maio 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

NASA e Japão lançam o primeiro satélite de madeira do mundo noticias do mundo

NASA e Japão lançam o primeiro satélite de madeira do mundo  noticias do mundo
NOVA DELI – O Japão e os Estados Unidos planeiam lançar no espaço o primeiro satélite de madeira do mundo, a sonda LignoSat, este verão.

Esta espaçonave incomum é feita de madeira de magnólia, que durante os experimentos foi considerada particularmente estável e resistente a rachaduras. O Guardian informou que cientistas japoneses criaram o satélite de madeira, e agora os Estados Unidos fazem parte de sua missão enquanto dão os retoques finais no satélite que será lançado em um foguete americano.

Num esforço pioneiro para resolver o problema crescente dos detritos espaciais, investigadores da Universidade de Quioto, em colaboração com a empresa madeireira Sumitomo Forestry, construíram um satélite de madeira. Eles tiveram a ideia de usar uma alternativa ao metal, um material biodegradável.

Takao Doi, astronauta japonês e engenheiro aeroespacial da Universidade de Kyoto, alertou recentemente que “todos os satélites que entram na atmosfera da Terra queimam e produzem pequenas partículas de alumina, que flutuarão na alta atmosfera por muitos anos”. “Em última análise, isso afetará o meio ambiente da Terra.”

Para resolver este problema, investigadores em Quioto criaram um projecto para avaliar espécies de madeira para determinar até que ponto podem suportar os rigores dos lançamentos espaciais e dos voos longos na órbita da Terra. Os primeiros testes foram realizados em laboratórios que recriaram condições no espaço e descobriram que as amostras de madeira não apresentavam alterações mensuráveis ​​na massa ou sinais de decomposição ou danos.

“Ficamos impressionados com a capacidade da madeira de resistir a essas condições”, disse Koji Murata, líder do projeto.

Por que isso é importante?
Mais importante ainda, é um material biodegradável, o que significa que é amigo do ambiente e a melhor alternativa aos materiais não biodegradáveis ​​que poderão ser extintos nos próximos 2.000 anos. Isto reacenderia a esperança de que, mesmo depois da extinção dos produtos não biodegradáveis, os satélites e outros objetos pudessem funcionar.

READ  Mistério cósmico: Astrônomos capturam estrela moribunda vomitando anéis de fumaça

amplia


Pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, revelaram recentemente que o alumínio proveniente da reentrada de satélites pode causar grave destruição da camada de ozônio que protege a Terra dos raios ultravioleta do sol e também pode afetar a quantidade de luz solar transmitida através da atmosfera. E chega à Terra, segundo o The Guardian.

No entanto, isto não deverá ser um problema para satélites construídos em madeira, como o LignoSat, que quando ardem durante a sua reentrada na atmosfera após completarem a sua missão, produzirão apenas uma fina névoa de cinzas biodegradáveis.