maio 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Macron vence reeleição e evita terremoto político

Macron vence reeleição e evita terremoto político
  • Le Pen admite derrota
  • Ministros de Macron saúdam vitória e prometem ouvir mais eleitores
  • Macron pode esperar pouco ou nenhum período de carência
  • Oposição muda foco para eleições parlamentares de junho

PARIS (Reuters) – O presidente da França, Emmanuel Macron, derrotou a rival de extrema-direita Marine Le Pen por uma margem confortável neste domingo, garantindo um segundo mandato e evitando o que poderia ter sido um terremoto político.

Houve gritos de alegria quando os resultados apareceram em uma tela gigante no parque Champ de Mars, ao pé da Torre Eiffel, onde os simpatizantes de Macron agitavam as bandeiras da França e da União Europeia. As pessoas se abraçaram, dançaram e cantaram “Macron!”.

Os líderes europeus também saudaram a notícia de que o pró-UE Macron, em vez do ultranacionalista Le Pen, venceu na UE.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

As pesquisas de opinião esperavam que Macron recebesse 58,5% dos votos. Essas estimativas geralmente são precisas, mas podem ser ajustadas quando os resultados oficiais forem divulgados.

“Me sinto muito confortável”, disse Alessandro Ballini, 42, à Reuters no comício de Macron. “Parecia muito próximo e o populismo estava à nossa porta”. Mas ele enfatizou que o presidente enfrenta uma tarefa difícil devido ao número de votos de extrema-direita.

Le Pen, que a certa altura estava alguns pontos atrás de Macron nas pesquisas, rapidamente admitiu a derrota, mas prometeu continuar lutando à medida que as eleições parlamentares se aproximam em junho.

“Nunca abandonarei os franceses”, disse ela a seus partidários, cantando: “Marin! Marine!”

Macron pode esperar pouca ou nenhuma graça depois que muitos, especialmente da esquerda, votaram apenas a seu favor, relutantemente para impedir que a extrema direita ganhasse. Os protestos que marcaram parte de seu primeiro mandato podem ressurgir muito rapidamente, enquanto ele tenta avançar com reformas pró-negócios. [L5N2WK54K]

READ  Os americanos foram instruídos a "evitar grandes reuniões públicas" perto do Dia da Vitória da Rússia

“Não vamos estragar a vitória… mas o rali nacional (Le Pen) obteve o maior resultado de todos os tempos”, disse o ministro da Saúde, Olivier Veran, à BFM TV.

“Haverá continuidade na política do governo porque o presidente foi reeleito. Mas também ouvimos a mensagem do povo francês”, acrescentou, prometendo mudanças.

A natureza do segundo mandato de Macron será fortemente influenciada pelos resultados das eleições parlamentares de junho. Le Pen disse que almeja uma forte unidade no parlamento, enquanto o esquerdista Jean-Luc Mélenchon disse que quer ser primeiro-ministro, algo que forçaria Macron a uma “coexistência” embaraçosa e propensa à recessão.

Philippe Lagro, 63, diretor artístico de um teatro de Paris, disse no início do dia que votou em Macron depois de votar em Mélenchon no primeiro turno.

Ele disse que votaria em Melenchon novamente em junho. “Primeiro-ministro Melenchon. Isso seria divertido. Macron ficaria chateado, mas esse é o ponto.”

Aliados imediatamente saudaram a vitória de Macron no domingo como um alívio à política dominante que foi abalada nos últimos anos pelo Brexit, a eleição de Donald Trump em 2016 e a ascensão de uma nova geração de líderes nacionalistas.

“Bravo Emmanuel”, escreveu o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no Twitter. “Neste período turbulento, precisamos de uma Europa forte e uma França totalmente comprometidas com uma União Europeia mais soberana e estratégica.”

“Os mercados financeiros darão um suspiro coletivo de alívio após a vitória eleitoral de Macron”, disse Sima Shah, estrategista-chefe da Principal Global Investors.

‘chocado’

Macron se juntará a um pequeno clube – apenas dois presidentes franceses antes dele conseguiram um segundo mandato. Mas sua margem de vitória parece mais estreita do que quando ele derrotou Le Pen pela primeira vez em 2017, destacando o número de franceses ainda não impressionados por ele e seu recorde doméstico.

READ  Imagens de satélite mostram que os ucranianos frustraram uma tentativa russa em direção a Kiev em uma ponte flutuante

Essa decepção se refletiu nos números de participação, com os principais institutos de pesquisa da França dizendo que a taxa de abstenção provavelmente se estabilizaria em torno de 28%, a mais alta desde 1969.

Tendo como pano de fundo a invasão da Ucrânia pela Rússia e as subsequentes sanções ocidentais que exacerbaram o aumento dos preços dos combustíveis, a campanha de Le Pen se concentrou no aumento do custo de vida e no estilo às vezes duro de Macron como seus pontos mais fracos.

Prometeu cortes acentuados nos impostos sobre os combustíveis, um imposto zero sobre vendas de itens essenciais, de massas a fraldas, isenções de renda para jovens trabalhadores e uma postura de “primeiro francês” sobre empregos e bem-estar.

“Fiquei chocado ao ver que a maioria dos franceses queria reeleger um presidente que os desprezava há cinco anos”, disse Adrien Caligiuri, um projeto de 27 anos, ao comício de Le Pen.

Enquanto isso, Macron observou a admiração anterior de Le Pen pelo presidente russo Vladimir Putin, mostrando que ela não pode ser confiável no cenário mundial, enquanto insiste que ainda tem planos de retirar a França da União Europeia, algo que ele nega. Consulte Mais informação

Na última parte da campanha, quando buscou o apoio de eleitores de esquerda, Macron minimizou uma promessa anterior de fazer os franceses trabalharem por mais tempo, dizendo que estava aberto a discutir planos para aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 65 anos.

No final, como as pesquisas de opinião mostraram após o debate televisionado da semana passada entre os dois, as políticas de Le Pen – que incluíam uma proposta para proibir as pessoas de usarem o véu islâmico em público – permaneceram extremas demais para muitos franceses.

READ  Macron mantém sua primeira grande corrida; Oponentes levantam 'caso McKinsey'

A decisão de Macron, um ex-banqueiro comercial, de concorrer à presidência em 2017 e fundar seu próprio movimento popular do zero acabou com uma certeza de longa data sobre a política francesa – algo que pode voltar a enfurecê-lo nas eleições parlamentares de junho.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Michelle Rose, Lee Thomas e Jos Trombes. Escrito por Mark John e Ingrid Melander; Edição por Frances Kerry, Raisa Kasulowski, Alexandra Hudson

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.