maio 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

rápido! Alguém pegue este livro médico.

rápido!  Alguém pegue este livro médico.

Nem todo local de trabalho possui uma guilhotina. No laboratório de preservação de livros abaixo do primeiro andar do Metropolitan Museum of Art, a guilhotina do escritório pode ser um bebedouro ou Um arquivo para tudo o que incomoda os funcionários. “Temos muitos equipamentos violentos”, disse Mendel Dubansky, que dirige o Centro Sherman Fairchild para Conservação de Livros.

Máquinas assustadoras fazem parte do cotidiano do laboratório, que funciona como um hospital onde livros doentes de cada seção do museu são restaurados à saúde. Os seis funcionários do laboratório processam 2.500 livros por ano.

Esses livros chegam diariamente e são avaliados para tratamento pela equipe de preservação. Tal como acontece com qualquer coisa feita de materiais orgânicos, os livros se decompõem com o tempo. As ligações quebram, as páginas rasgam e esfarelam e os adesivos param de grudar. O processo de decomposição pode ser acelerado por pragas, mofo, umidade, calor, frio e simples uso antigo, entre inúmeros outros fatores. Alguns livros são raros e valiosos. Outros são comuns – por exemplo, um livro de pinturas europeias caiu no chão e quebrou a lombada.

“Ao contrário do resto das obras de arte deste edifício, nosso trabalho é feito”, disse Dubansky. “Temos que interferir o mínimo possível, mantendo a funcionalidade do livro – e fazendo parecer que nunca estivemos lá.”

Embora o Museu Metropolitano conserve livros internamente há quase um século, ele só abriu suas portas em 2011, com as instalações atuais projetadas em estreita colaboração com a equipe de conservação. Com suas ferramentas antigas, toques modernos e sessões interessantes com pacientes, o laboratório reformado exala o charme de um cientista maluco.

“Para quem gosta de livros, entrar no laboratório é como ser atingido pela flecha do Cupido”, disse Dubansky. “As pessoas passam por aquela porta com expressões de espanto e querem dedicar a vida inteira para garantir que os livros estejam bem.”

READ  Assista à transmissão ao vivo na quinta-feira: os astronautas deixam a estação espacial

Dubansky dá conselhos para leitores que desejam manter seus próprios livros – raros ou não – em excelentes condições. Luz, poeira e flutuações extremas de temperatura devem ser evitadas. (“Bases e sótãos não são seus amigos.”) Não permita que os livros se inclinem como a Torre de Pisa. Em vez disso, armazene-os no modo retrato ou paisagem. Considere colocar uma capa protetora contra poeira de mylar em livros que requerem proteção especial. Por mais gratificante que seja “abrir” um livro, não o abra a menos que pretenda causar uma lesão na coluna.

É claro que os livros são para leitura, não apenas para reverência. Quando se trata de marcadores, Dubansky recomendou ficar longe de notas e clipes de papel, pois ambos comprometem a integridade da página subjacente. Marcadores de couro, embora elegantes e sedutores, são ácidos demais para a tarefa. Quando questionado sobre a prática de beijar cães, Dubanski ergueu as sobrancelhas: “Fale sobre abuso flagrante!”

O marcador mais seguro é o mais fácil: um pedaço fino de papel velho e comum.