abril 13, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Essas mulheres vieram para a Antártica em busca de ciência. Então os predadores apareceram

Essas mulheres vieram para a Antártica em busca de ciência.  Então os predadores apareceram

Em 12 de abril, Em 2019, a Universidade de Boston finalmente demitiu David Marchant por assediar sexualmente Wellenbring. (A universidade disse que não poderia confirmar suas alegações de abuso físico ou psicológico.) Marchant emitiu um comunicado, que foi publicado pela revista Ciências Ele foi citado como tendo prometido que “não assediou sexualmente” ninguém “nem em 1998 ou 1999 na Antártica ou em qualquer momento desde então”. Mas por causa de Wellenbring, a notícia se espalhou.

Na sequência deste escândalo, a National Science Foundation encomendou um estudo externo sobre agressão e assédio sexual em instalações de investigação na Antártica. O extenso relatório, publicado em agosto de 2022, contém alegações chocantes de agressão, perseguição e assédio. Brett Barquist, o ex-chefe de combustível, estava sob contrato de McMurdo com uma empresa hoje chamada Amentum. Ela supervisionou uma equipe de cerca de 20 pessoas que realizavam o perigoso trabalho de manuseio e limpeza de tanques de diesel e gasolina. Um dia, no final de novembro de 2017, ela me contou, estava sentada a uma mesa ao lado de um homem que ocupava um cargo sênior na Leidos, a empresa que administra estações de pesquisa na Antártica. Ele estava conduzindo uma reunião com a equipe quando a tocou à vista de todos.

Quando ela conversou sobre isso com seu supervisor, ele disse que havia testemunhado parte do incidente. Seu chefe relatou o assunto ao departamento de RH da Amentum. “Eu disse ao RH que não queria estar perto dele novamente. 'Tenho medo dessa pessoa', e ele disse: 'OK'”, diz Barquist.

Mas em 2020, durante outro período de trabalho com um empreiteiro McMurdo, foi-lhe dito que participaria em reuniões virtuais semanais com o mesmo alto funcionário. Barquist, que precisava do emprego, minimizou a importância dele para si mesma. “Foi nojento e terrível olhar para o rosto dele e ouvi-lo falar, apenas vê-lo tratado como um homem normal, enquanto dizia na minha cabeça: Esse homem é um predador”, diz ela. . Por que todo mundo age como uma pessoa normal?

READ  Cogumelos ostra carnívoros podem matar lombrigas com 'gás nervoso em um pirulito'

No ano seguinte, ao final de quase três semanas de quarentena do coronavírus com uma tripulação na Nova Zelândia, ela examinou o manifesto de um próximo voo para a Antártica e viu nele o nome do alto funcionário. Quando ligou para o departamento de recursos humanos para apresentar uma queixa, devido à comunicação irregular, ela disse que foi recebida com teimosia por parte de dois administradores, um dos quais foi apresentado como defensor das vítimas.

“Eu disse que ainda não queria estar perto desse cara”, ela me disse, “mas eles disseram: 'Então, como você propõe que lidemos com isso?'” Barquist ficou emocionada ao relembrar sua conversa com as duas mulheres. Do empregador dela. “Achei que eles estariam do meu lado”, diz ela. Em vez disso, eles continuaram a pressioná-la sobre o medo que ela tinha de estar perto dele.

“Finalmente eu disse: 'Sim, me sinto insegura quando estou sozinha no quarto com ele!'”, Diz ela. Então o sinal apagou e ela nunca mais conseguiu se reconectar com eles. Barquist voltou para a Antártica, onde tentou evitar o alto funcionário. Mas como a segurança de sua equipe dependia de sua comunicação quase diária com eles, ela acabou cedendo.