maio 28, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Os Estados Unidos estão preocupados depois que a China anunciou que assinou um acordo de segurança com as Ilhas Salomão

Os Estados Unidos estão preocupados depois que a China anunciou que assinou um acordo de segurança com as Ilhas Salomão

Crianças pescam em praia no centro de Honiara, capital das Ilhas Salomão, em 14 de setembro de 2012. REUTERS/Daniel Munoz

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

SYDNEY/PEQUIM (Reuters) – A China disse nesta terça-feira que assinou um acordo de segurança com as Ilhas Salomão, em uma medida que visa aumentar as preocupações dos Estados Unidos e dos aliados Austrália e Nova Zelândia sobre a crescente influência da China em uma região tradicionalmente controlada pela China. . sua influência.

No entanto, as autoridades nas Ilhas Salomão pareciam indicar anteriormente que nenhum acordo havia sido assinado.

Douglas Eight, presidente do Comitê de Contas Públicas do Parlamento, disse a colegas legisladores que as autoridades chinesas chegariam em meados de maio para assinar acordos de cooperação. O primeiro-ministro Manasseh Sogavari disse ao parlamento que o acordo de segurança proposto não incluiria uma base militar chinesa.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Etty disse que os acordos aumentariam a cooperação em comércio, educação e pesca, mas se opõe à ideia de permitir que a China estabeleça uma base militar.

E em Washington, a Casa Branca, que está enviando uma delegação de alto nível dos EUA à capital de Salomão, Honiara, nesta semana, disse estar preocupada com a “falta de transparência e a natureza incerta” do acordo. Consulte Mais informação

Autoridades australianas disseram que a China parecia querer antecipar a chegada da delegação dos EUA a Honiara, que a Casa Branca disse que discutiria preocupações sobre a China, além de reabrir uma embaixada dos EUA. Consulte Mais informação

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que o acordo-quadro foi assinado recentemente pelo conselheiro de Estado Wang Yi e pelo ministro das Relações Exteriores das Ilhas Salomão, Jeremiah Manele. Ele não mencionou em detalhes o local e a data da assinatura.

READ  Rússia invade a Ucrânia e notícias de Vladimir Putin

Um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca disse que a assinatura “segue um padrão da China oferecendo acordos vagos e vagos com pouca ou nenhuma consulta regional em pesca, gestão de recursos, assistência ao desenvolvimento e agora práticas de segurança”.

O Conselho de Segurança Nacional disse mais tarde que os Estados Unidos “intensificariam seu envolvimento na região para enfrentar os desafios do século 21, desde a segurança marítima e o desenvolvimento econômico até a crise climática e o COVID-19”.

Preocupações australianas

Canberra está preocupado que o acordo possa ser um passo em direção a uma presença militar chinesa a menos de 2.000 quilômetros (1.200 milhas) das costas australianas.

A ministra das Relações Exteriores, Marise Payne, disse que a Austrália está “profundamente decepcionada” e continuou a procurar detalhes dos termos do acordo, observando que a assinatura foi anunciada pela China.

Ela também expressou preocupação com a falta de transparência e disse que o acordo tem “o potencial de minar a estabilidade em nossa região”.

A emissora nacional da Austrália ABC disse que Sugavari planeja fazer um anúncio nos próximos dias.

Autoridades das Ilhas Salomão rubricaram um acordo de segurança com a embaixada chinesa permitindo que a polícia chinesa protegesse a infraestrutura e a ordem social, mas os ministros ainda não o assinaram.

Na semana passada, Zed Sesilga, Ministro do Desenvolvimento Internacional e do Pacífico da Austrália, visitou Honiara para pedir a Sugavari que não assinasse. Consulte Mais informação

Ainda não está claro se o acordo foi finalizado, disse Greg Pauling, especialista em segurança marítima para a Ásia no Washington Center for Strategic and International Studies.

“Assim, a delegação dos EUA, assim como a última delegação australiana que visitou, está tentando convencer o governo de Salomão do contrário, se possível, ou pelo menos esclarecer os detalhes e os planos de implementação, se não for o caso”, disse ele.

READ  Combatentes voluntários ucranianos usam um tanque chamado "Rabbit" contra as forças russas

“A linguagem que vazou na semana passada é muito vaga e, portanto, há muito espaço para mitigar os danos, reduzindo a forma como ela é implementada”.

Um memorando vazado apareceu nas mídias sociais na semana passada mostrando que Pequim informou às Ilhas Salomão em dezembro que queria enviar uma equipe de 10 policiais chineses armados, incluindo um rifle sniper e metralhadoras, além de dispositivos de escuta para proteger os funcionários da embaixada. Dos tumultos em Honiara. Consulte Mais informação

Um rascunho separado vazado de um acordo de segurança incluía disposições para a polícia chinesa proteger empresas chinesas, infraestrutura e embarcações navais para reabastecer seus recursos em Honiara.

O porta-voz da China Wang rejeitou a visita planejada aos Estados Unidos.

“As tentativas deliberadas de amplificar as tensões e mobilizar campos concorrentes estão fadadas ao fracasso”, disse ele.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Kirsty Needham em Sydney, Martin Quinn Pollard em Pequim, David Bronstrom e Michael Martina em Washington; Edição por Michael Perry, William MacLean e Leslie Adler

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.