dezembro 10, 2023

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

O CEO do Google dá outra guinada no banco das testemunhas antitruste

O CEO do Google dá outra guinada no banco das testemunhas antitruste

Há duas semanas, o Google teve um grande dia em Washington. O Presidente Biden assinou uma ordem executiva para criar salvaguardas de IA que possam impactar os projetos mais urgentes do Google, e o Secretário de Estado Antony Blinken concedeu à empresa um prémio pelo seu trabalho ajudando os refugiados ucranianos e promovendo a segurança económica das mulheres.

O CEO do Google, Sundar Pichai, passou grande parte do dia no banco das testemunhas em um tribunal federal a três quilômetros da Casa Branca, defendendo sua empresa de alegações de que ela esmagou concorrentes nos mercados de busca e publicidade online.

Na terça-feira, Pichai testemunhou novamente, desta vez em São Francisco, para rebater as alegações feitas pela empresa de videogames Epic Games de que sua empresa violou a lei e exerce poder de monopólio sobre desenvolvedores de aplicativos na loja Google Play para Android.

No mês passado, Pichai se tornou o rosto das batalhas judiciais antitruste do Google em ambos os lados do país. As suas visitas ao banco das testemunhas sublinham a importância crescente de os líderes das grandes empresas tecnológicas serem testemunhas incisivas das suas empresas, seja num julgamento antitrust ou em audiências no Capitólio.

Testemunhar sob juramento é uma tarefa que muitos CEOs de tecnologia poderão ser solicitados a realizar nos próximos anos, à medida que Amazon, Meta e outros enfrentam suas batalhas em tribunais antitruste. Não é uma tarefa na qual muitos executivos se destacam.

Embora nunca tenha sido chamado ao banco das testemunhas para depor, Bill Gates, que foi CEO da Microsoft no último grande caso antitruste da tecnologia apresentado pelo Departamento de Justiça há mais de duas décadas, apareceu nos depoimentos como combativo.

Nos últimos anos, CEOs, incluindo Mark Zuckerberg e Sam Altman da OpenAI (e, claro, o Sr. Pichai), foram convidados a testemunhar perante o Congresso por vários motivos, com graus variados de sucesso. Às vezes, Zuckerberg irritou os legisladores com respostas vagas, enquanto Altman parecia encantar os senadores em uma audiência este ano.

A principal função de Pichai no banco das testemunhas – um executivo discreto e detalhista – era manter a temperatura baixa sob questionamento e se ater ao ponto central da defesa antitruste do Google: que era uma empresa inovadora que mantinha sua liderança através da inovação e do trabalho árduo, em vez de comportamento monopolista.

READ  Netfix traz som espacial para a série original e programação de filmes

Na terça-feira, Pichai enfrentou questionamentos agressivos da advogada da Epic, Lauren Moskowitz, que lhe pediu que respondesse sim ou não.

Isso levou a pelo menos uma pequena revelação: Pichai confirmou que sua empresa deu à Apple 36% da receita de busca gerada pelos iPhones e disse que o total de pagamentos “excedeu em muito US$ 10 bilhões” no ano passado. A Sra. Moskowitz confirmou que o número era de pelo menos US$ 18 bilhões.

Os advogados do Google e da Apple lutaram na manhã de terça-feira para manter os números ocultos, enfatizando a necessidade de privacidade da empresa que persistiu durante os dois julgamentos do Google. O juiz James Donato negou os pedidos, dizendo: “Apenas entrar e dizer que somos um pouco sensíveis sobre isso não vai funcionar”.

Moskowitz estava tentando responder às alegações do Google de que não pode ser considerado um monopólio devido à sua concorrência com a Apple. Ela se perguntou: se fosse esse o caso, por que a Apple recebeu tratamento preferencial em relação a outras empresas como a Samsung, que afirmou receber uma parcela de 16% da receita de pesquisa de seus dispositivos?

Pichai disse mais tarde, quando questionado por um advogado do Google: “Somos muito competitivos com a Apple, no sistema operacional, nos smartphones e na App Store”. “A concorrência tem sido boa para consumidores e desenvolvedores.”

O Departamento de Justiça abriu um processo antitruste histórico contra o Google em outubro de 2020, argumentando que os acordos de pesquisa padrão da empresa com fabricantes de telefones e empresas de navegadores a ajudaram a manter ilegalmente um monopólio.

O Google convocou Pichai, 51, para depor há duas semanas. Em vez de sentar-se no banco das testemunhas, Pichai ficou no banco das testemunhas por quase quatro horas, usando um microfone, como se estivesse fazendo um discurso em uma conferência corporativa. Seus terapeutas disseram que ele teve que ficar de pé por causa de uma torção na região lombar.

Ele falou sobre sua experiência – ganhou um telefone quando era adolescente em Chennai, na Índia, e entendeu o poder da tecnologia – antes de responder habilmente a perguntas sobre a posição competitiva de sua empresa, o relacionamento com a Apple e contratos de pesquisa virtuais que o governo diz serem ilegais. . .

READ  iPhone SE 2022: para quem quer apenas um iPhone

Pichai tentou refutar os argumentos dos advogados do governo de que o Google pagava à Apple bilhões de dólares por ano para mantê-la fora do mercado de buscas. Ele contou uma história diferente, dizendo que sua empresa queria ser o mecanismo de busca padrão para o iPhone por causa do “valor” desse lugar e da necessidade de garantir que a Apple protegeria a experiência do usuário.

“Senti que o negócio estava indo bem desde 2016”, disse Pichai. “Tem continuado a aumentar o uso e a receita da pesquisa.”

No interrogatório, Pichai repetiu tantas vezes a justificativa para o acordo que por um momento pareceu perder a paciência com o estilo questionador, dizendo: “Acabei de dar todas as razões” para o acordo.

Adam Kovacevich, lobista da indústria de tecnologia da Room for Progress que passou 12 anos trabalhando no Google, disse que o depoimento de Pichai deu ao tribunal uma visão de alto nível sobre como a empresa toma decisões estratégicas.

“Ele se saiu bem”, disse Kovacevic sobre o desempenho de Pichai. “O mais importante para mim é que, quando você está nesta posição, seu primeiro objetivo não é ser como o Bill Gates da experiência da Microsoft. Seu primeiro objetivo é ser receptivo e razoável.

Trechos do testemunho de combate gravado em vídeo do Sr. Gates foram reproduzidos no tribunal há mais de duas décadas. Advogados antitruste dizem que o cofundador da Microsoft minou a credibilidade dele e de sua empresa perante o juiz do caso.

Em São Francisco, Pichai foi questionado sobre tópicos que vão desde por que os e-mails foram erroneamente marcados como sujeitos a privilégios advogado-cliente (para evitar que fossem encaminhados) até se o Facebook e a Amazon poderiam oferecer concorrência à Google Play Store quando tivessem smartphones. Ambições.

“Há nuances nessas questões”, disse ele, sorrindo quando a Sra. Moskowitz começou a falar com ele. “Estou tentando responder à sua pergunta.”

Várias vezes, o juiz Donato pediu à Sra. Moskowitz que “permanecesse em silêncio” para permitir que o Sr.

Haverá uma grande diferença entre os processos: um julgamento antitruste em Washington não tem júri. A decisão será tomada pelo juiz. Em São Francisco, Pichai teve que recorrer a um júri de nove pessoas, que poderia estar aberto à ideia de uma empresa gigante de tecnologia explorar empresas muito menores. O CEO da Epic, Tim Sweeney, também deverá testemunhar no julgamento.

READ  Overwatch 2 anuncia novo jogo Tank Hero, Ramattra

Google e Epic não quiseram comentar.

A Epic, criadora do popular jogo Fortnite, entrou com uma ação contra o Google em 2020, na tentativa de fugir de taxas que variam de 15 a 30 por cento das assinaturas e compras no aplicativo que deve pagar ao Google.

O desenvolvedor do jogo antagonizou o Google e a Apple ao exigir que os usuários pagassem pelas transações no aplicativo diretamente por meio da Epic. Em resposta, o Google e a Apple suspenderam o Fortnite de suas lojas de aplicativos. A Epic afirma que o Google também intimidou outras empresas para que cancelassem acordos com a Epic antes de bani-las das lojas de aplicativos.

O Google enfrenta outro processo antitruste do Departamento de Justiça, acusando-o de abusar ilegalmente de seu poder de monopólio sobre a tecnologia que fornece publicidade online.

O julgamento do caso poderá começar no próximo ano, mas é muito cedo para saber se Pichai será chamado para testemunhar.

Pichai tentou evitar que os funcionários do Google se distraíssem com o processo. Ele os encorajou a “continuar fazendo o que estão fazendo” e designou um número relativamente pequeno de funcionários para trabalhar no caso do Departamento de Justiça – centenas entre mais de 180 mil funcionários.

Mas o comparecimento de Pichai ao tribunal tirou tempo de seus outros compromissos como chefe da empresa, incluindo seu plano de restaurar a primazia do Google no campo de rápido crescimento da inteligência artificial generativa.

No meio do depoimento de Pichai em Outubro, o secretário de Estado, Blinken, homenageava a subsidiária da Google na Polónia pelo seu trabalho na promoção da segurança económica das mulheres e na ajuda aos refugiados ucranianos. Horas depois, Biden organizou uma cerimônia de assinatura na Casa Branca, mas os funcionários de Pichai não puderam dizer sim porque havia uma chance de ele ainda estar no tribunal quando o assunto começou.

“Não é o melhor uso do seu tempo”, disse Richard Cramer, analista da Ariete Investment Research, uma empresa de pesquisa de investimentos com sede em Londres, numa entrevista. “Nenhum CEO quer perder tempo sendo questionado por advogados do governo.”