maio 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Protestos universitários: confrontos entre estudantes e universidades aumentam as tensões na guerra de Gaza

Protestos universitários: confrontos entre estudantes e universidades aumentam as tensões na guerra de Gaza

AUSTIN, Texas (AP) – A polícia se envolveu com estudantes manifestantes no Texas e na Califórnia, enquanto novos acampamentos surgiram em Harvard e outras faculdades na quarta-feira, enquanto os líderes escolares procuravam maneiras de conter a maré crescente. Protestos pró-Palestina.

Na Universidade do Texas, em Austin, dezenas de policiais locais e policiais estaduais formaram uma fila para impedir que os estudantes marchassem no campus, acabando por entrar em confronto com os manifestantes e detendo várias pessoas.

Na Universidade do Sul da Califórnia, a polícia removeu várias tendas e depois travou um cabo de guerra com os manifestantes sobre as tendas antes de cair novamente.

Terça-feira, 23 de abril de 2024, Cambridge, Massachusetts. (AP Photo/Charles Krupa) Estudantes protestam em um acampamento fora do Auditório Kresge, no campus do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

A Universidade de Harvard, em Massachusetts, tentou ficar à frente dos protestos desta semana, restringindo o acesso ao Harvard Yard e exigindo licenças para tendas e mesas. Mas isso não impediu os manifestantes de montarem um acampamento de 14 tendas na quarta-feira, que ocorreu depois de uma manifestação contra a suspensão pela universidade de um grupo de solidariedade de estudantes universitários de Harvard à Palestina.

Alunos Oposição à guerra de Israel com o Hamas são exigentes Escolas romperam laços financeiros A Israel e à retirada das instituições que permitem o seu conflito de meses. Dezenas de pessoas foram presas sob a acusação de invasão de propriedade ou conduta desordeira. Alguns estudantes judeus dizem que os protestos se tornaram anti-semitas e fizeram com que tivessem medo de pisar no campus.

Ações ocorreram nos EUA após a proibição da Universidade de Columbia Outro confronto Entre os estudantes e a polícia no início do dia. Uma atmosfera tensa prevaleceu ali, já que as autoridades do campus disseram que as negociações com os manifestantes continuariam por 48 horas.

READ  Um vídeo do Neuralink mostra um paciente usando um implante cerebral para jogar xadrez em um laptop

O presidente da Universidade de Columbia, Minuch Shafik, estabeleceu o prazo até meia-noite de terça-feira para chegar a um acordo para desmantelar um acampamento, mas a escola estendeu as negociações, dizendo que era um “progresso significativo”. A Universidade de Nova York disse em comunicado que os estudantes manifestantes se comprometeram a remover um número significativo de tendas.

O estudante de pós-graduação da Columbia, Omer Lubaton Granot, disse que queria lembrar às pessoas que o Hamas ainda mantém mais de 100 reféns, colocando fotos de reféns israelenses perto do campo.

“Vejo todas as pessoas atrás de mim defendendo os direitos humanos”, disse ele. “Não creio que diriam uma palavra sobre pessoas da sua idade, raptadas das suas casas ou de um festival de música em Israel, que estão detidas por uma organização terrorista”.

Manifestantes pró-palestinos se reúnem em frente ao Sproul Hall, no campus da Universidade da Califórnia, terça-feira, 23 de abril de 2024.  Algumas faculdades incentivaram os alunos a assistir às aulas remotamente.  (Foto AP/Haven Daly)

Manifestantes pró-palestinos se reúnem em frente ao Sproul Hall na Universidade da Califórnia, campus de Berkeley, terça-feira, 23 de abril de 2024, em Berkeley, Califórnia. (Foto AP/Haven Daly)

Tala Alfoqaha, uma estudante de direito de Harvard que é palestina, disse que ela e outros manifestantes queriam mais transparência na universidade.

“Espero que a administração de Harvard ouça o que os seus estudantes têm pedido durante todo o ano, que é retirar, divulgar e retirar as acusações contra os estudantes”, disse ele.

Em Austin, os manifestantes disseram que planejavam sair e marchar até o gramado principal do campus, onde os estudantes ocupariam o espaço e realizariam eventos durante a tarde. Mas a universidade disse em comunicado que não tolerará interrupções como acontece em outros campi.

A polícia do Texas e as autoridades de segurança pública não confirmaram imediatamente o número de prisões.

READ  Trump ordenou um depósito em 2015 em um caso que supostamente o atacou durante a demonstração da Trump Tower

A polícia prendeu mais de 100 manifestantes quando tentou pela primeira vez desmantelar o campo na Colômbia, na semana passada. Mas o tiro saiu pela culatra, servindo de inspiração para outros estudantes em todo o país montarem acampamentos semelhantes e levando os manifestantes a se reagruparem na Colômbia.

Havia cerca de 60 tendas no campus de Columbia na quarta-feira, e parecia silencioso, com estudantes entrando e saindo – uma mulher segurando uma escova de dente. Uma mulher falou pelo alto-falante sobre os motivos do protesto. A segurança foi reforçada em todo o campus, com necessidade de identificação e a polícia erguendo barreiras metálicas.

A licença na Colômbia ocorreu horas antes da visita do presidente republicano da Câmara dos EUA, Mike Johnson, para se encontrar com estudantes judeus e abordar preocupações sobre o anti-semitismo nos campi universitários.

“Nem Israel nem estes estudantes judeus neste campus ficarão sozinhos”, disse Johnson, que falou do lado oposto ao quarteto do campo pró-Palestina.

“Não podemos ouvir vocês”, gritavam os manifestantes.

A Colômbia disse ter concordado com os representantes dos manifestantes que apenas estudantes deveriam estar no campo.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, criticou as manifestações pró-palestinas nos campi universitários americanos em uma declaração em vídeo divulgada na quarta-feira, chamando a resposta de vários líderes universitários de “vergonhosa” e pedindo a intervenção de autoridades estaduais, locais e federais.

Em alguns dos protestos, os estudantes mantiveram suas identidades ocultas. No acampamento de cerca de 40 tendas no centro do campus da Universidade de Michigan, em Ann Arbor, quase todos os estudantes usavam uma máscara, que lhes foi entregue quando entraram.

Os estudantes manifestantes recusaram-se a identificar-se aos repórteres, dizendo temerem retaliação por parte da universidade. Os organizadores do protesto disseram que alguns estudantes que participaram de protestos anteriores em Michigan foram detidos e punidos. Mas alguns estudantes que passavam gritaram para que os manifestantes retirassem as máscaras e mostrassem o rosto.

O recrudescimento dos protestos deixou as universidades Lutas para equilibrar a segurança do campus Junto com os direitos de liberdade de expressão. Muitos toleraram durante muito tempo os protestos, mas agora praticam uma disciplina mais rigorosa, alegando preocupações de segurança.

Esta semana, na Universidade de Nova Iorque, a polícia disse que 133 manifestantes foram detidos e libertados com intimação para comparecer em tribunal por acusações de conduta desordeira. Mais de 40 manifestantes foram presos na segunda-feira no campus da Universidade de Yale.

Ben Wisner, advogado da União Americana pelas Liberdades Civis, disse que os presidentes das faculdades enfrentam decisões muito difíceis porque têm a responsabilidade de garantir que outros possam expressar as suas opiniões, ao mesmo tempo que protegem os estudantes de ameaças e intimidação.

___

Perry relata de Meredith, New Hampshire. Os repórteres da Associated Press que contribuíram para este relatório foram Joey Cappelletti, Will Weisert, Larry Lage, Steve LeBlanc, Dave Collins, Jim Salter, Haven Daly, Jesse Petain, John Antsak, Julie Walker e Joseph Krause, entre outros.