maio 19, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Keith Siegel e Omri Miran: Vídeo mostra reféns americanos e israelenses vivos em Gaza

Keith Siegel e Omri Miran: Vídeo mostra reféns americanos e israelenses vivos em Gaza
  • Escrito por Anna Foster
  • BBC News, Jerusalém

Fonte da imagem, Vídeo de reféns

Comente a foto, Keith Siegel, 64, aparece na nova filmagem

O Hamas divulgou um vídeo mostrando as primeiras evidências da vida de mais dois reféns detidos em Gaza.

Em imagens sem data filmadas sob coação, Omri Miran diz que está detido há 202 dias, e Keith Siegel menciona o fim de semana de Páscoa esta semana, sugerindo que os clipes foram filmados recentemente.

Foram capturados quando o Hamas lançou os seus ataques mortais em 7 de Outubro.

Em resposta ao vídeo, as suas famílias disseram que continuariam a lutar pelo regresso dos homens.

Eles também instaram o governo israelense a chegar a um novo acordo para libertar os reféns.

O novo vídeo surge num momento em que o Hamas disse que estava a estudar a última proposta israelita relativa a uma trégua. Relatos da mídia afirmaram que o mediador egípcio enviou uma delegação a Israel para dar um novo impulso às negociações paralisadas.

Siegel, um cidadão norte-americano, foi raptado juntamente com a sua esposa Aviva, embora esta tenha sido libertada em Novembro durante uma breve trégua.

“Keith, eu te amo. Lutaremos até você voltar”, disse a esposa de Keith, Aviva, em um comunicado em vídeo. No início deste mês, ela contou à BBC como os sequestradores deixaram o casal em um túnel enquanto os transportavam de um lugar para outro. No momento da entrevista, ela disse que não sabia se Keith ainda estava vivo.

Sua outra filha, Cher, disse: “Se você assistir ao vídeo, verá que meu pai sabe que todos nós vamos à marcha todas as semanas e lutamos por ele e por todos os prisioneiros”.

Comente a foto, Os manifestantes na Praça dos Reféns juntaram-se a multidões que exigiam eleições antecipadas em Israel

Falando na manifestação semanal em Tel Aviv exigindo ação para libertar os reféns na noite de sábado, Danny Miran, pai de Omri Miran, liderou os gritos da multidão.

Ele ficou visivelmente emocionado ao fazer um discurso poderoso, descrevendo sua felicidade ao assistir o vídeo de seu filho, sabendo que ele estava “esperançosamente vivo”.

Mas o seu discurso também teve um elemento político. Ele falou diretamente com o governo e mencionou especificamente pelo nome os seus membros de extrema direita – o Ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben Gvir, e o Ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, e apelou-lhes para garantirem o acordo de reféns.

Ele instou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, a “concordar com qualquer acordo viável”.

“Dê um pequeno passo sem derramamento de sangue pelo bem dos dois povos”, disse ele, acrescentando que “todo o povo de Israel e os países do mundo querem ver o fim do derramamento de sangue, especialmente o fim do sofrimento dos seus pessoas.”

O que também foi notável foi que antes do pai de Omri fazer seu discurso, todo o vídeo dos reféns foi exibido em telões espalhados pela praça dos reféns.

Isto é altamente incomum, já que esses vídeos geralmente não são reproduzidos na TV.

Explicação em vídeo, ASSISTA: Aviva Siegel, centro, disse que a família continuará a lutar pelo retorno seguro de seu marido

A sede do Fórum de Famílias de Reféns disse que o último vídeo é “a evidência mais clara de que o governo israelense deve fazer tudo para concordar com um acordo para o retorno de todos os reféns”.

Segue-se outro vídeo de prova de vida lançado pelo grupo no início desta semana, apresentando o refém israelense-americano Hersh Goldberg Bolin, 23, que apareceu sem o braço esquerdo no curto clipe. A bomba explodiu durante um ataque do Hamas ao sul de Israel em 7 de outubro.

Em resposta, a sua mãe e o seu pai também apelaram a mais esforços para garantir um novo acordo para libertar os reféns.

A família Siegel foi sequestrada no Kibutz Kfar Azza em 7 de outubro, quando o Hamas atacou comunidades israelenses perto de Gaza, enquanto o Sr. Miran foi capturado no Kibutz Nir Oz.

Num videoclipe publicado pelo braço armado do Hamas sob coação, Siegel, 64, e Miran, 46, instaram o governo israelense a concordar com o Hamas sobre um cessar-fogo e a libertar os reféns.

Ouve-se Miran dizer: “Estou aqui no cativeiro do Hamas há 202 dias. A situação aqui é desagradável e difícil e há muitas bombas”.

As negociações indiretas entre Israel e o Hamas para garantir a sua libertação – juntamente com os outros reféns restantes – continuam, e semanas de conversações não conseguiram chegar a um acordo.

O Hamas rejeitou uma proposta anterior de um cessar-fogo de seis semanas em troca da libertação dos restantes 40 reféns.

O movimento já tinha insistido que qualquer acordo deveria incluir a cessação permanente da guerra, uma retirada militar israelita completa de Gaza e o regresso irrestrito das pessoas deslocadas às suas casas. Israel insiste na necessidade de destruir o Hamas em Gaza e libertar os reféns.

Israel parece estar a avançar com planos para lançar um ataque a Rafah, no sul da Faixa de Gaza, apesar dos avisos de consequências humanitárias potencialmente catastróficas para os 1,5 milhões de palestinianos deslocados que ali se refugiam.

“Estamos fazendo todos os preparativos para a operação [in Rafah] “Isso é o que deve ser feito”, disse o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, no sábado.

“Mas espero que haja um acordo.”

Os ataques do Hamas resultaram na morte de cerca de 1.200 pessoas e o grupo fez cerca de 250 reféns. O Ministério da Saúde gerido pelo Hamas afirma que a campanha de retaliação israelita em Gaza matou mais de 34 mil palestinianos.

O acordo alcançado em Novembro permitiu ao Hamas libertar 105 reféns – a maioria deles mulheres e crianças – em troca de um cessar-fogo de uma semana e cerca de 240 prisioneiros palestinianos em prisões israelitas. Acredita-se que cerca de 133 reféns permaneçam em Gaza, e acredita-se que cerca de 30 deles estejam mortos.