abril 25, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Claudine K: Presidente de Harvard não perderá o emprego por causa da controvérsia no Congresso

Claudine K: Presidente de Harvard não perderá o emprego por causa da controvérsia no Congresso
  • Por Madeline Halbert
  • BBC Notícias

fonte da imagem, Boas fotos

legenda da imagem,

Claudine Kay testemunhou perante o Congresso na semana passada junto com os líderes da Universidade da Pensilvânia e do MIT.

A presidente da Universidade de Harvard, Claudine Kay, diz que manterá seu emprego, apesar da controvérsia sobre sua aparição perante o Congresso na semana passada.

O Dr. Kay enfrentou pressão para renunciar depois de não ter dito se os estudantes que clamavam pelo genocídio do povo judeu seriam disciplinados.

Mas quase 700 funcionários o apoiaram em uma carta no fim de semana.

Em comunicado divulgado terça-feira, o conselho escolar “reafirma[ing] Nosso apoio à sua liderança.

“As nossas extensas discussões confirmam a nossa crença de que o Presidente Kay é o líder certo para ajudar a nossa comunidade a curar-se e a resolver os problemas sociais mais prementes que enfrentamos”, afirmou a Harvard Corporation, o mais alto órgão de governo da universidade.

“Neste momento tumultuado e difícil, apoiamos unanimemente o Presidente Kay”, acrescentou o painel de 13 membros.

A notícia de que o Dr. Kay será presidente chega dias depois de Elizabeth McGill, presidente da Universidade da Pensilvânia, anunciar sua renúncia após enfrentar reação semelhante por causa de seu próprio testemunho no Congresso.

Em uma audiência na Câmara sobre anti-semitismo na semana passada, o Dr. Kay testemunhou ao lado da Sra. Magill e da presidente do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Sally Kornbluth.

Durante o tenso questionamento da congressista republicana Elise Stefanik, a Dra. Kay disse acreditar que os apelos ao genocídio dos judeus são desprezíveis.

Mais tarde, Crimson se desculpou em uma entrevista ao jornal do campus de Harvard.

“Não sei como você pode sentir outra coisa senão chateado quando as palavras aumentam o sofrimento e a dor”, disse ela.

Na sua declaração, a Harvard Corporation disse que os apelos ao genocídio eram “abomináveis” e que a declaração inicial do Dr. Kay “deveria ter sido uma condenação imediata, direta e inequívoca”.

Mas a escola observou que o presidente de Harvard pediu desculpas pela forma como lidou com o seu testemunho perante o Congresso.

“A missão de Harvard é promover o conhecimento, a investigação e a inovação que ajudarão a resolver problemas sociais profundos e a inspirar um discurso construtivo, e estamos confiantes de que o Presidente Kay liderará Harvard no cumprimento desta importante missão”, afirmou o conselho.

Quase 700 membros do corpo docente assinaram uma petição no fim de semana pedindo a Harvard que “resistisse às pressões políticas inconsistentes com o compromisso de Harvard com a liberdade acadêmica” e que mantivesse o Dr. Kay como presidente.

Os membros do corpo docente e ex-alunos de Harvard escreveram cartas em apoio ao Dr. Kay, incluindo dezenas de professores negros que argumentam que algumas das acusações contra o presidente são “peculiares e politicamente motivadas”.

Enquanto isso, mais de 70 legisladores, a maioria republicanos, pediram a renúncia do Dr. Kay, chamando as respostas do reitor da universidade ao inquérito de “nojentas”.

Desde a guerra em Gaza, os campi universitários nos Estados Unidos surgiram como locais de protestos pró-Palestina ou pró-Israel, levantando preocupações sobre a islamofobia e o anti-semitismo.

Nomeado em julho, o Dr. Kay é o primeiro presidente negro da Universidade de Harvard em seus 368 anos de história.

Filha de imigrantes haitianos, formou-se em economia pela Universidade de Stanford, onde já lecionou.

Kay recebeu seu doutorado em governo em Harvard, onde começou a lecionar estudos africanos e afro-americanos em 2007.

READ  Dezenas de pessoas foram mortas em confrontos durante o mês do Ramadã na capital do Iêmen, Sanaa