junho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

O exército israelense diz que ele foi internado no Hospital Al-Shifa em Gaza

O exército israelense diz que ele foi internado no Hospital Al-Shifa em Gaza

KHAN YOUNIS, Faixa de Gaza (AP) – Os militares israelenses invadiram o maior hospital de Gaza na manhã de quarta-feira, realizando o que descreveram como uma operação direcionada contra o Hamas, enquanto as forças assumiam o controle do norte de Gaza, incluindo a tomada do edifício do conselho. e a sede da polícia lá.

Nos últimos dias, tem sido o foco da guerra Hospital Al-ShifaCom centenas de pacientes, funcionários e pessoas deslocadas presas lá dentro. O Hospital Al-Shifa suspendeu as operações no fim de semana, à medida que seus suprimentos diminuíam e a escassez de eletricidade o deixava sem maneira de operar incubadoras e outros equipamentos vitais. Depois de dias sem refrigeração, o necrotério cavou uma vala comum na terça-feira para 120 corpos no pátio.

No meio do confronto, o hospital no centro da Cidade de Gaza tornou-se um ponto focal para narrativas contraditórias sobre a guerra, agora na sua sexta semana. Israel afirma que o Hamas está a usar civis como escudos humanos, enquanto os palestinianos, grupos de direitos humanos e críticos internacionais dizem que Israel está a prejudicar civis de forma imprudente.

Os militares israelenses disseram na quarta-feira que invadiram áreas específicas no extenso complexo de Shifa, enquanto tentavam evitar ferir civis. O comunicado não deu mais detalhes.

Israel há muito afirma que os militantes estão escondendo recursos militares nas instalações e em outros hospitais, uma afirmação negada pelo Hamas e pela equipe médica.

Em outros lugares, o Crescente Vermelho Palestino anunciou na terça-feira que evacuou pacientes, médicos e famílias deslocadas do Outro Hospital de Jerusalém, na Cidade de Gaza.

Israel prometeu acabar com o domínio do Hamas em Gaza após o ataque de 7 de outubro Cerca de 1.200 pessoas foram mortas Resultou na tomada de aproximadamente 240 reféns. O governo israelita admitiu que não sabe o que fará com a Faixa de Gaza a longo prazo, após a derrota do Hamas.

O ataque israelita foi desastroso para 2,3 milhões de palestinianos em Gaza.

Mais de 11.200 pessoas, dois terços delas mulheres e menores, foram mortas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde palestino em Ramallah. Cerca de 2.700 pessoas foram dadas como desaparecidas. Estatísticas do ministério Sem diferença Entre os mortos entre civis e soldados.

READ  Empresa de energia ucraniana suspende estado de emergência após ataques russos | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Quase toda a população de Gaza foi reduzida aos dois terços meridionais da pequena faixa, onde as condições se deterioraram à medida que os bombardeamentos continuam. As Nações Unidas disseram na terça-feira que cerca de 200 mil pessoas fugiram do norte nos últimos dias, mas acredita-se que dezenas de milhares tenham permanecido.

A Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina (UNRWA) anunciou na terça-feira que o seu depósito de combustível em Gaza ficou vazio e que em breve interromperá as operações de socorro, incluindo o fornecimento de ajuda humanitária. Suprimentos limitados de alimentos e remédios Do Egipto a mais de 600 mil pessoas que se refugiaram em escolas geridas pela ONU e noutras instalações no sul.

“Sem combustível, a operação humanitária em Gaza está a chegar ao fim. Muitas pessoas sofrerão e provavelmente morrerão”, afirmou Philippe Lazzarini, Comissário-Geral da UNRWA.

Autoridades de defesa israelenses mudaram de rumo na quarta-feira para permitir a entrada de cerca de 24 mil litros (6.340 galões) de combustível para esforços humanitários, disseram autoridades. Anteriormente, recusaram repetidamente permitir a entrada de combustível em Gaza, dizendo que o Hamas o desviaria para uso militar.

O Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios, a agência de defesa israelense responsável pelos assuntos palestinos, disse que os caminhões da ONU seriam autorizados a reabastecer na passagem de Rafah, na fronteira egípcia, ainda nesta quarta-feira. Ela disse que a decisão veio em resposta a um pedido dos Estados Unidos

A situação dos hospitais

O diretor do Hospital Al-Shifa, no centro da cidade de Gaza, disse em comunicado que os combates duram há dias em torno do complexo do Hospital Al-Shifa, no centro da cidade de Gaza, transformando-o num “cemitério”.

O Ministério da Saúde disse que 40 pacientes, incluindo três crianças, morreram desde que o gerador de emergência do Hospital Al-Shifa ficou sem combustível no sábado. O Ministério afirmou que outras 36 crianças corriam risco de morte devido à falta de energia eléctrica para as incubadoras.

READ  Navio de guerra chinês atraca no porto do Sri Lanka apesar das preocupações indianas

O exército israelense disse ter iniciado um esforço para transferir as incubadoras para o Hospital Al-Shifa. Christian Lindmeier, porta-voz da Organização Mundial da Saúde, disse que seria inútil sem eletricidade.

O porta-voz do ministério, Ashraf Al-Qudra, disse que o Ministério da Saúde propôs evacuar o hospital sob a supervisão do Comitê Internacional da Cruz Vermelha e transferir pacientes para hospitais no Egito, mas não recebeu qualquer resposta.

Embora Israel diga que está preparado para permitir a evacuação de funcionários e pacientes, alguns palestinos que conseguiram escapar dizem que as forças israelenses abriram fogo contra os evacuados.

Israel diz que afirma a existência de um centro de comando do Hamas Dentro e sob cura Baseia-se em inteligência, mas nenhuma evidência visual foi fornecida para apoiá-lo. O Ministério da Saúde de Gaza negou estas acusações e disse que apelou a organizações internacionais para investigarem a instalação.

Autoridades do Crescente Vermelho Palestino disseram que a operação de evacuação no Hospital Al-Quds ocorreu depois de “mais de 10 dias de cerco, durante os quais suprimentos médicos e humanitários foram impedidos de chegar ao hospital”.

Numa publicação nas redes sociais, responsabilizaram o exército israelita pelo bombardeamento do hospital e pelos disparos contra os que nele se encontravam.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, disse que os Estados Unidos têm informações não especificadas de que o Hamas e outros militantes palestinos estão usando o Hospital Al-Shifa e outros hospitais e os túneis abaixo deles para apoiar operações militares e fazer reféns.

Uma autoridade dos EUA, falando sob condição de anonimato para discutir assuntos delicados, disse que a inteligência se baseava em múltiplas fontes e que os Estados Unidos coletaram as informações de forma independente.

Kirby disse que os Estados Unidos não apoiam ataques aéreos a hospitais e não querem ver “um tiroteio num hospital onde pessoas inocentes” estão a tentar obter cuidados.

Marcha pelos reféns

Famílias e apoiantes de cerca de 240 pessoas mantidas reféns pelo Hamas iniciaram uma marcha de protesto de Tel Aviv a Jerusalém. A situação dos reféns tem dominado o discurso público desde o ataque de 7 de Outubro, com protestos de solidariedade organizados em todo o país. Os manifestantes, que esperam chegar a Jerusalém no sábado, dizem que o governo deve fazer mais para trazer os seus entes queridos para casa.

READ  Governo australiano ataca o 'arrogante' Musk por causa de colunas de impeachment transmitidas ao vivo

“Onde você está?” Shelly Shem-Tov, cujo filho de 21 anos, Omar, está entre os prisioneiros, conversou com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. “Não temos mais poder. Não temos poder. Traga nossos filhos e famílias de volta para casa.”

Batalha na Cidade de Gaza

Foi quase impossível recolher relatos independentes dos combates na Cidade de Gaza, uma vez que as comunicações para o norte tinham entrado em colapso.

Dentro de alguns dos edifícios recém-capturados, os soldados ergueram a bandeira israelense e bandeiras militares em comemoração. Numa conferência de imprensa transmitida pela televisão nacional, o Ministro da Defesa, Yoav Galant, disse que o Hamas “perdeu o controlo” do norte de Gaza e que Israel obteve ganhos significativos na Cidade de Gaza.

Mas quando questionado sobre o período de tempo da guerra, Gallant disse: “Estamos a falar de muitos meses, não de um ou dois dias”.

Um comandante israelita em Gaza, o tenente-coronel Gilad, disse num vídeo que as suas forças encontraram armas e eliminaram combatentes em edifícios governamentais, escolas e edifícios residenciais.

O porta-voz militar israelense, Daniel Hajari, disse que as forças israelenses completaram o controle do campo de refugiados de Beach, uma área densamente povoada na fronteira com o centro da cidade de Gaza, e estão se movendo livremente pela cidade.

Israel afirma ter matado vários milhares de combatentes, incluindo importantes comandantes de nível médio, enquanto 46 dos seus soldados foram mortos em Gaza.

___

Jeffrey e Keith reportaram do Cairo. Os escritores da Associated Press Amy Table em Jerusalém e Wafaa al-Shurafa em Deir al-Balah na Faixa de Gaza; Sami Magdy, do Cairo, contribuiu para este relatório.

___

Cobertura completa de AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war.