maio 27, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Rússia resiste à guerra de informação com aviso de prisão

Rússia resiste à guerra de informação com aviso de prisão
  • Rússia vai impor penas de prisão e multas por notícias falsas
  • Quem mentiu será punido – o Presidente da Duma do Estado
  • Rússia restringe acesso à BBC e outros sites de notícias
  • BBC: Acesso a informações precisas é um direito humano
  • Rússia diz que está travando uma guerra de informação

MOSCOU (Reuters) – O Parlamento da Rússia aprovou nesta sexta-feira uma lei impondo uma pena de prisão de até 15 anos por divulgar deliberadamente notícias “falsas” sobre os militares, intensificando a guerra da mídia sobre o conflito na Ucrânia.

Autoridades russas disseram repetidamente que informações falsas foram espalhadas por inimigos da Rússia, como os Estados Unidos e seus aliados na Europa Ocidental, na tentativa de semear discórdia entre o povo russo.

Os legisladores aprovaram emendas ao código penal que tornam a divulgação de informações “falsas” um crime punível com multas ou prisão. Eles também impuseram multas por pedidos públicos de sanções contra a Rússia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Se a fraude levar a sérias consequências, ameaça a prisão de até 15 anos”, disse a câmara baixa do parlamento, conhecida como Duma em russo, em um comunicado.

A Duma do Estado estabeleceu um escopo de penalidades para quem acreditasse ter ofendido a credibilidade das Forças Armadas, com penalidades mais pesadas para aqueles que disseminassem intencionalmente informações falsas ou defendessem ações públicas não autorizadas.

As emendas, que a Reuters não conseguiu ver no site da Duma, parecem dar ao Estado russo poderes de repressão muito mais fortes.

“Até amanhã, esta lei imporá punição – e punição muito severa – àqueles que mentiram e fizeram declarações que desacreditaram nossas forças armadas”, disse o presidente da Duma, Vyacheslav Volodin.

READ  Economia da Rússia encolhe acentuadamente à medida que a guerra e as sanções continuam

O presidente Vladimir Putin disse que uma “operação militar especial” era necessária para garantir a segurança da Rússia depois que os Estados Unidos expandiram a aliança militar da Otan para as fronteiras da Rússia e apoiaram líderes pró-ocidentais em Kiev.

Legisladores russos participam de uma sessão da Duma Estatal, a câmara baixa do Parlamento, em Moscou, Rússia, em 4 de março de 2022. Duma Estatal da Rússia / Postado via Reuters Atenção Editores – Esta foto foi fornecida por terceiros. Não há comentários. não arquivar. Crédito compulsório.

Autoridades russas não usam a palavra “invasão” e dizem que a mídia ocidental falhou em relatar o que eles descrevem como um “genocídio” de pessoas de língua russa na Ucrânia.

As emendas devem ser aprovadas pela câmara alta do parlamento antes de irem para Putin para serem sancionadas.

“punição cruel”

Líderes da oposição russa alertaram que o Kremlin pode reprimir a oposição depois que Putin ordenou a operação.

O órgão de vigilância de comunicações da Rússia também cortou o acesso a vários sites de organizações de notícias estrangeiras, incluindo a BBC e a Deutsche Welle, por divulgar o que alegava ser informações falsas sobre sua guerra na Ucrânia.

“O acesso é restrito a uma série de fontes de informação de propriedade estrangeira”, disse a organização conhecida como Roskomnadzor em comunicado. Consulte Mais informação

A Rússia reclamou repetidamente que as organizações de mídia ocidentais fornecem uma visão parcial – e muitas vezes anti-russa – do mundo, ao mesmo tempo em que não responsabilizam seus líderes por guerras estrangeiras como o Iraque e a corrupção.

A BBC disse que o acesso a informações precisas é um direito humano básico e continuará seus esforços para disponibilizar suas notícias na Rússia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem do Escritório de Moscou, Redação de Guy Faulconbridge, Edição de Simon Cameron Moore e Angus McSwan

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.