maio 27, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Coreia do Norte registrou mais 15 mortes, suspeitas de COVID-19

Coreia do Norte registrou mais 15 mortes, suspeitas de COVID-19

SEUL, Coreia do Sul (AP) – A Coreia do Norte confirmou mais 15 mortes e centenas de milhares de pacientes adicionais com febre ao mobilizar mais de um milhão de profissionais de saúde e outros trabalhadores para tentar conter o primeiro surto de COVID-19 no país, mídia relatórios governamentais. Domingo.

Depois de manter a alegação amplamente contestada de que está livre do coronavírus por mais de dois anos, a Coreia do Norte anunciou na quinta-feira que encontrou seus primeiros pacientes com COVID-19 desde o início da pandemia.

Ela disse que a febre se espalhou pelo país “explosivamente” desde o final de abril, mas não revelou exatamente quantos casos de COVID-19 foram encontrados. Alguns especialistas dizem que a Coreia do Norte não possui os kits de diagnóstico necessários para testar um grande número de pacientes suspeitos de COVID-19.

As mortes adicionais relatadas no domingo elevaram o número de mortes por febre relatadas no país para 42. A agência oficial de notícias central coreana também informou que outras 296.180 pessoas foram contadas com febre, elevando o número total relatado para 820.620.

O surto levantou preocupações sobre uma crise humanitária na Coreia do Norte porque acredita-se que a maioria dos 26 milhões de habitantes do país não seja imune ao coronavírus e o sistema de saúde pública do país está em desordem há décadas. Alguns especialistas dizem que a Coreia do Norte pode sofrer mortes significativas se não receber imediatamente remessas internacionais de vacinas, medicamentos e outros suprimentos médicos.

Sem os kits de teste COVID-19, a Coreia do Norte está recorrendo a verificações de temperatura corporal para adivinhar a infecção. “Mas com um método de triagem tão inferior e impreciso, é impossível encontrar portadores de vírus assintomáticos e controlar mutações virais”, disse o analista Cheong Seong Chang, do Instituto Sejong, na Coreia do Sul.

READ  Últimas notícias sobre a Rússia e a guerra na Ucrânia

“Enquanto as infecções (suspeitas) na Coreia do Norte com COVID-19 estão aumentando explosivamente, espera-se que o número de mortos continue aumentando”, acrescentou Cheung.

Desde quinta-feira, a Coreia do Norte impôs um bloqueio nacional para combater o vírus. Observadores dizem que isso pode prejudicar ainda mais a frágil economia do país, que sofreu nos últimos anos devido a um declínio acentuado no comércio exterior devido ao fechamento de fronteiras relacionado à pandemia, punindo sanções econômicas da ONU por seu programa nuclear e má gestão.

Durante uma reunião sobre o surto no sábado, o líder norte-coreano Kim Jong Un descreveu o surto como uma “grande interrupção” histórica e pediu união entre o governo e o povo para estabilizar o surto o mais rápido possível.

No domingo, a Agência Central de Notícias da Coreia disse que mais de 1,3 milhão de pessoas participaram do trabalho para rastrear e tratar pacientes e aumentar a conscientização pública sobre higiene. Ela disse que todos aqueles com febre e outros com sintomas anormais estão sendo colocados em quarentena e tratados. O aumento da resposta à pandemia inclui o estabelecimento de mais instalações de quarentena, a transferência urgente de suprimentos médicos para hospitais e um aumento nos esforços de desinfecção, disse a agência.

A agência disse: “Todas as províncias, cidades e províncias do país foram completamente fechadas, unidades de trabalho, unidades de produção e unidades residenciais foram fechadas umas às outras desde a manhã de 12 de maio, e exames rigorosos e intensivos estão sendo realizados para todas as pessoas.” .

Entre os infectados com sintomas se recuperaram, enquanto 324.455 pessoas estavam recebendo tratamento até sábado, informou a Agência Central de Notícias da Coreia, citando o Centro de Emergência para Prevenção de Epidemias do país.

READ  O monarca saudita foi internado no hospital para uma colonoscopia

De acordo com relatos da mídia oficial, Kim e outros altos funcionários norte-coreanos estão doando seus próprios medicamentos de reserva para apoiar a luta contra a epidemia do país. Durante a reunião de sábado, Kim expressou otimismo de que o país possa controlar o surto, dizendo que a maioria das transmissões ocorre em comunidades isoladas umas das outras e não se espalham de uma região para outra.

Apesar do surto, Kim ordenou que as autoridades avancem com os projetos econômicos, de construção e outros projetos governamentais planejados, o que indica que as autoridades não estão pedindo às pessoas que se confinem em suas casas. Horas depois de admitir o surto do vírus na quinta-feira, a Coreia do Norte lançou mísseis balísticos em direção ao mar em uma continuação de sua recente série de testes de armas.

No sábado, a Agência Central de Notícias da Coreia disse que Kim, acompanhado por legisladores de alto escalão, visitou uma estação de luto montada para o alto funcionário Yang Hyung Sub, que morreu no dia anterior, para expressar suas condolências e conhecer parentes em luto. No domingo, a Agência Central de Notícias da Coreia disse que funcionários e trabalhadores do nordeste estão lançando iniciativas para evitar que a esperada seca da primavera prejudique o rendimento e a qualidade das colheitas.

A Coreia do Sul e a China se ofereceram para enviar vacinas, suprimentos médicos e outros envios de ajuda para a Coreia do Norte, mas Pyongyang não respondeu publicamente às iniciativas. A Coreia do Norte rejeitou anteriormente milhões de doses de vacinas fornecidas pelo programa de distribuição COVAX, apoiado pela ONU, em meio a especulações de que estava preocupada com possíveis efeitos colaterais das vacinas ou requisitos internacionais de monitoramento relacionados a essas injeções.

READ  Ucrânia descarta cessar-fogo enquanto combates no Donbass

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse na quinta-feira que os Estados Unidos apoiam os esforços de ajuda internacional, mas não planejam compartilhar suprimentos de vacinas com a Coreia do Norte. O surto de vírus na Coreia do Norte pode continuar sendo um importante tópico de discussão quando o presidente Joe Biden visitar Seul no final desta semana para uma cúpula com o recém-empossado presidente sul-coreano Yoon Seok-yeol.

O ex-chefe de espionagem sul-coreano Park Ji-won escreveu no Facebook na sexta-feira que propôs em maio de 2021 como diretor do Serviço Nacional de Inteligência que Washington enviasse 60 milhões de doses de vacinas para a Coreia do Norte como ajuda humanitária via COVAX. Ele disse que houve conversas subsequentes nas Nações Unidas e no Vaticano sobre o envio de 60 milhões de doses para a Coreia do Norte também, mas que a assistência nunca se materializou porque nenhuma oferta oficial foi feita à Coreia do Norte.

Park disse esperar que a Coreia do Norte aceite rapidamente as ofertas de ajuda de Yoon, embora tenha dito que duvida que a Coreia do Norte o faça.