junho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Um assessor de Biden manteve horas de conversas “construtivas” com o diplomata chinês

Um assessor de Biden manteve horas de conversas “construtivas” com o diplomata chinês

WASHINGTON/PEQUIM (Reuters) – O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, reuniu-se com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, em Malta, durante horas no fim de semana, disseram Pequim e Washington neste domingo, enquanto as duas maiores economias do mundo buscam estabilizar relações conturbadas.

Os dois lados mantiveram conversações “francas, objetivas e construtivas” durante diversas reuniões realizadas de 16 a 17 de setembro, de acordo com declarações separadas da Casa Branca e do Ministério das Relações Exteriores da China publicadas no domingo.

Um alto funcionário do governo Biden disse que também havia sinais iniciais “limitados” de que as comunicações militares cortadas entre os dois lados poderiam começar a ser restauradas.

As autoridades chinesas não comentaram a possibilidade de comunicação entre os dois exércitos.

A reunião de Sullivan com Wang foi a mais recente de uma série de discussões de alto nível entre autoridades dos EUA e da China que poderão lançar as bases para uma reunião entre o presidente dos EUA, Joe Biden, e o presidente da China, Xi Jinping, ainda este ano.

Estes acontecimentos ocorrem no meio de uma série de distúrbios nos altos escalões do governo chinês, incluindo o desaparecimento do Ministro da Defesa, Li Changfu, e flutuações na economia do país que provocaram pânico nos capitais estrangeiros.

Um alto funcionário do governo Biden disse aos repórteres que as negociações em Malta se estenderam por cerca de 12 horas em dois dias. Sullivan encontrou-se com Wang pela última vez em Viena, em maio passado.

READ  Ucrânia pede à Turquia que apreenda cargueiro de bandeira russa notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

O Ministério das Relações Exteriores da China disse que os dois lados concordaram em manter intercâmbios de alto nível e realizar consultas bilaterais sobre assuntos da Ásia-Pacífico, assuntos marítimos e política externa.

Os Estados Unidos disseram à China que estão prontos para trabalhar em conjunto na luta contra as drogas, a inteligência artificial e as alterações climáticas, embora tenham manifestado preocupações sobre o apoio não especificado da China à Rússia e a Pequim, que recentemente enviou caças através da sensível linha mediana do Estreito de Taiwan e os Estados Unidos. O funcionário disse.

Wang alertou os Estados Unidos que a questão de Taiwan é “a primeira linha vermelha intransponível nas relações China-EUA”, segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da China. A China reivindica a ilha autônoma como seu território.

Wang também disse que o desenvolvimento da China tem “um forte impulso interno” e “não pode ser interrompido”, e que “o direito legítimo do povo chinês ao desenvolvimento não pode ser negado”.

Os Estados Unidos afirmaram que procuram uma concorrência saudável com a China com base em regras justas que beneficiem ambos os países, mas a China disse que, apesar de apelar à concorrência, os Estados Unidos continuam empenhados em suprimir e conter o seu crescimento.

O responsável norte-americano disse que “houve algumas indicações pequenas ou limitadas” de que Pequim está preparada para reabrir alguns dos contactos militares usados ​​para acalmar o conflito entre os dois países, depois de essas relações terem sido rompidas na sequência da visita do ex-presidente dos EUA em agosto de 2022. A visita da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, a Taiwan irritou a China.

Na sua declaração, a Casa Branca sugeriu fortemente novas reuniões entre os Estados Unidos e a China, acrescentando que os dois lados estão “empenhados em manter este canal estratégico de comunicação e em procurar um maior envolvimento e consultas de alto nível em áreas-chave… próximos meses.”

READ  Stoltenberg está preocupado com a retórica separatista na Bósnia

Biden expressou este mês decepção por Xi ter perdido a cúpula do G20 na Índia, mas disse que “poderá vê-lo”. A próxima oportunidade potencial para Biden manter conversações com Xi é a cimeira de Cooperação Económica Ásia-Pacífico em São Francisco, em Novembro, onde os assessores dos EUA esperam há meses organizar tal reunião.

A secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, o secretário de Estado, Anthony Blinken, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, e o enviado climático de Biden, John Kerry, viajaram para a China este ano para melhorar as relações e garantir a comunicação contínua entre os dois países em meio às tensões que eclodiram depois que os militares dos EUA derrubaram um Avião de passageiros americano. Balão de observação chinês que viajou pelos Estados Unidos.

Biden e Xi reuniram-se pela última vez em 2022, à margem da cimeira do G20 na ilha indonésia de Bali.

(Reportagem de Steve Holland e Trevor Hunnicutt em Washington, Andrea Shalal em Wilmington, Delaware, e Lori Chen e Liz Li em Pequim – Preparado por Muhammad para o Boletim Árabe) Escrito por Andrea Shalal, Jason Lange e Trevor Hunnicutt. Editado por Scott Malone, Will Dunham, Susan Fenton, Sandra Maler e Michael Perry

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Lori Chen é correspondente na China no escritório da Reuters em Pequim, cobrindo política e notícias em geral. Antes de ingressar na Reuters, ela cobriu a China durante seis anos na AFP e no South China Morning Post em Hong Kong. Ela fala mandarim fluentemente.