fevereiro 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Os cinco homens mais ricos cuja riqueza dobrou depois de 2020, diz Oxfam na abertura de Davos | Notícias sobre pobreza e desenvolvimento

Os cinco homens mais ricos cuja riqueza dobrou depois de 2020, diz Oxfam na abertura de Davos |  Notícias sobre pobreza e desenvolvimento

A Charity afirma que os bilionários estão US$ 3,3 trilhões mais ricos do que eram em 2020, quando ocorre o encontro anual da elite empresarial.

Os cinco homens mais ricos do mundo duplicaram as suas fortunas desde 2020, disse a instituição de caridade Oxfam, soando o alarme sobre o poder corporativo desenfreado enquanto a elite empresarial realiza a sua reunião anual de alto nível em Davos, na Suíça.

A Oxfam afirmou no seu relatório divulgado na segunda-feira que a riqueza combinada dos cinco homens ascende a 869 mil milhões de dólares, depois da sua riqueza ter aumentado a uma taxa de 14 milhões de dólares por hora nos últimos quatro anos.

A Oxfam disse que, apesar do crescimento nas fortunas dos cinco – o chefe da LVMH, Bernard Arnault, o chefe da Amazon, Jeff Bezos, o investidor Warren Buffett, o cofundador da Oracle, Larry Ellison, e o CEO da Tesla, Elon Musk – 5 bilhões de pessoas ficaram mais pobres no mesmo período. .

A instituição de caridade com sede em Londres disse que os bilionários são US$ 3,3 trilhões mais ricos hoje do que eram em 2020, enquanto os bilionários lideram 7 entre 10 das maiores empresas do mundo.

Se as tendências actuais continuarem, o mundo terá o seu primeiro trilionário dentro de uma década, mas a pobreza só será erradicada nos próximos 229 anos, de acordo com o grupo anti-pobreza.

Amitabh Behar, diretor executivo interino da Oxfam International, disse que ninguém deveria ter um bilhão de dólares.

“Estamos a testemunhar o início de uma década de divisão, à medida que milhares de milhões de pessoas suportam os choques económicos da pandemia, da inflação e da guerra, enquanto as fortunas dos bilionários florescem. Esta disparidade não é coincidência; a classe bilionária está a garantir que as empresas fazem mais por eles”, disse Behar em um comunicado divulgado com o relatório sobre a riqueza às custas de todos.”

READ  ONU pede a Putin para estender acordo de grãos do Mar Negro em troca de acesso SWIFT - fontes

O poder desenfreado das empresas e dos monopólios é uma máquina que gera desigualdade: ao comprimir os trabalhadores, fugir aos impostos, privatizar o Estado e estimular o colapso climático, as empresas canalizam riqueza infinita para os seus proprietários ricos. “Mas também transferem o poder, minando as nossas democracias e os nossos direitos.”

A Oxfam tradicionalmente publica o seu relatório anual sobre a desigualdade antes da abertura do Fórum Económico Mundial anual, que foi lançado pelo engenheiro e economista alemão Klaus Schwab no início da década de 1970 para defender o “capitalismo das partes interessadas”.

(Al Jazeera)

A instituição de caridade afirmou que as empresas estão a pagar cerca de um terço menos em impostos do que nas décadas anteriores, como resultado das pressões da “guerra aos impostos”, privando os governos de dinheiro que poderia ser usado para beneficiar as pessoas mais pobres da sociedade.

A Oxfam disse que os governos deveriam limitar os salários dos executivos, acabar com os monopólios privados e impor um imposto sobre a riqueza para arrecadar 1,8 biliões de dólares anualmente.

“Temos as evidências. Conhecemos a história. O poder público pode controlar o poder corporativo desenfreado e a desigualdade – e moldar o mercado para ser mais justo e livre do controle dos bilionários. Os governos devem intervir para quebrar os monopólios, capacitar os trabalhadores e tributar enormes lucros corporativos”, disse Behar. E, o mais importante, investir em uma nova era de bens e serviços públicos.”