maio 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Nas Nações Unidas, Amal Clooney faz lobby por justiça para crimes de guerra na Ucrânia

Nas Nações Unidas, Amal Clooney faz lobby por justiça para crimes de guerra na Ucrânia

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – A advogada de direitos humanos Amal Clooney pediu aos países na Organização das Nações Unidas nesta quarta-feira que se concentrem na justiça internacional para crimes de guerra na Ucrânia, para que as evidências não sejam armazenadas como foi feito para as vítimas do grupo Estado Islâmico. ISIS) no Iraque e na Síria.

“A Ucrânia de hoje é um matadouro. Bem no coração da Europa”, disse Clooney em uma reunião informal do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre responsabilidade na Ucrânia organizada pela França e Albânia.

Clooney lembrou a votação do Conselho de Segurança de 2017 para aprovar uma medida pela qual ela ajudou a fazer lobby – a criação de uma equipe da ONU para coletar, preservar e armazenar evidências de possíveis crimes internacionais cometidos pelo Estado Islâmico no Iraque. Este foi o mesmo ano em que seu filho e filha nasceram com o ator americano George Clooney.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Meus filhos agora têm quase 5 anos, e até agora a maioria das evidências coletadas pelas Nações Unidas estão armazenadas – porque não há um tribunal internacional para julgar o ISIS”, disse ela.

O Tribunal Penal Internacional, que trata de crimes de guerra, crimes contra a humanidade, genocídio e crimes de agressão, não tem jurisdição, porque o Iraque e a Síria não são membros dele.

Clooney faz parte de uma força-tarefa jurídica internacional que aconselha a Ucrânia a garantir a responsabilização das vítimas ucranianas em jurisdições nacionais e trabalha com o Tribunal Penal Internacional com sede em Haia.

O procurador do Tribunal Penal Internacional, Karim Khan, abriu uma investigação sobre a Ucrânia uma semana após a invasão russa em 24 de fevereiro. Consulte Mais informação

“Este é um momento em que precisamos mobilizar a lei e enviá-la para a batalha. Não do lado da Ucrânia contra a Federação Russa, ou do lado da Federação Russa contra a Ucrânia, mas do lado da humanidade”, disse Khan. . Reunião das Nações Unidas.

O diplomata russo Sergei Leonidchenko descreveu o TPI como uma “ferramenta política”. Ele acusou os Estados Unidos e a Grã-Bretanha de hipocrisia ao apoiar a investigação do Tribunal Penal Internacional sobre a Ucrânia depois de fazer “tudo o que se possa imaginar para proteger seus militares”.

Moscou descreve sua invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro como uma “operação militar especial” e nega atacar civis.

A Procuradoria-Geral da Ucrânia, Irina Venediktova, disse à Reuters que está se preparando para apresentar acusações de crimes de guerra contra pelo menos sete militares russos. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Relatado por Michelle Nichols; Edição por Richard Bolena

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.