maio 22, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

O relatório de inflação quente de março é um golpe político para Biden

O relatório de inflação quente de março é um golpe político para Biden

O presidente Biden disse na quarta-feira que ainda espera que o Federal Reserve reduza as taxas de juros este ano, apesar da aceleração do crescimento dos preços em toda a economia, embora tenha dito que novos dados sugerem que o corte pode ser adiado até o final do ano.

Biden disse numa conferência de imprensa com o primeiro-ministro japonês Kishida Fumio, depois de se terem reunido na Casa Branca: “Continuo a manter as minhas expectativas de que antes do final do ano haverá um corte nas taxas de juro”.

“Isso pode atrasar isso por mais ou menos um mês – não tenho certeza sobre isso”, disse Biden. “Não sabemos ao certo o que o Fed irá fazer. Mas vejam, conseguimos reduzir significativamente a inflação.”

Os comentários de Biden foram uma alusão ao que tem sido historicamente – com notáveis ​​exceções – um tema tabu para os presidentes: influenciar a política do Fed. Muitos dos antecessores de Biden abstiveram-se até de especular sobre as decisões sobre taxas de juro, citando a independência da Fed. O antecessor imediato do presidente e agora opositor à reeleição, Donald J. Trump, rompeu com esta história, ao criticar repetidamente e em voz alta a Fed enquanto era presidente e ao exigir que o banco central baixasse as taxas de juro.

Os assessores de Biden falam frequentemente sobre a necessidade de o banco central permanecer independente. Os seus comentários, embora mais no contexto de crítica do que de orientação, arriscaram, mesmo que ligeiramente, confundir essa linha.

Biden contava com o arrefecimento da inflação – e subsequentes cortes nas taxas de juro – para aumentar as suas perspectivas de reeleição.

READ  PREIT, proprietário de um shopping com sede na Filadélfia, pede concordata, Capítulo 11, desistindo de 50% da propriedade no Fashion District

O presidente e os seus assessores elogiaram publicamente um declínio nas taxas anuais de inflação durante o ano passado, depois de testemunharem o crescimento de preços mais rápido em 40 anos, que deprimiu os índices de aprovação do presidente no início do seu mandato.

Estavam ansiosos por que a inflação caísse ainda mais, a fim de proporcionar alívio aos consumidores e levar a Fed a baixar as taxas de juro – uma medida que ajudaria a reduzir os custos de empréstimos hipotecários, empréstimos para aquisição de automóveis e outros créditos ao consumo. Biden concentrou-se especialmente nos compradores de casas, incluindo os jovens eleitores que são cruciais para a sua coligação eleitoral e que lutam para pagar os elevados preços da habitação, uma vez que as taxas hipotecárias permanecem em cerca de 7 por cento.

Analistas de Wall Street veem o aumento surpreendente da inflação na quarta-feira como um sinal de que o Federal Reserve pode deixar as taxas de juros inalteradas por meses mais longos do que o esperado. Isso pode significar que não haverá cortes antes das eleições de novembro, uma campanha em que o adversário republicano de Biden, o ex-presidente Donald J. Trump, criticou Biden pelos rápidos aumentos de preços e pelos elevados custos dos empréstimos.

Esta notícia surge num momento em que as sondagens de opinião começaram a mostrar uma lenta melhoria na visão dos americanos sobre a economia nos últimos meses. Os investigadores democratas também apontam as últimas sondagens como um roteiro para a forma como Biden falará sobre a inflação nos próximos meses: sugerem que os eleitores americanos culpam a ganância corporativa, mais do que os gastos do governo, pelo aumento dos preços. Biden aproveitou essa mensagem, inclusive apelando às empresas em seu discurso sobre o Estado da União para que mantivessem os preços altos.

READ  Diga a todos os funcionários da Sports Illustrated que eles serão demitidos de seus empregos

Ele adotou um tom semelhante na quarta-feira, em um comunicado que enfatizou a frustração dos consumidores com a inflação.

“Os preços da habitação e dos alimentos continuam muito elevados, embora os preços dos principais produtos domésticos, como leite e ovos, estejam mais baixos do que há um ano”, disse Biden. “Tenho um plano para reduzir os custos de habitação – através da construção e renovação de mais de 2 milhões de casas – e apelo às empresas, incluindo os retalhistas de mercearia, para que utilizem lucros recorde para baixar os preços.”