todos os três disseram que reduziriam a exposição à Rússia ou, no caso da Hydro, não assinariam novos contratos com entidades russas.

O maior ponto de interrogação paira sobre a refinaria irlandesa, a maior planta offshore de alumina da Rusal, com produção no ano passado de 1,9 milhão de toneladas.

Apenas um quarto de sua produção fluiu para a Rússia em 2021, o que significa que há muito potencial para redirecionar remessas da Europa para a Rússia.

Compreensivelmente, o governo irlandês está ansioso para que o trabalho de Ogench continue, mas a União Européia já está estendendo as sanções no campo de minerais com a proibição das importações russas de aço, sem dúvida notando o levantamento das sanções pela Austrália antes disso.

Com ou sem a Irish Lifeline, no entanto, a Rusal enfrenta pressão nas matérias-primas.

A China pode ser a resposta, mas a própria China vem importando grandes quantidades de alumina nos últimos anos para acompanhar a demanda.

Mesmo assumindo a vontade política de fornecer alumina à Rusal, o incentivo do mercado pode não estar presente, dadas as expectativas de aumento da demanda doméstica por alumina à medida que as fundições chinesas aumentam a produção após o relaxamento dos controles de energia.

READ  Rússia diz à Lituânia: seus cidadãos sentirão dor em Kaliningrado

caixa de alumínio

A reação do preço do alumínio à notícia da proibição australiana mostra como ele está preocupado com a potencial perda de produção de metal na Rússia.

Como o Departamento de Relações Exteriores da Austrália observou em sua declaração, “o alumínio é um insumo global nos setores automotivo, aeroespacial, de embalagens, maquinário e construção”.

E isso é um problema real se o Ocidente perder o acesso à produção anual de Rusal de quatro milhões de toneladas.

A cadeia de fornecimento de alumínio já estava falhando. As restrições de eficiência energética transformaram a China, o maior produtor mundial, em um importador líquido de alumínio não trabalhado para alimentar seu enorme setor de produtos a jusante.

A produção em fundições famintas de energia na Europa caiu devido ao aumento dos preços da energia, um fenômeno que só piorou desde que a Rússia lançou em 24 de fevereiro o que chama de “operação militar especial” para desarmar e “desacreditar” a Ucrânia.

Os estoques de alumínio visíveis vêm caindo constantemente há mais de um ano para preencher as lacunas da cadeia de suprimentos. Os estoques totais da LME são de 704.850 toneladas, o nível mais baixo desde 2007.

O mercado global de alumínio está apertado, o mercado da Europa Ocidental em particular, devido aos recentes cortes de fundição e sua dependência da oferta russa.

A Europa respondeu por 41% das vendas da Rusal no ano passado, e a interrupção dos embarques russos só aumentará o atual déficit de oferta da região.

Além disso, a Rusal é um importante fornecedor de alumínio “verde” – de baixo carbono – de fundições hidrelétricas siberianas.

Embora os fluxos globais de comércio de alumínio possam eventualmente se ajustar após a crise na Ucrânia, as montadoras que desejam usar apenas o metal mais verde em seus veículos elétricos de próxima geração podem encontrar um cenário de oferta mais desafiador.

READ  Uma cidade flutuante nas Maldivas começa a ganhar forma

Aperte o parafuso de penalidade

A complexidade da rede de fornecimento de matéria-prima da Rusal foi exposta em 2018, quando as sanções dos EUA desencadearam uma reação em cadeia que se estendeu à Irlanda, Guiné e Austrália e terminou com as montadoras europeias pressionando a Comissão Europeia a mediar com os EUA.

Essas sanções dos EUA foram um raio do nada.

Desta vez, o efeito foi mais gradual na medida em que as vias de abastecimento, logística e finanças diminuíram devido à autopunição.

A decisão do governo australiano de adicionar alumina à lista de sanções representa uma escalada significativa desse processo.

Crucial para o mercado Rusal e de alumínio é se outros países seguirem o exemplo.

As opiniões expressas aqui são as do colunista da Reuters.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Edição por Emilia Sithole Mataris

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

As opiniões expressas são do autor. Eles não refletem os pontos de vista da Reuters News Agency, que está comprometida com os princípios de confiança, imparcialidade, independência e isenção de preconceitos.