maio 19, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Eclipse solar total: uma janela de 4 minutos para os segredos do universo

Eclipse solar total: uma janela de 4 minutos para os segredos do universo
  • Escrito por Georgina Ranard
  • Repórter Científico

Fonte da imagem, Universidade de Aberystwyth

Comente a foto,

Cientistas do Reino Unido e dos Estados Unidos estão trabalhando para monitorar o eclipse

A febre do eclipse está aumentando. Milhões na América do Norte esperam cerca de quatro minutos de escuridão total enquanto a lua bloqueia a luz solar na segunda-feira.

Para alguns, esses minutos preciosos serão uma oportunidade para realizar experiências científicas muitas vezes impossíveis – uma oportunidade para descobrir os segredos do nosso universo.

Os pesquisadores lançarão foguetes no caminho do eclipse, estarão em zoológicos para observar animais, enviarão sinais de rádio para todo o mundo e espiarão o espaço com câmeras enormes.

Você não precisa ser um cientista para participar.

Mas as coisas ainda podem dar errado. Uma explosão solar ou mesmo alguma nebulosidade modesta poderia prejudicar esses planos.

Possibilidades de acasalar tartarugas ou gorilas cochilando

O professor Adam Hartston Rose, da Universidade Estadual da Carolina do Norte, passará segunda-feira no zoológico de Fort Worth, Texas.

Ele procurará comportamentos estranhos em animais, desde gorilas a girafas e tartarugas de Galápagos. Spoiler: Durante o eclipse de 2017, as tartarugas começaram a acasalar repentinamente.

Muitos animais parecem ter respostas ansiosas à escuridão repentina.

“Os flamingos fizeram algo lindo da última vez”, diz ele. “À medida que o eclipse se formava, os adultos reuniram os filhotes no meio do rebanho, olhando para o céu como se estivessem preocupados com a descida de um predador aéreo.”

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto,

Cientistas observaram tartarugas de Galápagos acasalando no auge da totalidade em 2017

Enquanto isso, os gorilas foram para a área de dormir e iniciaram uma rotina pré-sono, pois seus ritmos circadianos foram interrompidos.

Um pássaro noturno chamado Tawny Frogmouth acorda de onde geralmente se disfarça como um tronco de árvore podre. Ele começou a procurar comida, mas de repente voltou a se disfarçar quando o sol apareceu novamente.

A equipe obterá resultados quase imediatamente e publicará seus resultados nos dias seguintes ao eclipse.

Um vislumbre do plasma barulhento

Quando a escuridão cair sobre partes da América do Norte, uma parte do Sol que as pessoas vêm tentando estudar há séculos ficará visível – a atmosfera, ou coroa.

Esta parte misteriosa do Sol consiste em plasma magnetizado e tem uma temperatura de mais de um milhão de graus Celsius.

Fonte da imagem, SR Habbal e M. Druckmüller

Comente a foto,

Um eclipse solar total oferece uma rara oportunidade de estudar a coroa solar

O incrível brilho do Sol normalmente tornaria impossível ver a coroa, mas os cientistas em Dallas, Texas, na segunda-feira poderão apontar instrumentos para ela e tirar fotos.

Cientistas da Universidade de Aberystwyth, no País de Gales, e da NASA esperam obter informações sobre o vento solar, o plasma que é liberado da superfície do sol. Outro mistério é por que a coroa parece mais quente que a superfície do Sol, apesar de estar no seu limite.

Eles também podem ver o que é chamado de ejeção de massa coronal, quando enormes nuvens de plasma são lançadas da atmosfera para o espaço. As ejeções podem causar problemas aos satélites que usamos na Terra.

Muito dinheiro, tempo e logística foram gastos nesse período de quatro minutos, diz Hugh Morgan, professor de física na Universidade de Aberystwyth.

“É uma verdadeira sensação de euforia quando as coisas vão bem, porque você se preparou por muito tempo”, diz ele.”Mas se houver uma nuvem, é um desastre. Não há nada que possamos fazer a respeito.”

Festa de escuta de rádio

A atividade do Sol pode perturbar quase todas as nossas comunicações, incluindo o humilde rádio de ondas longas.

A energia do Sol carrega uma região na atmosfera superior chamada ionosfera, que ajuda a enviar transmissões de rádio por todo o planeta. Mas quando a Lua bloqueia o Sol, a ionosfera é afetada.

Fonte da imagem, Nathaniel Frissel

Comente a foto,

Thomas Pisano (em pé atrás) participará do concurso de audição de rádio na segunda-feira

As descobertas podem ajudar os cientistas a compreender melhor as comunicações de rádio utilizadas pelos trabalhadores de emergência, aeronaves e navios, bem como o Sistema de Posicionamento Global (GPS), de acordo com Nathaniel Frissell, da Universidade de Scranton, na Pensilvânia, que modera a cerimónia.

Thomas Pisano, estudante de engenharia elétrica do Dr. Frissell, planeja competir. Sentado em mesas equipadas com equipamento de rádio, ele enviava sinais e tentava contatar o maior número possível de operadores ao redor do mundo.

“Há um forte senso de comunidade”, diz ele. “Estamos todos muito entusiasmados em obter esses dados.”

A maior parte das comunicações são formais – nome e localização da estação – mas cada uma é assinada com o número “73”, símbolo de felicidades.

“É a nossa forma radiofônica de nos despedirmos e nos cuidarmos”, afirma.

Embora o eclipse seja pouco visível no Reino Unido, os operadores de rádio de todo o país continuarão a ouvir as mensagens enviadas do outro lado do Atlântico. A operadora de rádio Gwen Griffiths planeja enviar e receber sinais de ondas longas através do oceano para medir a distância que eles percorrem.

Aviões voam para perseguir o eclipse

A NASA voará com aeronaves WB-57 ao longo do caminho do eclipse para capturar imagens de 15.240 metros (50.000 pés) acima da Terra.

Voar acima das nuvens significa que não há chance de perder o eclipse. As câmeras das aeronaves devem capturar imagens mais nítidas porque captarão comprimentos de onda que normalmente não atingem o solo.

Além de observar novos detalhes na coroa, a NASA poderá estudar um anel de poeira ao redor do Sol e procurar asteróides que possam estar orbitando nas proximidades.

Há um instrumento a bordo dos aviões chamado espectrômetro que os ajudará a aprender mais sobre as explosões de voláteis solares provenientes do sol.

Os aviões também ganharão tempo no eclipse.

Viajando a 740 km/h (460 mph), eles passarão mais de 6 minutos e 22 segundos na sombra da Lua – quase dois minutos a mais do que humanos humildes na Terra passariam apenas quatro minutos e meio na Terra, se estivermos sortudo. .

Mais sobre eclipses solares

READ  A descoberta de misteriosas ondas circulares no sol - velocidade incrível que desafia a interpretação