maio 19, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Nada para ver aqui: EUA e Israel silenciam no rádio sobre ataque contra o Irã

Nada para ver aqui: EUA e Israel silenciam no rádio sobre ataque contra o Irã

Horas depois de um alto funcionário dos EUA ter dito à ABC News que caças israelenses bombardearam um local de radar de defesa aérea dentro do Irã, altos funcionários dos EUA e de Israel se recusaram na sexta-feira a reconhecer publicamente o incidente em um aparente movimento que visa acalmar a situação e impedir o Irã de intervir. Vingança.

O silêncio do rádio foi notável depois de semanas em que autoridades dos EUA apelaram publicamente a Israel para mostrar moderação.

No final da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 em Capri, Itália, o Secretário de Estado Antony Blinken foi questionado por que não abordou o que aconteceu durante a noite.

O repórter também perguntou: “Não é importante que você faça isso? Você pode nos dizer se conversou com seus colegas israelenses?”

“Vou ser muito chato e não alegrar o seu dia dizendo, mais uma vez, que não vou falar sobre o que foi relatado – a não ser dizer que os Estados Unidos não estiveram envolvidos em nenhum ataque”, respondeu Blinken. Operações.”

Ele acrescentou: “Os Estados Unidos, juntamente com os nossos parceiros, continuarão a trabalhar para parar a escalada”.

Mas mesmo quando Blinken se desviou, o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Antonio Tajani, pareceu revelar que Israel tinha avisado os EUA antes do ataque.

“Ela era – [the] “Os Estados Unidos – fomos informados no último minuto, mas não houve intervenção por parte dos Estados Unidos, foi apenas informação que foi fornecida”, disse Tajani.

READ  A observação informal de Biden a Putin no último dia da viagem causa muito choque

De acordo com um alto funcionário dos EUA, três mísseis foram lançados na manhã de quinta-feira, horário local, de caças israelenses fora do Irã. O alvo era um radar de defesa aérea perto de Asfa que ajuda a proteger uma instalação nuclear próxima.

Acredita-se que o ataque limitado mostra ao Irão que Israel tem a capacidade de causar danos reais, mas ao mesmo tempo não provoca o Irão.

O Irã descreveu o ataque israelense como um exagero dramático por parte da mídia. O ministro das Relações Exteriores iraniano, Amir Abdollahian, disse, durante uma reunião nas Nações Unidas, que “o pequeno avião que foi abatido não causou nenhum dano financeiro ou à vida”.

A Agência Internacional de Energia Atómica confirmou que não houve danos na instalação nuclear de Natanz.

Shoki Friedman, do Instituto de Política do Povo Judeu, e ex-chefe do programa de sanções ao Irã no Gabinete do Primeiro Ministro israelense, comparou o ataque ao envio de uma “mensagem de texto” por Israel ao Irã.

“Israel enviou uma mensagem de que podemos chegar a qualquer lugar” e “demonstrar a capacidade de lançar um ataque mais significativo”, disse Friedman.

Ele acrescentou: “Acho que os israelenses estavam determinados a mostrar ao Irã que poderiam atingir uma instalação sensível no Irã, mas o fizeram de uma forma que não levaria a uma reação”.

READ  O Secretário-Geral das Nações Unidas pede reparações pela escravatura

“Eles também optaram, com exceção do Ministro da Segurança Nacional, por não discutir (o incidente) publicamente porque seria contraproducente tentar conter e acalmar a situação”, acrescentou Mulroy.

Os Estados Unidos parecem estar fazendo o mesmo.

No Pentágono, assessores trabalhavam remotamente na quinta-feira ou anunciaram que estavam ocupados, sem planos de informar os repórteres. O Departamento de Estado também ficou quieto.

Esse ritmo lento pode ser típico em Washington às sextas-feiras, quando os funcionários procuram saídas para um fim de semana antecipado.

Mas as passagens silenciosas foram dignas de nota, dado que um aliado próximo dos EUA acabara de lançar um ataque directo ao Irão e não foi encontrado nenhum comentário.

Na Casa Branca, o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, que informou extensamente os repórteres ao longo da semana, não esteve no pódio para a conferência de imprensa diária.

Quando pressionada pelos repórteres sobre se a recusa em comentar fazia parte da estratégia de desescalada do governo, a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, disse que seria “muito cuidadosa” nos seus comentários.

“Entendo o interesse e vou decepcionar muita gente aqui esta tarde, não tenho nada para compartilhar”, disse ela.

Ela acrescentou que “em geral”, os Estados Unidos foram claros: “Não queremos ver este conflito aumentar”.

Um funcionário dos EUA, que se recusou a discutir quaisquer detalhes, fez a seguinte avaliação do silêncio invulgar, desde que lhe fosse concedido o anonimato: “No final, estamos a tentar parar a guerra aqui”.

Matt Gutman da ABC contribuiu para este relatório.