junho 18, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Mais de 4.300 presos em protestos contra a guerra na Rússia

Mais de 4.300 presos em protestos contra a guerra na Rússia
  • Polícia prende manifestantes anti-guerra
  • Protestos em cidades da Rússia
  • Pesquisadores russos dizem que audiência de Putin aumentou

LONDRES (Reuters) – A polícia prendeu mais de 4.300 pessoas neste domingo em protestos em toda a Rússia contra a invasão da Ucrânia pelo presidente Vladimir Putin, de acordo com um grupo independente de monitoramento de protestos.

“Não à guerra”, gritavam milhares de manifestantes. E “vergonha de você”, segundo vídeos postados nas redes sociais por ativistas e blogueiros da oposição.

Dezenas de manifestantes foram vistos em Yekaterinburg, nos Urais, presos. Um manifestante foi visto sendo espancado até o chão pela polícia de choque. Um mural na cidade mostrando o presidente Vladimir Putin foi desfigurado.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Reuters não conseguiu verificar de forma independente as imagens e fotos nas redes sociais. O Ministério do Interior russo disse anteriormente que a polícia prendeu cerca de 3.500 pessoas, incluindo 1.700 em Moscou, 750 em São Petersburgo e 1.061 em outras cidades.

O Ministério do Interior disse que 5.200 pessoas participaram dos protestos. O grupo de monitoramento de protestos OVD-Info disse que documentou a detenção de pelo menos 4.366 pessoas em 56 cidades diferentes.

“O laço está sendo apertado completamente – estamos vendo basicamente censura militar”, disse a porta-voz da OVD-Info, Maria Kuznetsova, por telefone de Tbilisi.

“Hoje estamos testemunhando protestos bastante grandes, mesmo em cidades siberianas, onde raramente vemos esse número de prisões.”

Os últimos protestos russos ocorreram com um número semelhante de prisões em janeiro de 2021, quando milhares exigiram a libertação do líder da oposição Alexei Navalny depois que ele foi preso ao retornar da Alemanha, onde estava se recuperando de envenenamento por agente nervoso.

READ  Gaza: Crianças estão morrendo de fome, dizem autoridades palestinas, pois há pontos críticos no acordo de cessar-fogo entre Israel e o Hamas

Alguns meios de comunicação controlados pelo Estado russo publicaram reportagens curtas sobre os protestos de domingo, mas não tiveram uma classificação alta nos noticiários.

A RIA disse que a Praça Manzhnaya, em Moscou, adjacente ao Kremlin, foi “libertada” pela polícia, que prendeu alguns participantes de um protesto não autorizado contra a operação militar na Ucrânia.

Apoio da Igreja

A RIA também mostrou imagens do que pareciam ser apoiadores do Kremlin dirigindo ao longo da ponte em Moscou, agitando bandeiras russas e os sinais “Z” e “V” usados ​​pelas forças russas em tanques que operam na Ucrânia.

O patriarca Kirill, chefe da Igreja Ortodoxa Russa, disse que os valores russos estão sendo testados pelo Ocidente, que ofereceu nada além de consumo excessivo e ilusão de liberdade.

Putin, líder supremo da Rússia desde 1999, chamou a invasão, que começou em 24 de fevereiro, de “operação militar especial”. Ele diz que visa defender as comunidades de língua russa da Ucrânia contra a perseguição e impedir que os Estados Unidos usem a Ucrânia para ameaçar a Rússia.

O Ocidente descreveu seus argumentos como uma desculpa infundada para a guerra e impôs sanções destinadas a prejudicar a economia russa. Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e alguns outros membros da OTAN forneceram armas à Ucrânia.

No domingo, Navalny convocou protestos em toda a Rússia e no resto do mundo contra a invasão. Consulte Mais informação

Cerca de 2.000 pessoas participaram de uma manifestação antiguerra em Almaty, a maior cidade do Cazaquistão, de acordo com vídeos postados nas redes sociais. A Reuters não conseguiu verificar as postagens de forma independente.

READ  Putin tem rumores de que a filha de Deus Ksenia Sobchak está fugindo da Rússia

A multidão gritava “Não à guerra!” E insultos dirigidos a Putin agitando bandeiras ucranianas.

Balões azuis e amarelos foram segurados na mão de uma estátua de Lenin que se elevava sobre a pequena praça onde o encontro ocorreu.

A agência de pesquisa estatal da Rússia VTsIOM disse que a classificação de apoio de Putin subiu 6 pontos percentuais, para 70%, na semana até 27 de fevereiro. O FBI, que fornece pesquisas ao Kremlin, disse que sua avaliação aumentou 7 pontos percentuais para 71% no mesmo período. .

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Guy Faulconbridge). Edição por Catherine Evans, Frances Kerry, William MacLean e Kevin Levy

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.