dezembro 11, 2023

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Por que encontrar vida alienígena no universo agora é ‘apenas uma questão de tempo’

Por que encontrar vida alienígena no universo agora é ‘apenas uma questão de tempo’
  • Escrito por Pallab Ghosh
  • Repórter Científico

Comente a foto,

Europa, uma das luas geladas de Júpiter, é o lugar mais provável do nosso sistema solar para abrigar vida alienígena

Muitos astrônomos não se perguntam mais se existe vida em outras partes do universo.

A questão em suas mentes é: quando o encontraremos?

Muitos estão optimistas de que sinais de vida num mundo distante serão descobertos durante a nossa vida – talvez nos próximos anos.

Um cientista, liderando uma missão a Júpiter, chega a dizer que seria uma “surpresa” se não houvesse vida numa das luas geladas do planeta.

O Telescópio Espacial James Webb da NASA (JWST) detectou recentemente sinais tentadores de vida num planeta fora do nosso sistema solar e tem vários outros mundos à vista.

Várias missões em andamento ou prestes a começar representam uma nova corrida espacial pela maior descoberta científica de todos os tempos.

“Vivemos num universo infinito, com um número infinito de estrelas e planetas”, diz a Professora Catherine Heymans, Astrónoma Real da Escócia. “Ficou claro para muitos de nós que não poderíamos ser a única vida inteligente lá fora.”

“Agora temos a tecnologia e a capacidade de responder à questão de saber se estamos sozinhos no universo.”

“Zona Cachinhos Dourados”

Os telescópios podem agora analisar as atmosferas dos planetas que orbitam estrelas distantes em busca de sinais de substâncias químicas que, pelo menos na Terra, só podem ser produzidas por organismos vivos.

O primeiro vislumbre de tal descoberta ocorreu no início deste mês com um possível sinal de um gás produzido por organismos marinhos simples na Terra na atmosfera de um planeta chamado K2-18b, que fica a 120 anos-luz de distância.

Comente a foto,

Obra de arte: K2-18 b orbita uma estrela anã fria que parece vermelha a uma distância suficiente para que sua temperatura suporte vida.

O planeta situa-se no que os astrónomos chamam de “zona Cachinhos Dourados” – a distância certa da sua estrela para que a temperatura da superfície não seja nem demasiado quente nem demasiado fria, mas apenas ideal para a presença de água líquida, que é essencial para sustentar a vida. vida.

A equipe espera saber dentro de um ano se as dicas interessantes que receberam foram confirmadas ou desapareceram.

O professor Nico Madhusudan, do Instituto de Astronomia da Universidade de Cambridge, que liderou o estudo, disse-me que se estas pistas se confirmarem, “isso mudará fundamentalmente a forma como pensamos sobre a procura de vida”.

“Se encontrarmos sinais de vida no primeiro planeta que estudamos, isso aumentará a possibilidade de que a vida seja comum no universo.”

Mesmo que não encontrem sinais de vida em K2-18b, a equipa tem mais 10 planetas na sua lista para estudar e talvez muitos mais depois disso.

O professor Madhusudan espera que dentro de cinco anos ocorra o que ele descreveu como uma “grande mudança” na nossa compreensão da habitabilidade dos planetas para a vida e da vida no universo.

“Até lá teremos a oportunidade de estudar seis planetas como o K2-18b ou um pouco mais quentes.

“É provável que estejamos perto da primeira descoberta. Por outro lado, não detectar nenhuma também fornecerá informações importantes sobre a possibilidade de vida em tais planetas.”

Mas por mais poderoso que seja o Telescópio Espacial James Webb, ele tem suas limitações. O tamanho da Terra e a proximidade do Sol permitem-lhe sustentar vida. Mas o Telescópio Espacial James Webb não será capaz de detectar planetas distantes tão pequenos como a Terra (K2-18b é oito vezes maior) ou próximos das suas estrelas-mãe, devido ao brilho.

Assim, a NASA está planejando estabelecer o Observatório de Mundos Habitáveis ​​(HWO), previsto para a década de 2030. Usando um guarda-sol de alta tecnologia, reduz a luz da estrela em torno da qual o planeta orbita. Isto significa que será capaz de detectar e recolher amostras de atmosferas de planetas semelhantes ao nosso.

Comente a foto,

Obra de arte: O Observatório de Mundos Habitáveis ​​coloca um escudo solar na frente da estrela para ver os planetas que a rodeiam com mais clareza

Também será lançado no final desta década o Extremely Large Telescope (ELT), que estará no solo, observando os céus claros do deserto chileno. Possui o maior espelho de qualquer instrumento alguma vez construído, com 39 metros de diâmetro, e pode, portanto, ver muito mais detalhes nas atmosferas planetárias do que os seus antecessores.

Esses três telescópios usados ​​para analisar a atmosfera usam uma técnica que os químicos usam há centenas de anos para distinguir produtos químicos dentro de materiais pela luz que emitem.

Mas o JWST e o HWO são tão poderosos que podem fazê-lo através de uma pequena partícula de luz emitida pela atmosfera de um planeta que orbita uma estrela, a centenas de anos-luz de distância.

Perto de casa

Enquanto alguns olham para planetas distantes, outros limitam a sua busca ao nosso próprio quintal, aos planetas do nosso sistema solar.

O lar mais provável para a vida é uma das luas geladas de Júpiter, Europa. É um mundo lindo com rachaduras na superfície que lembram listras de tigre. Europa tem um oceano sob a sua superfície gelada, de onde se lançam nuvens de vapor de água para o espaço.

Comente a foto,

As listras de tigre da Europa são causadas por rachaduras na superfície glacial

As missões Clipper da NASA e a missão Jupiter Icy Moons Explorer (Juice) da Agência Espacial Europeia (ESA) chegarão lá no início de 2030.

Pouco depois de a missão Goss ter sido aprovada em 2012, a professora Michelle Dougherty, cientista-chefe da missão, disse que se pensasse que havia uma hipótese de encontrar vida: “Seria surpreendente se não houvesse vida numa das luas geladas do nosso planeta”. Júpiter.”

A NASA também está enviando uma espaçonave chamada Dragonfly para pousar em uma das luas de Saturno, Titã. É um mundo estranho com lagos e nuvens feitos de produtos químicos ricos em carbono que dão ao planeta uma estranha névoa laranja. Acredita-se que esses produtos químicos, junto com a água, sejam um elemento necessário à vida.

Comente a foto,

Uma vista de Titã capturada pela sonda Huygens da Agência Espacial Europeia enquanto descia à sua superfície

Marte é atualmente considerado muito inóspito para os organismos vivos, mas os astrobiólogos acreditam que o planeta já foi fértil, com uma atmosfera densa e oceanos e capaz de sustentar vida.

O rover Perseverance da NASA está atualmente coletando amostras de uma cratera que se pensava ser um antigo delta de um rio. Uma missão separada na década de 2030 trará essas rochas de volta à Terra para analisar possíveis microfósseis de formas de vida simples que já desapareceram há muito tempo.

Estas são apenas algumas das muitas missões em curso ou planeadas nos próximos anos para procurar sinais de vida planetária no nosso planeta. Sistema solar – Outros pesquisam muito mais longe Espaço profundo.

Vida inteligente

Poderiam os alienígenas em algum lugar estar tentando nos alcançar?

Alguns cientistas consideram este o reino da ficção científica e rebuscado, mas a busca por sinais de rádio de mundos alienígenas continua há décadas, principalmente através do Instituto de Busca por Inteligência Extraterrestre (Seti).

Todo o espaço é um grande lugar para pesquisar, então as pesquisas têm sido aleatórias até agora.

Mas a capacidade dos telescópios, como o Telescópio Espacial James Webb, de identificar onde é mais provável que existam civilizações alienígenas, significa que o SETI pode concentrar a sua pesquisa. Isso injetou um novo impulso, de acordo com a Dra. Nathalie Cabrol, diretora do Centro Carl Sagan para o Estudo da Vida no Universo do SETI.

Fonte da imagem, Dr. Seth Shostak/Biblioteca de Imagens Científicas

Comente a foto,

A coleção Allen de radiotelescópios SETI. A sua busca por sinais de vida inteligente duplicou

O instituto atualizou o seu conjunto de telescópios e agora utiliza instrumentos para procurar comunicações de poderosos pulsos de laser de planetas distantes.

Como astrobiólogo altamente qualificado, o Dr. Cabrol entende por que alguns cientistas são céticos em relação à busca de um sinal pelo SETI.

Mas as assinaturas químicas de atmosferas distantes, leituras interessantes de sobrevôos lunares e até mesmo microfósseis de Marte estão todos abertos à interpretação, diz o Dr. Cabrol.

Procurar um sinal “pode parecer a mais distante de todas as diferentes formas de encontrar sinais de vida. Mas também será a mais óbvia e poderá acontecer a qualquer momento”.

“Imagine que temos um sinal que podemos realmente compreender”, diz o Dr. Cabrol.

Há trinta anos, não tínhamos evidências de planetas orbitando outras estrelas. Agora foram descobertos mais de 5.000, que os astrónomos e astrobiólogos podem estudar com detalhes sem precedentes.

Todos os elementos estão reunidos para uma descoberta que será mais do que apenas um avanço científico impressionante, de acordo com o Dr. Subhajit Sarker, da Universidade de Cardiff, membro da equipe que estuda o K2-18b.

Ele acrescentou: “Se encontrarmos sinais de vida, será uma revolução na ciência e também uma enorme mudança na forma como a humanidade vê a si mesma e o seu lugar no universo”.

READ  A nova kilonova fez com que os astrônomos repensassem o que sabemos sobre explosões de raios gama