julho 20, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Mamíferos fluorescentes são mais comuns do que pensávamos – até os gatos fazem isso

Mamíferos fluorescentes são mais comuns do que pensávamos – até os gatos fazem isso

Ao longo dos últimos anos, houve Um número crescente de relatórios Sobre a fluorescência dos mamíferos sob radiação ultravioleta. Wombats fazem isso, ornitorrincos fazem isso e até esquilos fazem isso. No entanto, não sabíamos exatamente quão comum isso era – até agora. Os investigadores estudaram 125 espécies, representando metade de todas as famílias de mamíferos, todas elas brilhando sob a luz ultravioleta de diferentes maneiras.

Coleção de mamíferos fluorescentes do museu. Créditos da imagem: Travoillon et al.

A fluorescência ocorre quando a energia da luz ultravioleta – uma forma de radiação eletromagnética invisível aos humanos – é absorvida por certos produtos químicos. Eles então emitem luz visível, que é radiação eletromagnética de baixa energia. Isso acontece com roupas brancas que brilham sob a luz ultravioleta, por exemplo. Mas também é surpreendentemente comum no mundo animal.

Brilhem, meus queridos, brilhem

Os animais podem brilhar sob a luz ultravioleta devido a proteínas ou pigmentos em seu pelo, escamas ou pele. Foi relatado em aves, anfíbios, peixes, corais e répteis, mas com menos frequência em mamíferos. Ossos e dentes brilham fluorescentes, assim como as unhas e os cabelos humanos brancos. Roedores Eles brilham em rosa sob a luz ultravioleta, enquanto o ornitorrinco brilha em azul e verde.

Pesquisadores da Universidade Curtin e do Museu da Austrália Ocidental usaram espécimes preservados e congelados do museu para identificar quais eram fluorescentes. Eles descartaram que o brilho não fosse um artefato do processo de preservação e descobriram que todos os 125 mamíferos tinham garras ou dentes fluorescentes, enquanto 86% tinham pêlo fluorescente.

“Relatamos fluorescência para 125 espécies de mamíferos, de metade de todas as famílias de mamíferos”, escreveram os pesquisadores. “Embora a quantidade e a localização da fluorescência variassem entre as espécies, todas apresentavam alguma forma de fluorescência pronunciada. As áreas de fluorescência incluíam pelos brancos e claros, penas, bigodes, garras, dentes e pele nua.

No seu estudo, os investigadores começaram primeiro com o ornitorrinco (Ornithorhynchus anatinus) para ver se conseguiam replicar a fluorescência anteriormente relatada. Eles fotografaram as amostras sob luz ultravioleta e observaram um brilho. Eles então confirmaram isso usando espectroscopia de fluorescência, uma técnica que registra as “impressões digitais” do brilho.

READ  NASA lança a missão Artemis 1 na lua a partir da plataforma de lançamento (fotos)

Eles então repetiram esse processo com outros mamíferos, encontrando evidências de fluorescência no pelo, espinhos, pele e unhas de coalas, bandicoots, demônios da Tasmânia e até gatos. Em particular, eles notam que o pelo branco e de cor clara brilha, enquanto a pigmentação escura evita isso. Por exemplo, as listras escuras de uma zebra não brilham.

Os investigadores também usaram o seu conjunto de dados para ver se a luminescência é mais comum em espécies noturnas. Por esse motivo, eles vincularam a área total de brilho a características como atividade noturna, dieta e movimento. Eles descobriram que os animais noturnos eram de fato mais fluorescentes, enquanto as espécies aquáticas eram menos fluorescentes do que aquelas que vivem na terra ou nas árvores.

“Demonstramos a fluorescência generalizada entre os mamíferos, confirmando o fenômeno usando espectroscopia e depois examinando a fluorescência observada nas linhagens de mamíferos”, escreveram os pesquisadores.

Um estudo pioneiro da Curtin University e do Western Australian Museum lança uma luz brilhante sobre o mistério da fluorescência em mamíferos. Longe de ser um fenómeno raro, parece ser uma característica comum entre muitas espécies, destacando a biodiversidade de uma forma totalmente nova. Esta descoberta também levanta questões fascinantes sobre a vantagem evolutiva que esta característica brilhante pode proporcionar.

Por exemplo, poderia a fluorescência desempenhar um papel na comunicação ou no acasalamento entre animais noturnos? Quais são os impactos ambientais, se houver, da fluorescência? Os animais brilhantes têm mais facilidade para navegar ou encontrar comida no escuro? Eles são mais ou menos vulneráveis ​​aos predadores? Até o momento, essas questões ainda precisam ser respondidas, mas fornecem um caminho interessante para pesquisas futuras.

READ  Pesquisadores identificaram a maior tempestade solar já registrada em anéis de árvores antigas de 14.300 anos

O estudo foi publicado na revista Ciência Aberta da Royal Society.