maio 29, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Exclusivamente: Catar busca acordo entre Israel e Hamas para libertar 50 reféns e trégua de 3 dias

Exclusivamente: Catar busca acordo entre Israel e Hamas para libertar 50 reféns e trégua de 3 dias
  • Um funcionário disse à Reuters que o suposto acordo estipula uma trégua de três dias
  • Oficial diz que Hamas libertará cerca de 50 reféns de Gaza
  • Israel libertará algumas mulheres e crianças palestinas das prisões
  • O Catar tem uma linha direta de comunicação com Israel e o Hamas

DOHA/CAIRO (Reuters) – Mediadores do Catar buscaram nesta quarta-feira negociar um acordo entre o Hamas e Israel que inclua a libertação de cerca de 50 reféns civis de Gaza em troca de um cessar-fogo de três dias, disse uma autoridade familiarizada com as negociações. Reuters.

O acordo, em discussão e coordenação com os Estados Unidos, também permitiria que Israel libertasse algumas mulheres e crianças palestinianas das prisões israelitas e aumentasse a quantidade de ajuda humanitária permitida em Gaza, disse o responsável.

Esta será a maior libertação de reféns detidos pelo Hamas desde que o movimento palestiniano invadiu a fronteira de Gaza, atacou partes de Israel e fez reféns na Faixa.

O responsável disse que o Hamas concordou com as linhas gerais desse acordo, mas Israel – que desde então bombardeou e enviou tropas para Gaza – não negociou os detalhes e ainda os está a negociar.

Não se sabe quantas mulheres e crianças palestinianas Israel libertará das suas prisões como parte do acordo em discussão.

O âmbito das negociações lideradas pelo Qatar mudou drasticamente nas últimas semanas, mas a realidade é que as conversações estão agora centradas na libertação de 50 prisioneiros civis em troca de uma trégua de três dias, e que o Hamas concordou com as linhas gerais das negociações. O acordo não foi anunciado anteriormente.

O rico estado do Qatar, que tem ambiciosos objectivos de política externa, tem uma linha directa de comunicação com o Hamas e Israel. Anteriormente, ajudou a mediar uma trégua entre os dois lados.

READ  Galinha de cristal: KFC Alemanha pede desculpas por promoção 'inaceitável' ligada ao memorial do massacre

Tal acordo exigiria que o Hamas entregasse uma lista completa dos nomes dos restantes reféns civis detidos em Gaza.

O funcionário disse que uma libertação mais abrangente de todos os reféns não está atualmente em discussão.

Não houve resposta imediata das autoridades israelitas, que anteriormente se tinham recusado a fornecer comentários detalhados sobre as negociações dos reféns, alegando relutância em minar os esforços diplomáticos ou alimentar relatórios sobre o que consideravam uma “guerra psicológica” travada por militantes palestinianos.

Quando a Reuters perguntou na quarta-feira sobre as negociações, Izzat al-Rishq, membro do gabinete político do Hamas, não confirmou diretamente o acordo em discussão.

Israel ainda “recusa e atrasa a libertação de 50 mulheres e crianças prisioneiras e uma verdadeira trégua humanitária, em troca da libertação de um número de mulheres e crianças do nosso povo em prisões de ocupação e da entrega de socorro e ajuda humanitária a todas as áreas de Cisjordânia.” Faixa de Gaza”, disse ele.

O Ministério das Relações Exteriores do Catar não quis comentar.

O Qatar, onde o Hamas dirige um gabinete político, está a liderar a mediação entre o movimento islâmico armado e as autoridades israelitas, a fim de libertar mais de 240 reféns. Eles foram sequestrados por homens armados quando atacaram Israel em 7 de outubro. Israel diz que 1.200 pessoas foram mortas durante o ataque.

Israel lançou então bombardeios contínuos na Faixa de Gaza governada pelo Hamas e no final do mês passado iniciou uma invasão blindada do enclave, na qual mais de 11 mil pessoas foram mortas, cerca de 40% delas crianças, e mais foram soterradas sob os escombros, segundo a Palestina. funcionários.

O ministro israelense Benny Gantz, que faz parte do gabinete de guerra, disse em entrevista coletiva na quarta-feira: “Mesmo que nos peçam para parar de lutar para devolver nossos reféns, não haverá como parar os combates e a guerra até que alcancemos nossos objetivos .” “.

READ  Zelensky diz que a mensagem de paz foi ouvida apesar da recusa da Fifa em transmiti-la

Em resposta a uma pergunta sobre o que está impedindo o acordo de reféns, Gantz recusou-se a fornecer quaisquer detalhes.

Fontes no Golfo e em outras partes do Oriente Médio disseram que as negociações anteriormente se concentravam na libertação de até 15 reféns pelo Hamas e na suspensão dos combates em Gaza por até três dias.

Não houve comentários imediatos do Ministério das Relações Exteriores do Catar e do escritório político do Hamas em Doha.

Duas fontes de segurança egípcias disseram que até agora apenas foi alcançado um acordo sobre uma trégua limitada em áreas específicas de Gaza. Eles disseram que Israel mostrou relutância em se comprometer com qualquer acordo mais amplo, mas parecia ter chegado perto de fazê-lo na terça-feira.

Barreiras

As Brigadas Al-Qassam, o braço armado do movimento Hamas, afirmaram na segunda-feira que informaram os negociadores do Catar da sua disponibilidade para libertar até 70 mulheres e crianças em troca de uma trégua de cinco dias.

“Estamos trabalhando incansavelmente para libertar os reféns, inclusive usando o aumento da pressão desde o início da incursão terrestre”, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na terça-feira.

Qualquer acordo enfrenta muitos obstáculos.

Um diplomata ocidental na região disse que não está claro se o Hamas é atualmente capaz de preparar uma lista precisa dos reféns que mantém, dado que a guerra lhe causou problemas nas comunicações e na organização em Gaza.

Outra fonte da região familiarizada com as negociações disse que a recolha dos reféns para qualquer libertação simultânea, que é o que Israel pretende, seria logisticamente difícil sem um cessar-fogo.

A mesma fonte disse que também havia incerteza sobre se a liderança militar e política do Hamas concordava, embora isto tenha sido resolvido mais tarde, bem como preocupações de que a pressão militar israelita estivesse a tornar um acordo mais difícil.

READ  Os jogos mentais distorcidos de Vladimir Putin na Ucrânia atingiram um novo nível perturbador

(Reportagem de Andrew Mills em Doha, Maya Gebaili em Beirute, Aidan Lewis e Ahmed Mohammed Hassan no Cairo, e Nidal al-Mughrabi em Gaza – Preparado por Mohammed para o Boletim Árabe – Editado por Mohammed Al-Yamani) Reportagem adicional de Dan Williams e Mayan Lobel em Jerusalém e Naira Abdullah em Dubai – Preparado por Mohammed para o Boletim Árabe Escrito por Andrew Mills e Angus McDowell. Editado por Michael Georgi, Gareth Jones e Mark Heinrich

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba