junho 30, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Últimas notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo

Últimas notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo
atribuído a ele…Emile Ducky para The New York Times

As autoridades russas ameaçaram na segunda-feira a Lituânia, membro da Otan, com retaliação se o Estado báltico não revogar rapidamente sua proibição de transporte de algumas mercadorias para o reduto ferroviário russo de Kaliningrado.

Citando instruções da União Europeia, a Lituânia Railways disse na sexta-feira que parou o movimento de mercadorias da Rússia, que foi sancionado pelo bloco europeu.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry S. Peskov disse a repórteres que a situação era “mais do que séria”. Ele descreveu as novas restrições como um “elemento de bloqueio” para a área e uma “violação de tudo”.

Autoridades em Vilnius, capital da Lituânia, se acostumaram com as ameaças russas, considerando os alertas de Moscou como violentos – o mais recente de uma série de declarações cada vez mais violentas para um país sob forte pressão militar por sua invasão da Ucrânia.

“Não estamos particularmente preocupados com as ameaças russas”, disse Laurynas Kasciunas, presidente do Comitê de Segurança e Defesa Nacional do parlamento lituano. “O Kremlin tem muito poucas opções sobre como responder.”

Ele acrescentou que uma resposta militar da Rússia é “altamente improvável porque a Lituânia é membro da OTAN. Se não, eles provavelmente a considerariam”.

A raiva da Rússia em relação à Lituânia veio depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky alertou na segunda-feira que Moscou iniciaria “atividades mais hostis” contra a Ucrânia e países europeus nos próximos dias em resposta aos esforços de seu país para ingressar na União Europeia.

READ  Dan Yergin diz que a Ásia se tornará o "mercado virtual" do petróleo russo

Até 50 por cento de todo o frete ferroviário enviado entre a Rússia continental e Kaliningrado – que autoridades russas disseram incluir materiais de construção, concreto e metal, entre outras coisas – será afetado pela proibição anunciada na semana passada. As restrições revelaram a vulnerabilidade aguda da região, que faz parte da Rússia, mas não está ligada ao resto do país. Faz fronteira com o Mar Báltico, mas fica entre dois membros da OTAN, Lituânia e Polônia.

Kaliningrado, que o exército soviético capturou da Alemanha em 1945, já foi descrito pela Rússia como um símbolo de seus laços crescentes com a Europa. Mas recentemente se tornou uma linha de falha volátil entre o Oriente e o Ocidente.

Na década de 1990, as autoridades russas promoveram os laços anteriores de Kaliningrado com a Alemanha como uma atração turística, celebrando seu papel na vida e obra do filósofo alemão do século XVIII Immanuel Kant, que nasceu e viveu em Königsburg, a capital regional agora chamada Kaliningrado.

Recentemente, no entanto, Moscou tentou apagar os traços dos profundos laços históricos da Alemanha com a região – embora a Alemanha não reivindique Kaliningrado nem tenha demonstrado interesse em recuperá-la, um forte contraste com as opiniões da Rússia sobre as antigas terras soviéticas, incluindo a Ucrânia.

Sob um nacionalismo cada vez mais agressivo, a Rússia abandonou as políticas que promoviam a Rússia como parte da Europa e transferiu mísseis Iskander avançados para Kaliningrado. O ministro da Defesa da Lituânia disse em abril que a Rússia havia implantado armas nucleares na região, uma acusação que Moscou nega.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia convocou o principal enviado da Lituânia na segunda-feira sobre o que chamou de restrições “abertamente hostis”.

READ  Uma instituição de caridade animal diz que mais de 100 cães de abrigo que sobreviveram à fome na Ucrânia devastada pela guerra se mudaram para a fronteira da Polônia

“Se o trânsito de mercadorias entre a região de Kaliningrado e o resto da Federação Russa através da Lituânia não for totalmente restabelecido em um futuro próximo, a Rússia se reserva o direito de tomar medidas para proteger seus interesses nacionais”, disse o ministério. na situação atual.

O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, defendeu as restrições aos embarques para Kaliningrado, dizendo que seu país apenas cumpriu as condições das sanções da UE.

“A Lituânia não está fazendo nada, são as sanções europeias que estão começando a funcionar”, disse ele. repórteres No Luxemburgo, na segunda-feira, antes de uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros europeus.

Anton Alikhanov, governador de Kaliningrado, Ele disse Seu governo já estava trabalhando em rotas alternativas para o embarque de mercadorias, principalmente aquelas contendo metais e materiais de construção. Uma opção, disse ele, poderia ser o transporte de mercadorias por via marítima, o que pode exigir até sete navios para atender a demanda antes do final do ano.

Ele acrescentou que o governo local está considerando pelo menos três opções de retaliação à sua proposta ao Kremlin, incluindo uma possível proibição do embarque de mercadorias para portos lituanos via Rússia.

As relações da Rússia com a Lituânia, anteriormente parte da União Soviética, nunca foram estreitas, mas se romperam significativamente nos últimos meses, já que a Lituânia assumiu um papel de liderança na pressão por duras sanções da UE contra a Rússia pela invasão da Ucrânia.

Apenas duas semanas atrás, um membro do parlamento russo do partido Rússia Unida de Putin apresentou um projeto de lei declarando ilegal a declaração de independência da Lituânia em 1990. O projeto visa reverter a desintegração da União Soviética, algo que Putin chamou de “a maior tragédia geopolítica do século 20”.

READ  Rússia diz que Israel apoia 'neo-nazistas' na Ucrânia à medida que a disputa aumenta | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

Mas, como o avanço estagnado das forças russas na Ucrânia mostrou, há uma grande lacuna entre o desejo de Putin de derrotar a história e as capacidades de seu país. Qualquer ação militar contra a Lituânia colocaria o já devastado exército russo em confronto direto com a OTAN.

Thomas Dapkus Contribuiu para a reportagem de Vilnius.