fevereiro 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Máscaras escolares serão usadas na Inglaterra para evitar disputa de Covid com a Escócia – afirma

Máscaras escolares serão usadas na Inglaterra para evitar disputa de Covid com a Escócia – afirma
  • Por Hazel Shearing
  • correspondente educacional

Mensagens vazadas do WhatsApp sugerem que o diretor médico do Reino Unido não estava claro sobre as evidências científicas por trás da medida.

Um porta-voz do governo disse: “Sempre dissemos que há lições a serem aprendidas com a pandemia”.

Eles acrescentaram: “Estamos empenhados em aprender com as conclusões do inquérito da Covid, que desempenhará um papel importante em informar o planejamento e os preparativos do governo para o futuro”.

‘Sua vez’

A partir de setembro de 2020, a orientação mudou para exigir coberturas faciais em escolas secundárias na Inglaterra em áreas sob bloqueio local.

A notificação tornou-os obrigatórios em corredores e áreas comuns. Mais tarde, foi usado para salas de aula onde o espaço não era possível.

O ex-primeiro-ministro Boris Johnson pediu conselhos sobre máscaras nas escolas, informou o Telegraph.

Em um bate-papo em grupo do WhatsApp na manhã de 25 de agosto de 2020, disse o jornal, ele perguntou se o governo deveria dar uma “reviravolta” em sua postura.

Lee Cain, então diretor de comunicações de Downing Street, teria enviado um link para um artigo da BBC anunciando que as coberturas faciais nos corredores e áreas comuns seriam obrigatórias nas escolas secundárias da Escócia a partir do início do ano letivo.

Ele perguntou se valia a pena lutar porque a Escócia havia agido, disse o jornal.

De acordo com relatórios vazados, Simon Case, que liderou os esforços do serviço público contra a Covid, teria alertado que “pais nervosos entrarão em pânico” se a Escócia não seguir seu exemplo.

A história do Telegraph vem depois que outras mensagens do WhatsApp vazaram para o jornal sugerindo que o ex-secretário de saúde Matt Hancock havia rejeitado conselhos de especialistas sobre testes de Covid para pessoas que vão para lares de idosos no Reino Unido no início da pandemia – algo que ele negou.

A BBC não viu ou verificou de forma independente as mensagens do WhatsApp ou o contexto em que foram enviadas.

O Telegraph obteve mais de 100.000 mensagens enviadas entre Hancock e outros ministros e autoridades no auge da pandemia.

Os textos foram enviados ao jornal por Isabelle Oakeshott, jornalista que criticou os bloqueios. A Sra. Oakeshott recebeu cópias dos textos quando o Sr. Hancock a ajudou a escrever seus Diários da Pandemia.

Um porta-voz de Johnson disse que “não era apropriado comentar” sobre os vazamentos e que a investigação pública independente do Reino Unido sobre a pandemia “fornece o devido processo”.