maio 29, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Estratégia de alerta de 30 minutos da NASA para eventos solares prejudiciais

Estratégia de alerta de 30 minutos da NASA para eventos solares prejudiciais

As tempestades solares, conhecidas como erupções solares, são fenômenos regulares para uma estrela gasosa ardente como o nosso Sol. Estes eventos poderosos não são apenas exibições espectaculares nos nossos céus, mas também representam grandes ameaças à nossa civilização dependente da tecnologia. Isto levou a NASA a desenvolver um modelo avançado que pode fornecer um aviso de 30 minutos antes de uma tempestade particularmente destrutiva.

Compreendendo as tempestades solares

Uma tempestade solar refere-se às várias emissões e explosões do Sol, que são partes normais do seu ciclo de vida, normalmente após um ciclo de 11 anos. Estas explosões ocorrem principalmente na superfície do Sol, dentro da fotosfera, e envolvem a expulsão de material ionizado em resposta ao acúmulo de energia magnética, principalmente em torno do equador solar. Essas tempestades podem variar em intensidade e são classificadas de forma semelhante às tempestades terrestres, como os furacões.

O Evento Carrington: Uma Perspectiva Histórica

A tempestade solar mais poderosa já registrada ocorreu em 1859, conhecida como Evento Carrington. Produziu uma magnífica aurora que iluminou o céu noturno desde o Caribe até os topos nevados das montanhas. O evento começou em 28 de agosto com manchas solares visíveis e aumentou com uma explosão massiva em 1º de setembro, causando distúrbios generalizados, incluindo incêndios e choques elétricos em sistemas telegráficos.

Desafios atuais e avanços tecnológicos

Nos últimos anos, a devastação potencial que tais tempestades podem causar nas infra-estruturas eléctricas e de comunicações tornou-se mais evidente. Por exemplo, uma grande tempestade em 1991 levou a cortes generalizados de energia em Quebec, Canadá. Para mitigar esses riscos, a NASA recorreu à inteligência artificial. Seu modelo, denominado DAGGER, aproveita dados de vários satélites de monitoramento solar e utiliza técnicas de aprendizagem profunda para prever os efeitos das tempestades solares com velocidade e precisão sem precedentes.

READ  Astrônomos descobrem um planeta misterioso que não deveria existir

Dagger: uma nova era de tecnologia preditiva

A capacidade do DAGGER de fornecer previsões rápidas poderá revolucionar a nossa resposta às ameaças solares. A capacidade preditiva do modelo permite uma janela crítica de 30 minutos, o que pode ser vital na preparação e potencialmente na mitigação dos efeitos destes eventos solares. Além disso, o sistema foi concebido para prever não só o momento, mas também as prováveis ​​áreas geográficas de impacto destas tempestades.

Em conclusão, embora a nossa civilização permaneça à mercê do humor da nossa estrela, desenvolvimentos como o DAGGER oferecem um vislumbre de como a tecnologia moderna pode ajudar-nos a antecipar e a preparar-nos para estes desafios celestiais.