agosto 8, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Gêmeos siameses separados por cirurgiões no Brasil e no Reino Unido usando tecnologia de realidade virtual

Gêmeos siameses separados por cirurgiões no Brasil e no Reino Unido usando tecnologia de realidade virtual

Suspensão

LONDRES – Após sair de uma cirurgia arriscada recente, os irmãos gêmeos brasileiros Arthur e Bernardo Lima foram recebidos com uma onda emocional de aplausos, aplausos e lágrimas da equipe médica e familiares.

Pela primeira vez, os meninos ficaram separados, cara a cara e de mãos dadas em uma cama de hospital compartilhada no Rio de Janeiro, depois que médicos de lá e a quase 6.000 milhas de Londres trabalharam juntos usando técnicas de realidade virtual para realizar o procedimento na cama conjugada – 3 anos geral.

Procedimentos médicos muito complexos separaram os gêmeos, que vieram de Roraima, na zona rural do norte do Brasil, e nasceram dos crânios, ou seja, foram unidos por crânios fundidos e cérebros entrelaçados que compartilhavam veias vitais. Apenas 1 em 60.000 Os nascimentos resultam em gêmeos siameses, e menos ainda aqueles que se unem ao crânio.

Especialistas médicos haviam descrito o processo de separação dos dois irmãos como impossível.

Mas a equipe médica do Instituto Rio de Cérebro Paulo Niemeyer trabalhou com o cirurgião londrino Nour Alawas Gilani, do Great Ormond Street Hospital, para usar tecnologia avançada de realidade virtual para praticar o procedimento extenuante.

Envolveu imagens detalhadas dos cérebros dos meninos, incluindo tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas, bem como exames do resto de seus corpos. Profissionais de saúde, engenheiros e outros coletaram dados para criar modelos 3D e de realidade virtual dos cérebros dos gêmeos para permitir que as equipes estudassem sua anatomia com mais detalhes.

Em seguida, as equipes internacionais passaram meses trabalhando para se preparar para os procedimentos. de acordo com À instituição de caridade britânica Gemini, que facilitou a cirurgia e foi foi estabelecido Escrito por Jilani, um famoso neurocirurgião britânico da Caxemira.

READ  Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, emite alerta assustador sobre um "conflito direto" com a Otan

Relatório diz que desastres ambientais criticam América Latina e Caribe

Equipes cirúrgicas realizaram “cirurgias experimentais” em todos os continentes usando realidade virtual, a primeira vez que essa tecnologia foi usada para esse fim no Brasil, de acordo com a instituição. Eles passaram a realizar sete cirurgias para separar completamente os gêmeos, o que levou horas de operação e cerca de 100 médicos.

“A separação foi a mais difícil até agora”, disse Gemini Antwinend em comunicado na segunda-feira. “Com cerca de quatro anos, Arthur e Bernardo também eram os gêmeos cranianos mais velhos com um cérebro combinado a ser separado, o que levou a complicações adicionais”. Ela acrescentou que a idade ideal para a separação é entre 6 e 12 meses.

Embora a cirurgia tenha sido realizada com sucesso em junho, as equipes de médicos atrasaram a publicação para que possam se concentrar na recuperação dos meninos, disse a porta-voz do Great Ormond Street Hospital, Francesca Eaton, ao Washington Post na quarta-feira.

Crianças com craniossinostose geralmente nunca sentaram, engatinharam ou andaram antes e precisam de reabilitação extensa após a cirurgia. Arthur e Bernardo passarão seis meses de reabilitação no hospital e estão ansiosos para comemorar seu quarto aniversário juntos em breve, como disse o desconhecido Gêmeos, “finalmente conseguimos nos ver cara a cara” ao lado de seus pais Adrielle e Antonio Lima .

Gilani, especialista em separar gêmeos craniofaciais, descreveu isso como uma “conquista notável”.

“Como pai, é sempre um privilégio especial poder melhorar os resultados para essas crianças e suas famílias”, disse ele em comunicado. “Não apenas criamos um novo futuro para os meninos e suas famílias, mas também fornecemos à equipe local as capacidades e a confiança para realizar com sucesso um trabalho tão complexo novamente no futuro.”

READ  Discurso de Biden hoje: Presidente quer que a Rússia seja removida do G-20, espera visitar refugiados na Polônia

Gilani Dizer A mídia britânica informou esta semana que a última cirurgia foi realizada “há sete semanas”, mas levará tempo para prever completamente o futuro dos gêmeos – já que crianças mais velhas tendem a ter uma recuperação mais lenta. Ele disse que a pandemia de coronavírus atrasou a cirurgia.

Até 1 em cada 4 gestações conhecidas podem terminar em aborto

“De certa forma, essas são as operações mais difíceis do nosso tempo, e fazê-lo em realidade virtual era apenas uma coisa em Marte”, disse ele à Press Association. Gilani disse que a cirurgia arriscada foi complicada por cicatrizes de operações anteriores nos meninos.

Ele acrescentou que o uso de tecnologias de realidade virtual significa que os cirurgiões podem ver a anatomia e praticar procedimentos sem colocar “crianças em risco”, o que ele disse ser extremamente “tranquilizador” para os profissionais médicos. “Foi ótimo poder ajudá-los nessa jornada”, acrescentou.

O hospital brasileiro disse que continuará trabalhando com a instituição de caridade britânica para tratar outros casos raros semelhantes de gêmeos siameses na América do Sul.

“Esta é a primeira cirurgia para esta complicação na América Latina”, disse Gabriel Mofarge, chefe de cirurgia pediátrica do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer.

Ele disse que os meninos se tornaram “parte de nossa família aqui no hospital” depois de mais de dois anos de Medicare. “Estamos satisfeitos que a cirurgia tenha corrido bem e que os meninos e suas famílias tenham alcançado resultados que mudaram suas vidas”.