abril 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

“Loki” é diretor de Tom Hiddleston, McDonald’s e Marvel’s VFX Union

“Loki” é diretor de Tom Hiddleston, McDonald’s e Marvel’s VFX Union

Alerta de spoiler: Esta história discute alguns desenvolvimentos gerais do enredo da 2ª temporada, episódio 2 de “Loki”, atualmente transmitido no Disney+.

Durante 30 anos, Dan DeLeo trabalhou com efeitos visuais, de “A Máscara” a “Armageddon” e “Uma Noite no Museu” – mas sempre sonhou que um dia poderia ser capaz de dirigir. Essa oportunidade finalmente chegou em 2019, quando os diretores de “Vingadores: Ultimato”, Joe e Anthony Russo – que haviam trabalhado com Deleeuw nos efeitos visuais nas três produções anteriores do Marvel Studios – o contrataram para fazer algumas fotos adicionais para a gigantesca produção. Esse trabalho levou a trabalhos de direção de segunda unidade em “Eternos” de 2021 e “Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania” de 2023, e finalmente à cadeira de diretor principal do segundo episódio da segunda temporada de “Loki”.

Deleeuw, que supervisionou os efeitos visuais na primeira temporada do programa, presumiu que foi contratado por causa de sua aptidão para as batidas do episódio, em que Loki (Tom Hiddleston) e seu compatriota da TVA, Mobius (Owen Wilson), perseguem um TVA desonesto. Um soldado (Rafael Casal) chega a Londres na década de 1970 e mais tarde conhece Sylvie (Sofia Di Martino) em um McDonald’s na década de 1980, em Oklahoma. Mas DeLeo diz que o produtor executivo Kevin Wright lhe disse que foi contratado como diretor porque, mesmo quando está trabalhando em efeitos visuais, ele “sempre fala sobre a história”.

DeLeo também discutiu como ele e Ki-Hui Kwan – que se juntou ao programa na segunda temporada – ficaram surpresos com a forma como Hiddleston abordou o treinamento para o programa, por que a produção decidiu que Sylvie trabalhasse no McDonald’s – e sua reação à recente decisão do VFX da Marvel. artistas se sindicalizem.

READ  Os três signos do zodíaco com os horóscopos brutos na segunda-feira, 27 de junho de 2022

Já que Sylvie vive em uma linha do tempo ramificada, você já discutiu a existência de uma versão alternativa do McDonald’s, em vez do McDonald’s real?

Começamos dizendo, ok, vocês vão definir um horário, que restaurante vamos usar? Nesse ponto, houve uma oferta pelo RoxBurger – você sabe, a corporação vilã do Universo Marvel, Roxxon. Mas ele não contou outra história além de como era esse restaurante falso. Assim surgiu a proposta do McDonald’s. O McDonald’s é, de certa forma, uma empresa atemporal, que atravessa países e fronteiras. Todos começaram a falar desse momento nostálgico que tiveram com o McDonald’s. Então, rapidamente percebemos o que Sylvie sente – estar fugindo por tanto tempo e ver pessoas normais, e apenas querer ter isso e deixar todo o resto para trás – usamos o McDonald’s para colocar o público em um lugar onde eles podem fazer uma escolha mesmo nisso muito rapidamente. Esse é o tipo de acordo que você fez sobre usar o McDonald’s.

Rafael Casal no segundo episódio da série “Loki”.
Cortesia dos estúdios Marvel

Quais foram as maiores surpresas em dirigir esse episódio?

Algo que tentarei sempre fazer em qualquer outro espetáculo que dirija: foi a abertura à colaboração que Kevin Wright teve, que foi particularmente incentivada por Tom Hiddleston e pela sua experiência no teatro. À medida que o roteiro se aproxima da conclusão, convidamos todos os diretores a assistirem aos seus diversos episódios. Todos os atores virão. O livro está lá. E tivemos uma semana e meia, duas semanas em que analisamos cada roteiro individualmente, ensaiamos e brincamos com eles e os tornamos melhores. Foi um grande momento criativo no show. Assim que começamos a filmar, tínhamos uma boa ideia do que queríamos fazer. Ke [Huy Quan] Ele sentou ao meu lado. Ele viu tudo acontecer, Owen e Tom brincando com as falas. Ele se inclinou e disse: “Isso é normal?” Eu digo: “É normal para eles!”

Você trabalha com a Marvel há mais de 10 anos, principalmente em efeitos visuais. Você sempre teve a ambição de dirigir também?

Sim. No ensino médio e na faculdade, fazíamos pequenos filmes – de acesso público, quando havia acesso público. Foi algo que sempre quis fazer. Mesmo do ponto de vista dos efeitos visuais – desenhar as sequências e fazer a animação – a narrativa foi algo que me atraiu. Quando comecei a trabalhar com os russos, eles foram definitivamente encorajadores e me deram a oportunidade de fazer fotografia adicional para “Endgame”, o que me levou a dirigir a segunda unidade. Eu sempre abordo algo do ponto de vista da história. Então Kevin Wright percebeu que eu tinha esse tipo de opinião e me convidou para voltar para a segunda temporada para dirigi-la.

Como ele te contou isso?

Estando na Marvel há 10 anos, existem alguns rumores por aí. Fiquei sabendo que eles contrataram Justin e Aaron, e então ouvi falar de Khosrau [Farahani], o designer de produção, conseguiu um episódio. Eu estava tipo, “Ah, sobrou um!” Então, um dia, Kevin me ligou e disse: “Sim, então, você gostaria de dirigir ‘Loki’?” “Sim!” Foi tão simples.

No ano passado, muitos artistas de efeitos visuais que trabalharam em projetos da Marvel expressaram sua profunda frustração Com suas condições de trabalhoO que contribuiu para a decisão final de votação sobre a adesão aos sindicatos. Qual é a sua experiência com essas questões?

Eu apoio tudo o que eles fazem. Já estou nisso há muito tempo. O número de horas de efeitos visuais está enraizado no sistema há anos. Desde o início sempre tivemos esse momento difícil. Tiramos alguns meses de folga e voltamos a isso. O que você vê agora é que as ofertas são muito maiores e você tem muitas ofertas. Muitos artistas no set, especialmente em papéis de efeitos visuais, vão de um grande show para o próximo grande show e para o próximo grande show.

Tem de haver algo que crie um melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional, apenas para a segurança dos artistas, das suas famílias e da sua criatividade. Caso contrário, você obterá retornos decrescentes. É a sua tripulação. Você tem que cuidar deles. Isso é algo que acho que precisamos pensar e trabalhar.

Como sua experiência com efeitos visuais influenciou sua abordagem para dirigir este episódio, especialmente em termos de efeitos visuais?

Posso contar uma história com algo que não existe. No rascunho original, havia uma perseguição de carros. Não fazia sentido Loki estar em uma perseguição de carro. Decidimos que queríamos nos inclinar um pouco mais para o lado negro de Loki e nos afastar da assombração tradicional. Um dia eu estava imaginando: “O que Loki faria?” E ele saiu com piadas sombrias com chifres e coisas assim.

Você fez alguma coisa que um diretor que não trabalhou com efeitos visuais possa não saber?

Você já sabe quanto custa em termos de tempo e dificuldade e, quando estiver tentando passar o dia, o que fará para isso [VFX artists] Se eu tentar filmar sem acertar a tela azul, porque sei as consequências, vou lutar muito para acertar, para que os artistas não tenham que lidar com isso. Indo para a pós-produção, você sabe quanto efeito pode usar para ajudar a contar as histórias, em termos de saber se é necessário mudar um pouco o cenário, apenas para fazer sentido onde Loki está. Temos um editor na Marvel, Jeff Ford, que editou muitos filmes. Jeff é um mestre. Ele não muda suas peças para caber nas tacadas; Acho que esta é uma maneira perspicaz de ver como usar alguns efeitos visuais na postagem, sem exagerar.

Esta entrevista foi editada e condensada.