maio 23, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Macron mantém sua primeira grande corrida; Oponentes levantam ‘caso McKinsey’

Macron mantém sua primeira grande corrida;  Oponentes levantam 'caso McKinsey'

Paris (AFP) – O presidente francês Emmanuel Macron realizou seu primeiro grande comício neste sábado em sua corrida à reeleição, prometendo à França mais “progresso” e “solidariedade” nos próximos cinco anos, mas sua campanha teve um salto de velocidade.

Foi apelidado de “O Caso McKinsey”, em homenagem a uma empresa de consultoria americana que foi contratada para aconselhar o governo francês sobre a campanha de vacinação contra o COVID-19 e outras políticas. Um novo relatório do Senado francês questiona o uso de consultores privados pelo governo e acusa a McKinsey de evasão fiscal. A questão energiza e irrita os rivais de Macron quando eles param de fazer campanha antes do primeiro turno das eleições presidenciais de 10 de abril.

Macron, um centrista que esteve na vanguarda dos esforços diplomáticos para acabar com a guerra na Ucrâniatem uma vantagem confortável nas pesquisas de opinião até agora sobre a líder de extrema-direita Marine Le Pen e outros rivais.

“Estamos aqui para tornar possível realizar um projeto de progresso, independência e futuro para a França”, disse Macron a uma multidão de cerca de 30 mil pessoas em um estádio que costuma receber partidas de rugby. “Vejo dificuldades para sobreviver, inseguranças… e muito mais a fazer para derrotar o extremismo.”

Falando àqueles que veem “todos seus contracheques vão para gasolina, contas e aluguel”, já que a guerra na Ucrânia aumentou os preços dos alimentos e da energia, Macron prometeu permitir que as empresas concedam um bônus isento de impostos aos funcionários de até 6.000 euros ( $ 6.627) já neste verão.

Ele também prometeu aumentar as pensões mínimas para 1.100 euros (US$ 1.214) por mês para aqueles que trabalhavam em período integral – acima dos atuais 700 euros. Ele disse que a idade de aposentadoria deve ser aumentada gradualmente de 62 para 65 anos para financiar o plano.

READ  Shahbaz Sharif: Parlamento do Paquistão vota novo primeiro-ministro após deposição de Imran Khan

Seus apoiadores o receberam e gritaram “Macron, presidente!” “Um ano, dois anos, mais cinco anos!” A renúncia da bandeira francesa de três cores.

Mas para aqueles que tentam demitir Macron, a palavra “McKinsey” se tornou um grito de guerra.

Os críticos descrevem o 1 bilhão de euros que o governo francês gastou em empresas de consultoria como a McKinsey no ano passado como a privatização e americanização da política francesa e estão pedindo mais transparência.

O Senado francês, onde os conservadores da oposição têm maioria, publicou um relatório no mês passado Investigação do uso governamental de empresas de consultoria privadas. O relatório descobriu que os gastos do Estado com esses contratos dobraram nos últimos três anos, apesar dos resultados mistos, e alertou que isso poderia criar um conflito de interesses. Dezenas de empresas privadas estão envolvidas na consultoria, incluindo gigantes como a multinacional irlandesa Accenture e o grupo francês Capgemini.

Ainda mais contundente, o relatório diz que a McKinsey não paga imposto de lucro corporativo na França desde pelo menos 2011, mas usou um sistema de “otimização de impostos” por meio de sua controladora com sede em Delaware.

McKinsey emitiu um comunicado Ela disse que “respeita as regras fiscais francesas que se aplicam a ela” e defendeu seu trabalho na França.

A McKinsey aconselhou o governo francês em sua campanha de vacinação contra o COVID-19, que foi inicialmente interrompida, mas acabou se tornando uma das mais abrangentes do mundo. Assessores externos também aconselharam o governo de Macron sobre reforma habitacional, política de asilo e outras medidas.

O relatório do Senado descobriu que essas empresas geram menos receita na França do que na Grã-Bretanha ou na Alemanha, e indicou que os gastos com consultores externos foram maiores sob o ex-presidente conservador Nicolas Sarkozy do que sob Macron.

READ  As ações da Rússia na Ucrânia são um crime de guerra

O ministro do Orçamento, Olivier Dusupet, disse que o dinheiro do estado gasto com consultores foi cerca de 0,3% do que o governo gastou em salários de serviço público no ano passado e que a McKinsey ganhou apenas uma fração disso. Ele acusou os rivais de campanha de inflar a questão para aumentar seus rankings.

No entanto, esse problema é prejudicial para Macron.

Macron, um ex-banqueiro de investimentos que já foi acusado de ser “o presidente dos ricos”, viu suas classificações subirem quando seu governo gastou grandes somas para proteger trabalhadores e empresas no início da pandemia e prometeu fazer “o que for preciso” para suavizar o golpe. Mas seus oponentes dizem que o caso McKenzie levanta temores de que Macron e seu governo estejam em dívida com interesses pessoais e sem contato com eleitores comuns.

Onde quer que Macron vá agora, ele pergunta sobre isso.

“Nos últimos dias, ouvi muito falar sobre uma empresa americana sonegando impostos”, disse Macron em um comício no sábado. “Quero lembrar àqueles que demonstram sua frustração que usaram (empresas de consultoria)” também no governo local.

Ele também observou a luta de seu governo para garantir que as empresas paguem sua parcela justa de impostos.

“Imposto mínimo na Europa, nós lutamos por isso, e conseguimos”, disse ele.

A França está pressionando pela implementação rápida na União Europeia de 27 países de um imposto corporativo mínimo de 15%, que mais de 130 países concordaram em outubro passado.