maio 26, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Sunak, do Reino Unido, promete que os voos de deportação para Ruanda começarão dentro de 10 a 12 semanas | Notícias de imigração

Sunak, do Reino Unido, promete que os voos de deportação para Ruanda começarão dentro de 10 a 12 semanas |  Notícias de imigração

Sunak diz que o governo forçará o Parlamento a reunir-se na noite de segunda-feira para aprovar a legislação, se necessário.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, prometeu começar a enviar requerentes de asilo para o Ruanda dentro de 10 a 12 semanas, dizendo à câmara alta do parlamento que irá impor nova legislação, apesar da sua oposição ao plano.

Sunak disse que o governo reservou aviões fretados comerciais e treinou pessoal para transportar requerentes de asilo para o Ruanda, uma política que ele espera que impulsione a fortuna do Partido Conservador antes das eleições no final deste ano.

Depois de semanas de oposição na Câmara dos Lordes, que quer fornecer salvaguardas para a legislação divisiva, Sunak disse que o governo forçaria o Parlamento a reunir-se até tarde da noite de segunda-feira, se necessário, para aprová-la.

“Não, então, não há reservas. Estes voos têm como destino o Ruanda”, disse Sunak em conferência de imprensa.

Dezenas de milhares de requerentes de asilo – muitos deles fugindo da guerra e da pobreza em África, no Médio Oriente e na Ásia – chegaram à Grã-Bretanha nos últimos anos, atravessando o Canal da Mancha em pequenos barcos em viagens perigosas organizadas por gangues de contrabando de pessoas.

O governo planeia deportar alguns dos que entram ilegalmente no Reino Unido para o Ruanda, como forma de dissuasão dos requerentes de asilo que consideram a travessia.

Instituições de caridade e grupos de direitos humanos dizem que tentarão impedir as deportações individuais, e o sindicato que representa o pessoal da Força Fronteiriça prometeu declarar a nova legislação ilegal “dentro de dias” após os primeiros requerentes de asilo serem informados de que serão enviados para o Ruanda.

A Care4Calais, uma instituição de caridade que apoia requerentes de asilo, descreveu o plano como um “truque” cruel e impraticável.

READ  Como os americanos podem cuidar dos refugiados ucranianos

“Precisamos urgentemente que o governo do Reino Unido comece a tratar os refugiados com bondade e pare de tentar mandá-los para um futuro inseguro no Ruanda”, disse Lucy Greig, chefe interina de defesa da Freedom from Torture, num comunicado.

“Juntamente com os sobreviventes da tortura e com o apoio de milhares de pessoas que prestam cuidados em todo o país, uniremos-nos para mostrar às companhias aéreas que não iremos tolerar que voem contra a dignidade humana.”

A nova legislação é a resposta de Sunak a uma decisão do Tribunal Superior do Reino Unido no ano passado de que o envio de migrantes para o Ruanda era ilegal ao abrigo do direito internacional.

“Basta. Chega de prevaricação. Chega de atrasos”, disse Sunak aos repórteres, acrescentando que prevê “vários” voos por mês durante os meses de verão.

Impedir as chegadas é um objectivo fundamental do governo, mas os críticos dizem que o plano de deportar pessoas para o Ruanda é desumano e que o país da África Oriental não é um lugar seguro.

Alguns dos seus pares do Partido Trabalhista e de vários partidos querem que a legislação inclua garantias para os afegãos que anteriormente ajudaram as forças britânicas, e que estabeleça um comité para monitorizar a segurança dos requerentes de asilo no Ruanda.

Outros países europeus, incluindo a Áustria e a Alemanha, também estão a estudar acordos para lidar com requerentes de asilo no estrangeiro.