julho 20, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Microsoft fecha acordo de US$ 69 bilhões com a Activision após aprovação britânica

Microsoft fecha acordo de US$ 69 bilhões com a Activision após aprovação britânica
  • O maior acordo de jogos já fechado após aprovação no Reino Unido
  • A Autoridade Britânica do Mercado Financeiro (CMA) bloqueou a aquisição em abril
  • A Microsoft concordou em vender os direitos de streaming para obter aprovação
  • CMA diz que “manter-se firme” compensa para os jogadores

LONDRES (Reuters) – A Microsoft, fabricante do Xbox, fechou acordo de 69 bilhões de dólares para comprar a Activision Blizzard nesta sexta-feira, aumentando seu peso no mercado de videogames com títulos mais vendidos, incluindo “Call of”. dever” para competir melhor com a líder do setor Sony (6758.T).

Originalmente revelado em janeiro de 2022, o maior acordo na indústria de jogos superou o grande obstáculo final – a aprovação da Grã-Bretanha – hoje cedo, depois que a Microsoft concordou em vender os direitos de streaming dos jogos da Activision para acalmar as preocupações com a concorrência.

A conclusão é uma grande vitória para a empresa de tecnologia dos EUA em sua busca para atrair mais pessoas para os consoles Xbox e seu serviço de assinatura Game Pass. A receita de jogos da Microsoft fica atrás da da Sony, cujos consoles PlayStation vendem mais que os do Xbox.

“Hoje é um bom dia para jogar”, disse o CEO da Microsoft Gaming, Phil Spencer, em uma postagem na plataforma de mídia social X, anteriormente conhecida como Twitter. Ele supervisionará os negócios da Activision, com o CEO da editora de videogames, Bobby Kotick, permanecendo em seu cargo até o final de 2023.

Spencer elogiou a compra como uma forma de a Microsoft entrar no mercado de jogos móveis, avaliado em mais de US$ 90 bilhões.

A Activision fabrica jogos móveis populares, incluindo “Candy Crush Saga” e “Call of Duty Mobile”, jogos que foram excluídos do acordo de streaming em nuvem que a Microsoft assinou com a francesa Ubisoft Entertainment (UBIP.PA) para obter a aprovação britânica.

READ  Os fãs de Overwatch 2 não conseguem acreditar no que a Blizzard fez no prometido modo cooperativo do PS5 e PS4 Sequel

“A Microsoft tem imediatamente mais de US$ 3 bilhões em receitas móveis”, disse Michael Pachter, analista da Wedbush Securities.

“O grande benefício é que a Microsoft tem a visão de que oferecerá jogos por meio de assinatura e precisa de mais conteúdo para oferecer aos assinantes. Portanto, este é um grande passo para ter conteúdo suficiente”, disse ele.

Obstáculos regulatórios

O acordo ainda enfrenta oposição da Comissão Federal de Comércio dos EUA, que falhou na sua tentativa anterior de bloquear a compra. A FTC disse na sexta-feira que estava focada em seu apelo, mas iria “avaliar” o acordo da Microsoft com a Ubisoft.

Mas os analistas acreditam que isso mudará pouco. “O impacto do desafio da FTC será limitado a isenções adicionais no futuro”, disse Gil Loria, analista da DA Davidson.

O logotipo da Microsoft é visto em um smartphone exibido nos personagens do jogo Activision Blizzard nesta ilustração tirada em 18 de janeiro de 2022. REUTERS/Dado Rovik/Ilustração//Foto de arquivo Obtenção de direitos de licenciamento

O principal obstáculo veio da Autoridade de Concorrência e Mercados da Grã-Bretanha, que bloqueou o acordo em abril devido a preocupações de que poderia dar à gigante tecnológica dos EUA um domínio sobre o mercado emergente de jogos em nuvem.

O acordo foi o maior teste à força global da CMA contra os gigantes da tecnologia desde o Brexit.

O regulador disse na sexta-feira que “manter-se firme” face às críticas às empresas combinadas levou a um melhor resultado para a concorrência, os consumidores e o crescimento económico.

A CMA disse que a concessão da Microsoft à transmissão ao vivo foi uma “virada de jogo”, acrescentando que foi a única agência de concorrência global a alcançar este resultado.

READ  A troca lado a lado do Hellcat só poderia terminar mal

Ela disse em um comunicado: “O novo acordo impedirá a Microsoft de monopolizar a concorrência em jogos em nuvem à medida que este mercado decola, ao mesmo tempo que mantém preços e serviços competitivos para clientes de jogos em nuvem no Reino Unido”.

O bloco da Autoridade do Mercado de Capitais irritou as partes envolvidas na fusão, já que a Microsoft disse que a Grã-Bretanha estava fechada para negócios.

O governo britânico forneceu apenas um apoio limitado à Autoridade dos Mercados de Capitais, com o Ministro das Finanças, Jeremy Hunt, a dizer que, embora não queira minar a sua independência, os organismos reguladores também precisam de se concentrar no incentivo ao investimento.

Sarah Cardell, executiva-chefe da CMA, disse que o regulador “enviou uma mensagem clara à Microsoft de que o acordo será bloqueado, a menos que eles abordem de forma abrangente nossas preocupações e permaneçamos firmes nisso”.

Ela disse que a Autoridade do Mercado de Capitais tomava as suas decisões “livre de influência política” e não seria “afetada pela pressão corporativa”.

Ben Barringer, analista de ações da Quilter Cheviot, disse que a CMA consideraria isso uma vitória, mas deveria ter cuidado para não regulamentar excessivamente o setor de tecnologia.

Ele acrescentou: “Há preocupações de que o Reino Unido seja um mau lugar para fazer negócios e que a indústria tecnológica, em particular, monitorize de perto os seus movimentos”.

A Comissão Europeia deu luz verde em maio, quando aceitou os compromissos da Microsoft de licenciar jogos da Activision como “Overwatch” e “World of Warcraft” para outras plataformas.

(Reportagem de Paul Sandel em Londres, Yadarsa Shabong, Aditya Soni, Yuvraj Malik e Zaheer Kachwala em Bengaluru e Fu Yun Che em Bruxelas; Preparação de Muhammad Al-Yamani para o Boletim Árabe – Edição de Muhammad Al-Yamani) Edição de Varun Hong Kong, Kate Holton, Sonali Paul, Jane Merriman e Sherry Jacob Phillips

READ  Diablo IV recebe quase 1 hora de gameplay vazado

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba