junho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Evacuados de Gaza chegam ao Egito através da passagem de Rafah: atualizações ao vivo entre Israel e Hamas

Evacuados de Gaza chegam ao Egito através da passagem de Rafah: atualizações ao vivo entre Israel e Hamas

Do outro lado da Península do Sinai, a cerca de seis horas de carro do Cairo, através do deserto egípcio praticamente vazio, a Travessia de Rafah é uma vasta extensão de areia, betão e nada mais. Isolada do resto do Egipto, não só pela distância, mas também por severas restrições militares, Rafah pode sentir-se tão distante dos acontecimentos mundiais como qualquer outro lugar do planeta.

Mas durante as últimas três semanas da guerra de Israel contra o Hamas em Gaza, a passagem de Rafah tornou-se um foco de negociações acaloradas e um lugar onde muitas pessoas, poderosas e fracas, depositam as suas esperanças cada vez menores. Com Israel a impor um cerco sufocante à densamente povoada Faixa de Gaza, a passagem de Rafah tornou-se a única entrada para a Faixa de Gaza através da qual a ajuda chega à sua população de 2,3 milhões de pessoas. Até agora, nada nem ninguém conseguiu sair de Gaza.

Mas isso pode mudar em breve: o Egipto informou as autoridades de Gaza que irá receber 81 pessoas gravemente feridas de Gaza e tratá-las em hospitais egípcios na quarta-feira, de acordo com um comunicado emitido pela Autoridade Geral para Travessias e Fronteiras em Gaza.

O controlo da passagem de Rafah pelo Egipto conferiu-lhe uma posição proeminente como um dos principais doadores de Gaza e um actor importante no conflito, uma posição que os analistas dizem que poderia ajudá-lo a garantir mais apoio financeiro internacional no meio de uma crise económica esmagadora no país do Norte de África. O Egipto destacou este papel na terça-feira, quando o governo levou jornalistas numa viagem rigidamente controlada a Rafah.

Caminhões de ajuda e tanques do exército alinhavam-se na estrada de terra que levava ao cruzamento. Dezenas de voluntários de organizações humanitárias patrocinadas pelo governo e do Crescente Vermelho Egípcio caminharam pelo local. Várias ambulâncias pararam dentro do enorme corredor que circundava o cruzamento.

READ  A Arábia Saudita insta os Estados Unidos a exercerem contenção enquanto os Houthis atacam navios no Mar Vermelho

O primeiro-ministro Mostafa Madbouly disse, numa curta conferência de imprensa, no meio de uma multidão de voluntários carregando bandeiras egípcias: “Desde o primeiro momento, enviamos comboios de ajuda das nossas organizações, e os voluntários têm permanecido aqui 24 horas por dia durante dias”. Bandeiras pró-Palestina reuniram-se para ouvir. Ele acrescentou: “O Egito suportou o fardo da questão palestina durante anos”.

Contudo, devido a factores fora do controlo do Egipto, a passagem de Rafah só pode satisfazer uma fracção das necessidades de Gaza. As autoridades humanitárias dizem que apenas 241 camiões de ajuda chegaram a Gaza desde que esta abriu as suas portas, há duas semanas, após negociações entre os Estados Unidos, Israel, Egipto e as Nações Unidas, um número pequeno tendo em conta a escala das necessidades humanitárias.

Israel, que realiza inspecções rigorosas aos camiões de ajuda humanitária, tem sido o principal actor no abrandamento do processo, segundo as Nações Unidas, a União Europeia e autoridades egípcias e americanas. Mas Israel concordou agora em permitir a entrada de cerca de 80 camiões por dia, segundo diplomatas ocidentais familiarizados com as negociações, ainda aquém dos 100 camiões por dia que as Nações Unidas consideram necessários.

Wael Abu Omar, porta-voz da Faixa de Gaza na passagem de Rafah, disse que 83 caminhões chegaram a Gaza na terça-feira.

David Satterfield, o enviado especial dos EUA encarregado de cuidar das questões humanitárias no conflito, disse no Cairo no domingo que a ajuda deve fluir muito mais rapidamente para mostrar aos habitantes de Gaza, em crescente angústia, que não precisam recorrer ao saque dos armazéns da ONU para obter ajuda. .Humanidade. Para viver, como aconteceu há poucos dias.

READ  Jair Bolsonaro: O ex-presidente brasileiro nega acusações de golpe

“Esta é uma sociedade à beira do desespero”, disse ele, acrescentando que as agências que distribuem ajuda “devem ser capazes de provar que a ajuda não é acidental”.

Os negociadores também pressionam pela evacuação das pessoas em Gaza que possuem passaportes estrangeiros e das suas famílias, juntamente com funcionários de embaixadas estrangeiras e organizações internacionais. Nas últimas três semanas, as pessoas correram várias vezes para o lado de Gaza do portão depois de serem informadas de que poderiam atravessar, apenas para encontrá-lo trancado. Os Estados Unidos culparam publicamente o Hamas, a organização política e militar que controla a Faixa, enquanto o Egipto culpou publicamente Israel, dizendo que tornou a travessia insegura através dos repetidos bombardeamentos do lado de Gaza.

Mas ninguém culpa publicamente o Egipto, embora diplomatas ocidentais envolvidos no esforço de evacuação digam que os receios do Egipto – incluindo a possibilidade de uma multidão de pessoas desesperadas tentar penetrar no Egipto assim que o portão se abrir – também desempenham um papel no êxodo de cidadãos estrangeiros. Incapacidade contínua de evacuar.

Ainda há chance de se chegar a um acordo sobre a saída de portadores de passaporte estrangeiro. Mas o Egipto deixou claro que não aceitará um grande número de refugiados palestinianos no seu território, uma proposta que alguns membros da comunidade internacional, incluindo Israel, teriam apresentado. Madbouly rejeitou categoricamente esta ideia, assim como os voluntários no portão.

“Não, não, não, isto não é uma solução, e eu rejeito esta solução”, disse Mustafa Muftah, 30 anos, professor universitário da vizinha cidade egípcia de Al-Arish, que começou a trabalhar como tradutor voluntário em Rafah há uma semana. “Esta é a nossa terra e nós amamos esta terra.”

READ  México finalmente vende jato presidencial indesejado para o Tadjiquistão

Satterfield disse no domingo que os Estados Unidos também não consideram isso uma opção, dizendo que a administração Biden respeita a soberania do Egito e que acredita que “o futuro do povo palestino em Gaza reside em Gaza”.

Heba Yazbek E Iyad Abu Huwaila Contribuiu para relatórios.