dezembro 8, 2023

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

George Weah, da Libéria, cede a Joseph Bukai nas eleições presidenciais | Notícias eleitorais

George Weah, da Libéria, cede a Joseph Bukai nas eleições presidenciais |  Notícias eleitorais

Ele acusou o Presidente Weah de não cumprir as suas promessas de reduzir a pobreza e combater a corrupção.

Joseph Boakai tornou-se o novo líder da Libéria depois de o seu rival e actual presidente, George Weah, ter reconhecido os resultados de uma eleição apertada, marcando uma transferência pacífica de poder numa região que testemunhou recentemente vários golpes militares.

A comissão eleitoral do país disse na sexta-feira que Boakai, o ex-vice-presidente de 78 anos, conseguiu uma vitória estreita com 50,9 por cento dos votos contra os 49,1 por cento de Weah, depois de quase todos os votos terem sido contados.

“O povo liberiano falou e nós ouvimos a sua voz”, disse Weah num discurso à nação.

“Exorto-vos a seguirem o meu exemplo e aceitarem o resultado das eleições”, disse ele, acrescentando que “a nossa hora voltará” em 2029, quando terminar o mandato de seis anos de Boakai.

Os resultados representam uma grande mudança em relação a 2017, quando o ex-astro do futebol internacional Weah derrotou confortavelmente Bukai com 62 por cento dos votos.

Ele aproveitou uma onda de esperança pública para chegar à presidência, prometendo combater a pobreza, desenvolver as infra-estruturas vacilantes do país e suprimir a injustiça e a corrupção.

Mas os eleitores ficaram desiludidos com o tempo e Weah, 57 anos, foi acusado de não cumprir as suas promessas de campanha de melhorar as condições no país da África Ocidental.

Independentemente dos resultados da votação de sexta-feira, o facto de o presidente ter cedido antes mesmo de o resultado oficial final ter sido anunciado é significativo, uma vez que a região assistiu a oito golpes militares nos últimos três anos, levantando preocupações sobre a queda do processo democrático.

O Gabão, na África Central, tornou-se no início deste ano o último país da região a sofrer um golpe de Estado, quando líderes militares tomaram o poder após uma eleição presidencial.

READ  Forças secretas dos EUA no Iêmen dão um novo toque ao ataque Houthi a Israel

Quando os líderes militares de uma região não conseguem prevalecer, as eleições são geralmente contestadas em tribunal, sendo frequentes as acusações de fraude.

Mas os apoiantes de Boakai saíram às ruas da capital, Monróvia, depois de a sua vitória ter sido anunciada para comemorar. “Temos uma tarefa a cumprir e estou feliz que os cidadãos nos tenham dado a sua aprovação”, disse Boakai à agência de notícias Reuters após o anúncio dos resultados.

“Em primeiro lugar, queremos ter uma mensagem de paz e reconciliação”, disse ele.

A vitória de Boakai ocorre num momento em que a Libéria tenta recuperar de duas guerras civis entre 1989 e 2003, que mataram pelo menos 250 mil pessoas, e de um surto de Ébola em meados da década de 2000, que matou milhares de pessoas.