julho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Pressão sobre Biden para permitir que a Ucrânia ataque a Rússia com armas dos EUA

Pressão sobre Biden para permitir que a Ucrânia ataque a Rússia com armas dos EUA

fonte da imagem, Boas fotos

legenda da imagem, Entre as armas fornecidas pelos Estados Unidos à Ucrânia estão os Sistemas de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (Himars).

  • autor, Laura Cosey
  • estoque, BBC Notícias

A Ucrânia está sob pressão crescente sobre o presidente dos EUA, Joe Biden, para atacar a fronteira russa usando armas fornecidas pelo Ocidente.

Vários aliados dos EUA sinalizaram esta semana que estavam abertos à possibilidade, após meses de preocupação com a expansão.

O russo Vladimir Putin alertou para “graves consequências”, especialmente para o que chamou de “países pequenos” na Europa.

Na quarta-feira, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que a posição de Washington sobre o assunto seria “adaptativa e ajustada” com base nas mudanças nas condições do campo de batalha. Ele está atualmente na capital checa, Praga, para a Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da OTAN.

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse na quarta-feira que, embora o apoio dos EUA a Kiev tenha evoluído, “neste momento, não há mudança na nossa política”.

A Ucrânia tem lutado para conter uma ofensiva russa no leste do país, enquanto a cidade de Kharkiv tem sofrido semanas de ataques mortais, a maioria lançados pela Rússia a partir de postos militares avançados perto da fronteira com a Ucrânia.

legenda da imagem, A Casa Branca disse que não há mudança em sua política

Há já algum tempo que Macron defende a intervenção directa no conflito ucraniano – mas outros líderes ocidentais também parecem estar a suavizar a ideia.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, foi cauteloso em público, mas um porta-voz em Berlim disse: “A ação defensiva não se limita ao próprio território, mas também inclui o território do agressor”.

Na semana passada, o chefe da NATO, Jens Stoltenberg, disse ao Economist que o Ocidente deveria permitir que a Ucrânia se defendesse atacando bases militares na Rússia. “A Ucrânia tem o direito de se defender. Isto inclui atingir alvos em território russo”, disse ele.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Lord Cameron, disse no início deste mês que a Ucrânia deveria decidir como usar as armas britânicas, enquanto o vice-ministro da Defesa da Polónia disse que os ucranianos poderiam usar as armas polacas “como acharem adequado”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse anteriormente que era “injusto” que os países ocidentais impusessem limites ao uso das suas armas, ao mesmo tempo que admitia que a Ucrânia não podia arriscar o apoio dos seus parceiros.

A Rússia reagiu com raiva à perspectiva de armas ocidentais serem utilizadas contra alvos em território russo.

“Na Europa, especialmente nos países pequenos, eles deveriam saber o que estão jogando”, disse Vladimir Putin, acrescentando que muitos países europeus tinham “territórios pequenos” e “populações densas”.

O líder russo acrescentou que, embora as forças da Ucrânia tenham realizado os ataques, quaisquer ataques dentro do território do seu país caberiam aos fornecedores de armas ocidentais.

No entanto, acredita-se que a Ucrânia já tenha utilizado algumas armas fornecidas pelo Ocidente para ataques em território russo, embora o tenha feito sem alarde.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Letónia, Baiba Brace, disse à imprensa ucraniana que alguns países já tinham fornecido armas à Ucrânia “sem condições”, mas sem dizer “todas” em voz alta.

Outros países têm sido mais receptivos ao permitir que a Ucrânia use as suas armas dentro da Rússia.

Os EUA já entregaram milhares de armas de autodefesa, tanques e sistemas de defesa aérea à Ucrânia.

Desde Abril, também enviou para a Ucrânia uma versão de maior alcance dos mísseis ATACMS, que podem viajar até 300 km.

Até agora, a Ucrânia tem utilizado drones para atacar alvos dentro do território russo.

No início desta semana, foi relatado que drones ucranianos atingiram um radar de alerta precoce perto da cidade de Orsk, a 1.500 km (932 milhas) da fronteira com a Ucrânia.