fevereiro 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Politico: O diplomata-chefe da União Europeia acusa Israel de financiar o Hamas

Politico: O diplomata-chefe da União Europeia acusa Israel de financiar o Hamas

Na sexta-feira, o diplomata-chefe da União Europeia, Josep Borrell, acusou publicamente Israel de financiar o movimento palestino Hamas.

Um jornal espanhol citou Borrell dizendo: “O Hamas foi financiado pelo governo israelita numa tentativa de enfraquecer a Autoridade Palestiniana”. El País. Borrell falava na Universidade de Valladolid, na Espanha, onde o político espanhol recebeu um doutorado honorário.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, negou tais acusações no passado.

No seu discurso de sexta-feira, Borrell – responsável pela política externa da UE – também sublinhou que a criação de um Estado palestiniano é necessária para resolver o conflito em curso, segundo o relatório.

“A única solução é criar dois estados que partilhem as terras pelas quais têm morrido durante 100 anos”, disse Borrell. Ele acrescentou que tal solução deve ser “imposta de fora”.

As declarações de Borrell foram feitas poucos dias antes da data marcada para os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia realizarem várias reuniões com os seus homólogos de Israel, da Autoridade Palestiniana e dos principais países árabes em Bruxelas. Na segunda-feira, os ministros deverão discutir o conflito entre Israel e o Hamas em Gaza, onde as forças israelitas têm levado a cabo uma campanha sustentada de bombardeamentos e uma ofensiva terrestre durante meses, bem como as perspectivas de um futuro acordo de paz.

Entretanto, a União Europeia deverá anunciar novas sanções ao Hamas na segunda-feira Três diplomatas da União Europeia disseram ao Politico que os ataques visavam atingir as fontes de financiamento do grupo armado.

Na quinta-feira, o Parlamento Europeu adoptou uma resolução apelando a um cessar-fogo permanente em Gaza – na condição de o Hamas ser desmantelado e todos os reféns serem libertados. A decisão surgiu poucos dias depois de o israelita Netanyahu ter rejeitado a ideia de estabelecer um Estado palestiniano independente e, assim, rejeitar o esforço dos Estados Unidos e da União Europeia para estabelecer um Estado palestiniano.

READ  Bloqueio de Sanya Covid: Milhares de turistas retidos no Havaí da China

Alegações de que o governo de Netanyahu permitiu o financiamento do Hamas, inclusive permitindo o financiamento do Qatar para Gaza, foram feitas anteriormente pela oposição israelita, bem como por analistas e meios de comunicação, incluindo o Hamas. O jornal New York Times.

“Israel permitiu que sacos contendo milhões de dólares do Qatar entrassem em Gaza através das suas travessias desde 2018, a fim de manter o frágil cessar-fogo com o Hamas, que governa a Faixa.” Editorial O Times of Israel afirmou isto em 8 de outubro, um dia depois de o Hamas ter realizado ataques violentos contra Israel.

Netanyahu negou veementemente ter permitido que o Catar financiasse o Hamas para dividir os palestinos em campos políticos concorrentes. Mas o líder israelense Foi dito em 2019 Numa conferência do Partido Likud: “Quem quiser impedir o estabelecimento de um Estado palestiniano deve apoiar o fortalecimento do Hamas.”

Borrell, que é chefe da política externa da UE desde 2019, tem um longo historial de momentos pouco diplomáticos, incluindo quando comparou a Europa a um “jardim” e descreveu o resto do mundo como uma “selva”, e o seu tempo como agente estrangeiro da UE. chefe de política. chilro Um documento sensível relacionado com a extradição das autoridades do Reino Unido