abril 13, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Mudanças climáticas: 'Solavancos de gelo' revelam a história do derretimento da Antártica

Mudanças climáticas: 'Solavancos de gelo' revelam a história do derretimento da Antártica
  • Escrito por Jonathan Amos
  • Repórter Científico

Fonte da imagem, NASA/USGS/SPL

Comente a foto,

A espaçonave Landsat dos EUA observa a Antártica desde 1973

Os cientistas dizem que agora têm uma ideia melhor de onde e quando começou o derretimento da borda da Antártica.

Eles rastrearam as mudanças nas formas das saliências na superfície do gelo que marcam os locais onde as geleiras estão presas.

Há meio século, apenas algumas destas ancoragens congeladas, ou “pontos de articulação”, apresentavam muitas mudanças.

Mas desde 2000, o volume diminuiu mais de um terço, confirmando a aceleração do derretimento.

A pesquisa é Publicado na revista Nature Sublinha mais uma vez a contribuição crescente que a perda de gelo do continente dará para a subida do nível do mar em todo o mundo no futuro.

O foco do estudo foram as plataformas de gelo que margeiam 75% da costa da Antártica.

As plataformas são as frentes flutuantes das geleiras que penetraram no oceano circundante.

Muitos deles – especialmente no oeste do continente – estão expostos a ataques de água quente e, como resultado, enfraquecem.

Isto é uma má notícia porque é um importante mecanismo de travagem, retardando o movimento do gelo para fora do continente.

Em locais onde o fundo do mar é raso – onde há uma colina subaquática, por exemplo – as plataformas podem ficar no lugar, sustentando o gelo glacial na sua retaguarda.

Os pontos de ancoragem são razoavelmente visíveis para um satélite que passa porque produzem uma massa na superfície da plataforma sobre a qual o gelo fluiu.

O que a equipe da Universidade de Edimburgo fez foi analisar como o formato dessas saliências mudou ao longo do tempo.

Comente a foto,

As saliências superficiais acima dos pontos de ancoragem diminuíram de tamanho ou até desapareceram

A ideia era ver se as saliências estavam diminuindo, o que significava que as prateleiras estavam ficando mais finas – e que estavam derretendo; Que o seu poder de travagem ficou mais fraco.

O Dr. Bertie Miles regressou a todo o arquivo de imagens da série de naves espaciais Landsat dos EUA de longa duração para montar um novo mosaico sem nuvens da costa da Antárctida.

Ele analisou então o que aconteceu na superfície do gelo durante três períodos: de 1973 a 1989, de 1990 a 2000 e de 2000 a 2022.

No período inicial, o volume de pontos de fixação diminuiu apenas 15%. Isto aumentou na década de 1990, quando 25% dos tecidos sofreram encolhimento. Então, mais recentemente, observou-se que 37% das saliências pontiagudas se tornaram menores.

“À medida que analisamos as imagens nodais, geralmente vemos essas saliências ficando menores e às vezes desaparecendo completamente”, disse o Dr.

“A única coisa a lembrar é que uma vez que uma plataforma de gelo perde contato com um ponto de ancoragem, é muito difícil recuperar o contato, porque você obtém uma resposta dinâmica no gelo: ele começa a acelerar e a linha de aterramento – a linha onde a geleira ainda é comovente”, disse ele à BBC News. O fundo do mar começa a recuar.”

Fonte da imagem, NASA/USGS/P. Miles/Universidade de Edimburgo

Comente a foto,

Bertie Miles passou dois anos coletando imagens Landsat para construir novas vistas sem nuvens da costa

O que é interessante neste estudo é que ele usa uma abordagem diferente da forma como o afinamento das plataformas de gelo é normalmente avaliado.

Isso é feito usando um tipo específico de satélite chamado altímetro, que envia pulsos de radar para medir a altura da superfície do gelo com muita precisão.

Mas esta tecnologia padrão-ouro remonta apenas a 30 anos, ao início da década de 1990.

Usando um proxy para protuberâncias de gelo em imagens Landsat, o registro de observações de afinamento do gelo pode ser rastreado por mais duas décadas.

O professor Rob Bingham, colega de trabalho em Edimburgo, disse: “Esta história mais profunda deu-nos uma compreensão muito melhor de onde e quando a perda de gelo realmente ocorreu.

“O registo do Landsat mostra-nos, por exemplo, que aqueles grandes e bem conhecidos glaciares na Antártida Ocidental – Pine Island e Thwaites – eram bastante invulgares, na medida em que ocorreram mudanças neles já na década de 1970”, explicou.

“Mas em muitos outros lugares, e certamente no setor em torno do Mar de Amundsen, onde o desbaste é agora bastante generalizado – não se via isso acontecer até a década de 1990.”

A professora Helen Fricker, do Scripps Institution of Oceanography, em San Diego, monitora as plataformas de gelo usando altímetros de satélite. Ela elogiou a pesquisa de Edimburgo.

“Prateleiras flutuantes são fixadas ao manto de gelo como arcobotantes para edifícios – elas fornecem suporte estrutural e sustentam o manto de gelo.

Ela disse à BBC: “Os pontos fixos amplificam esse efeito e, à medida que a conectividade é perdida, o apoio enfraquece. Ao focar nos pontos fixos, este belo estudo avaliou a estabilidade do apoio na Antártica e como e onde ele enfraquece”.

READ  Enorme reservatório de água submarina descoberto – poderia explicar misteriosos terremotos na Nova Zelândia