junho 26, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

O proprietário do Chelsea, Abramovich, e o chefe da Rosneft, Sechin, estão sujeitos a sanções britânicas

O proprietário do Chelsea, Abramovich, e o chefe da Rosneft, Sechin, estão sujeitos a sanções britânicas
  • O Reino Unido impôs sanções a sete outros oligarcas ligados ao Kremlin
  • Venda do Chelsea foi suspensa, Grã-Bretanha pode vender o clube
  • Suspensão de negociação de ações da Efras

LONDRES (Reuters) – O Reino Unido impôs sanções, congelamento de ativos e proibições de viagem ao proprietário do Chelsea FC, Roman Abramovich, e ao CEO Igor Sechin, por suas ligações com o presidente russo, Vladimir Putin.

Os bilionários, além de Oleg Deripaska e quatro magnatas russos, são alguns dos principais empresários a serem adicionados à lista de sanções britânicas desde que a Rússia invadiu a Ucrânia. A medida segue as críticas de que a Grã-Bretanha está agindo muito devagar.

A medida congela os planos de Abramovich de vender o Chelsea, da Premier League, colocando efetivamente os atuais campeões europeus sob controle do governo. A equipe pode continuar jogando, mas o governo disse que está aberto a vender o clube desde que o próprio Abramovich não se beneficie. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O primeiro-ministro Boris Johnson disse: “Não pode haver refúgio seguro para aqueles que apoiaram o ataque cruel de Putin à Ucrânia”. “Perseguiremos impiedosamente aqueles que ajudam a matar civis, destruir hospitais e ocupar ilegalmente aliados soberanos”, acrescentou.

Houve altos apelos de legisladores britânicos por ação contra Abramovich e outros bilionários russos, com críticas de que o governo de Johnson não está se movendo rápido o suficiente em comparação com a União Europeia e os Estados Unidos.

Londres sempre foi um destino importante para o dinheiro russo, com russos ricos usando-a como um playground de luxo e educando seus filhos em escolas pagas. Ele recebeu o apelido de Londres.

Sechin, descrito pelo Reino Unido como o braço direito de Putin, já estava nas listas de sanções dos EUA e da União Europeia, e seu iate foi apreendido pelas autoridades francesas na semana passada. Consulte Mais informação

READ  As 11 violações mais importantes da NFL em 2022? Bills, Chargers e Bengals produzem as maiores expectativas de ações vencedoras

Desde a invasão da Ucrânia, que Moscou descreve como uma “operação militar especial”, o Reino Unido impôs sanções a cerca de 20 pessoas ligadas à Rússia. E a União Europeia anunciou, na quarta-feira, novas sanções contra outras 14 decisões, o que significa que suas restrições se aplicam a 862 pessoas e 53 entidades. Consulte Mais informação

15 bilhões de libras

Outros adicionados à lista britânica são Deripaska, que tem participações no grupo En+; Dmitry Lebedev, Presidente do Conselho de Administração do Banco da Rússia; Alexei Miller, CEO da gigante de energia Gazprom; e Nikolai Tokarev, presidente da empresa estatal russa de oleodutos Transneft.

A EN+ disse que o anúncio não teria impacto no grupo ou em suas subsidiárias e que Deripaska renunciou à participação majoritária e ao controle do grupo como parte de um acordo com as autoridades dos EUA em 2019.

Ao todo, a Grã-Bretanha disse que os sete números, excluindo Abramovich, que já havia sido sancionado pelos Estados Unidos ou pela União Europeia, tinham um patrimônio líquido coletivo de 15 bilhões de libras (19,74 bilhões de dólares).

A ação de quinta-feira significa que Abramovich, 55, está impedido de fazer transações com quaisquer indivíduos e empresas britânicas e não pode entrar ou permanecer na Grã-Bretanha. Sua porta-voz se recusou a comentar.

Abramovich, que tem dupla cidadania israelense e portuguesa, tornou-se um dos empresários mais poderosos da Rússia ao ganhar fortunas enormes após a dissolução da União Soviética em 1991. A Forbes estimou seu patrimônio líquido em US$ 13,3 bilhões.

Ele comprou o Chelsea em 2003 por 140 milhões de libras, e seu investimento contribuiu significativamente para a era de maior sucesso na história do time, com cinco títulos da Premier League, cinco Copas da Inglaterra e a Liga dos Campeões duas vezes.

Eles venceram o Palmeiras em fevereiro para se tornarem campeões da Copa do Mundo de Clubes da FIFA pela primeira vez, depois de derrotarem o Manchester City e se tornarem campeões europeus na temporada passada.

Abramovich anunciou na semana passada que venderia o Chelsea FC e doaria o dinheiro da venda para ajudar as vítimas da guerra na Ucrânia. O porta-voz de Johnson disse que o governo estava aberto a vender o clube, mas exigiria outra licença. Consulte Mais informação

“Se o clube for vendido, Abramovich não será beneficiado”, disse a ministra do Esporte, Nadine Doris, a repórteres. Consulte Mais informação

O governo emitiu uma licença especial para permitir que o Chelsea jogue partidas e pague funcionários, mas limitará a venda de ingressos e mercadorias. Consulte Mais informação

Anita Clifford, advogada especializada em congelamento de ativos e questões de sanções, disse que as ações privaram temporariamente Abramovich de seus ativos, mas o Chelsea pode ser vendido com seu acordo com o governo. O dinheiro pode ir para ajudar as vítimas ucranianas da guerra.

“Os rendimentos serão congelados… também e simplesmente não fluirão para a pessoa designada, a menos que haja uma licença ou acordo em vigor para cobrir isso, ou para cobrir os rendimentos que vão para o beneficiário designado que as partes consideraram apropriado”, disse ele. Reuters.

Clifford disse que Abramovich poderia solicitar ao Ministério das Relações Exteriores britânico uma revisão interna do congelamento de ativos, ou solicitar ao Supremo Tribunal de Londres uma revisão da decisão, um processo que pode levar 18 meses ou mais.

READ  Andrew Whitworth tende a se aposentar, mas Wayne Gretzky pode mudar de ideia

A entrada na lista de sanções britânicas descreveu Abramovich como “um empresário russo proeminente e oligarca pró-Kremlin que desfrutou de um “relacionamento próximo por décadas” com Putin.

A entrada afirmava que esse vínculo trouxe a Abramovich um benefício financeiro ou material, diretamente de Putin ou do governo russo.

Ele disse que ele estava “envolvido na desestabilização da Ucrânia” e minando sua soberania e independência por meio da siderúrgica russa Evraz, listada em Londres. (EVRE.L) em que é o maior acionista.

O Tesouro da Grã-Bretanha disse que Evraz estava envolvido no fornecimento de serviços financeiros, dinheiro, bens ou tecnologia que poderiam prejudicar a independência da Ucrânia, incluindo o fornecimento de aço que poderia ser usado para fabricar tanques russos.

A empresa disse que não considera Abramovich uma pessoa que exerce controle sobre a empresa e rejeitou a declaração de que havia participado do minar a independência da Ucrânia.

Ele disse que as sanções não devem se aplicar à empresa, cujas ações listadas em Londres caíram 16% após o anúncio das medidas, levando a Autoridade de Supervisão Financeira do Reino Unido a suspender temporariamente as negociações.

(dólar = 0,7599 libras)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Kate Holton, Alistair Smoot e Paul Sandel) Escrito por Michael Holden; Edição por William James, Frank Jack Daniel, Angus McSwan e Mark Heinrich

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.