fevereiro 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

EXCLUSIVO: Rússia não investigará acidente de avião de Prigozhin sob regras internacionais – Instituto Brasil

EXCLUSIVO: Rússia não investigará acidente de avião de Prigozhin sob regras internacionais – Instituto Brasil

SÃO PAULO/MONTREAL (Reuters) – A Rússia disse à comissão de investigação aérea do Brasil que não investigará a queda de um jato Embraer (EMBR3.SA) de fabricação brasileira que matou o chefe mercenário Yevgeny Prigozhin sob regras internacionais. “, disse a empresa brasileira à Reuters na terça-feira.

Prigozhin, dois tenentes de seu Grupo Wagner e quatro guarda-costas estavam entre as 10 pessoas mortas quando um Embraer Legacy 600 caiu ao norte de Moscou na semana passada.

Ele morreu dois meses depois de liderar uma breve rebelião contra o sistema de segurança russo, o maior desafio ao governo do presidente Vladimir Putin desde que chegou ao poder em 1999.

O Centro Brasileiro de Pesquisa e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) disse que se juntaria à investigação liderada pela Rússia se fosse chamado a investigar de acordo com as regras internacionais, no interesse de melhorar a segurança da aviação.

A autoridade da aviação russa não é obrigada a dizer sim ao CENIPA, mas alguns antigos investigadores, dos EUA e de outros governos ocidentais, suspeitam que o Kremlin esteja por trás da queda do Embraer Legacy 600, em 23 de Agosto. .

O Kremlin nega qualquer envolvimento. Prigozhin criticou publicamente a agressão de Moscovo contra a Ucrânia. Os mercenários de Wagner lutaram lá ao lado da Rússia.

De acordo com a Organização da Aviação Civil Internacional das Nações Unidas (ICAO), com sede em Montreal, o voo de Moscovo para São Petersburgo era doméstico e, portanto, não estava sujeito às regras internacionais conhecidas em toda a indústria pelo seu nome legal “Anexo 13”.

READ  O Telescópio Espacial James Webb e uma missão que todo ser humano compartilha

Nenhuma obrigação de aceitar regras internacionais

“Eles não são obrigados, apenas recomendados a fazê-lo”, disse o chefe do CENIPA, Marcelo Moreno, brigadeiro aéreo, à Reuters depois que a agência enviou um e-mail na semana passada perguntando se abriria tal investigação sobre a Rússia.

“Mas se disserem que vão abrir uma investigação e convidar o Brasil, vamos participar de longe”.

John Cox, conselheiro de segurança da aviação dos EUA e ex-investigador, disse que a investigação interna russa seria sempre questionada sem a participação do Brasil, país onde o avião foi fabricado.

“Acho que é muito triste”, disse Cox depois de ser informado da resposta russa. “Acho que isso prejudica a transparência da investigação na Rússia.”

Ceneba disse em um comunicado por e-mail que recebeu uma resposta do Comitê de Aviação Interestadual – Comissão de Investigação de Acidentes (IAC) na terça-feira, dizendo que a autoridade russa não abriria uma investigação sob o Anexo 13 agora.

Nas investigações de acidentes de avião, os especialistas trabalham para melhorar a segurança da aviação sem atribuir culpas, mas as investigações são frequentemente contaminadas por interesses políticos.

O CENIPA e a fabricante Embraer querem prevenir futuros acidentes, mas enfrentam desafios na obtenção de informações da investigação devido às sanções econômicas impostas à Rússia e à relutância de Moscou em permitir a inspeção externa.

Estão em serviço 802 jatos regionais da Embraer com 37 a 50 assentos construídos na mesma plataforma do jato executivo Legacy 600, ressaltando o interesse do Brasil no estudo.

A Embraer não quis comentar.

Jeff Guccetti, ex-investigador de acidentes aéreos dos EUA, disse que a Rússia deveria aceitar a ajuda do Brasil, embora o CENIPA só pudesse participar remotamente.

READ  Hong Kong pergunta: o que fazer com 40.000 unidades vazias de quarentena da Covid em meio à escassez de moradias?

“Se não o fizerem, é um sinal claro de que não será uma investigação aberta.”

Tirando o seu nome de um anexo da Convenção sobre Aviação Civil Internacional – vulgarmente conhecida como Convenção de Chicago de 1944 – as regras representam uma cooperação internacional discreta mas eficaz que raramente é contestada.

Autoridades de defesa disseram que o Anexo 13 foi creditado por melhorar dramaticamente a segurança da aviação desde que foi introduzido pela primeira vez, ao encorajar uma cooperação técnica invulgarmente estreita através das fronteiras políticas e ao eliminar problemas de criminalidade.

Reportagem de Alison Lambert em Montreal, Gabriel Araujo em São Paulo e Valerie Insina em Washington; Edição de Denny Thomas e Grant McCool

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Gabriel é um repórter baseado em São Paulo, Brasil, que cobre as finanças da América Latina e as principais notícias da maior economia da região. Formado pela Universidade de São Paulo, ingressou na Reuters como estagiário de commodities e energia na faculdade e está na empresa desde então. Anteriormente cobriu esportes, incluindo futebol e Fórmula 1, para rádios e sites brasileiros.