julho 23, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Chelsea x Man City: sem bolas diretas, mas nove outras formas de ataque

Chelsea x Man City: sem bolas diretas, mas nove outras formas de ataque

Em um jogo que tem quase tudo, pode parecer rude começar selecionando algo Ele não fez isso Aconteceu no Chelsea 4-4 Manchester City. Mas aqui vai: não houve um único passe direto em toda a partida.

Em um thriller de oito gols entre duas equipes empreendedoras e tecnicamente competentes, não houve um único passe entre os zagueiros para um atacante atacante, segundo Opta. Em comparação, houve 12 passes em profundidade na vitória do Chelsea por 4-1 sobre o Tottenham na última segunda-feira.

O jogo de ontem foi um dos 10 jogos da Premier League nesta temporada que não incluiu passes, a maioria dos quais envolveu equipas menos aventureiras da Premier League. Por outro lado, houve apenas uma partida da Premier League nesta temporada – a vitória do West Ham por 3 a 1 sobre o Brighton – que contou com ataques mais rápidos.

Isto pode parecer uma informação estatística trivial, mas diz-lhe algo sobre a natureza deste jogo – o estilo, o ritmo, a forma como estas equipas atacaram. Era uma vez um jogo aberto entre as duas equipas caracterizado por incessantes bolas incisivas na defesa de Eden Hazard e Cesc Fabregas, e de David Silva e Kevin De Bruyne. Mas, de certa forma, o jogo evoluiu.

Isso não quer dizer que ontem não houve qualidade de passagem. Mas a qualidade do passe veio quase exclusivamente da profundidade. Os jogadores que mais passes realizaram foram Ruben Dias, Rodri, Axel Disasi, Manuel Akanji, Thiago Silva e Josko Gvardiol, cinco defesas e um médio.

Mas como esses movimentos se desenvolveram? Como o Chelsea e o Manchester City conseguiram levar a bola com frequência para jogadores atacantes em posições perigosas? Aqui estão nove métodos diferentes.

1) Jogar sob pressão

Esta é a forma clássica como os partidos modernos enfrentam um desafio como este. Em vez de temer a pressão adversária e tentar ultrapassá-la com bolas longas, as equipes ativam a pressão jogando curta e, em seguida, movimentando a bola rapidamente através das linhas.

Nesta ocasião, o Chelsea venceu dois jogadores do City de maneiras diferentes: primeiro, Reece James trocou a bola com Thiago Silva para passar por Bernardo Silva…

READ  Phillies paga multa de US$ 7 milhões por aprovação – NBC Sports Philadelphia

…Então ele chegou à bola pouco antes de Gvardiol e chutou para longe dele.

O Chelsea finalizou cinco contra quatro, com Cole Palmer driblando para a área.

2) A segunda bola

Quando Pep Guardiola chegou ao futebol inglês, o que mais o surpreendeu foi o número de segundas bolas (passes rápidos e passes de cruzamentos ou bolas longas quando a bola ainda está lá para vencer) pelas quais a sua equipa teve de lutar. Em dezembro de 2016, dedicou um treino inteiro ao conceito de pegar as segundas bolas antes do confronto contra o Arsenal.

Com tão poucas bolas longas nesta partida, houve relativamente poucos momentos assim. Mas às vezes é decisivo. O segundo gol do Chelsea veio quando Kyle Walker tentou tirar a bola da linha do gol após um longo ataque, e Enzo Fernandez teve dificuldade para chegar primeiro à bola.

Ele tocou para Palmer, que esperou a interferência de James…

…que passou a bola pela pequena área para Raheem Sterling voltar para casa da mesma forma que fazia regularmente durante sua passagem pelo City.

3) Pressione

Com ambas as equipes pressionando intensamente o adversário no meio-campo, um erro de posse de bola poderia ter sido fatal. Aqui, Dias passa a bola para Phil Foden, e Fernandes rapidamente salta sobre ele e avança, passando a bola para Conor Gallagher.

Ele, por sua vez, alimenta Nicholas Jackson…

…que tenta fazer um passe entre as pernas de Dias e Gallagher esbarra nele, mas o passe é bloqueado.

4) Evasão

Imediatamente após a etapa anterior, Walker para e avalia a situação. No início, ele ficou tentado a diminuir o ritmo do jogo. Mas então ele encontra uma oportunidade de quebrar, então ele muda de ideia…

…Jackson dribla e passa a bola para Bernardo.

Ele então pega a bola e passa para Erling Haaland, que passa por Thiago Silva, mas seu chute sai muito perto do goleiro.

READ  Spencer Sanders se muda para Ole Miss: O ex-zagueiro do estado de Oklahoma se junta à sala do zagueiro carregado

5) Distribuição dos goleiros

Foi um jogo difícil para os goleiros, que lançaram chutes fortes e também tiveram que atuar como distribuidores confiáveis ​​​​de longe. Embora Sanchez tenha cometido erros nesta temporada e Ederson possa ter ficado insatisfeito com sua defesa ao gol de Jackson no segundo tempo, eles não cometeram erros na posse de bola.

O melhor passe dos goleiros na partida aconteceu pouco antes do intervalo, quando Sanchez passou a bola para Gallagher…

…que por sua vez recebeu…

…e tocou para Sterling, que entrou na área e fez um bom remate à baliza.

6) Lançamentos

O terceiro gol do City, incomumente, veio de um lance bem fundo no seu próprio meio-campo. Mas esta é sem dúvida a melhor oportunidade para ultrapassar muitos adversários, que tentam “acertar” a equipa com o lançamento.

Gvardiol devolve a bola para Bernardo…

…que passou diretamente para Haaland, que imediatamente livrou Disasi, e de repente o Chelsea tinha apenas dois zagueiros entre a bola e o gol.

Haaland passa a bola para Foden, que aguarda a corrida de Julian Alvarez, e Haaland devolve a rede no poste mais distante de forma desleixada.

7) Balcão clássico

Às vezes, ataques em partidas disputadas como essa são contra-ataques. Mas na maioria das vezes isso não acontece, a equipe começa com a bola e simplesmente supera a pressão antes do intervalo. Isto não é um contra-ataque, porque a oposição não estava na ofensiva em primeiro lugar.

Mas houve verdadeiros contra-ataques em Stamford Bridge. Aqui, quando Fernandes faz um passe malfeito, Dias entra para passar a bola para Foden.

Ele joga no gol de Marc Cucurella e Haaland…

…que se vira e passa uma bola longa para Jeremy Doku, um acre à esquerda. Ele finalmente corta para dentro e faz um remate decente para o gol.

8) O truque

Uma habilidade no meio-campo pode ser inestimável em um jogo de alta pressão como este. Aqui, Akanji passa a bola para Bernardo, que sente a aproximação de Moisés Caicedo…

…Ele deixa a bola passar pelo pé direito, controla com o pé esquerdo atrás da perna direita, depois passa Caicedo com habilidade e ataca.

READ  Dez marcas Hag reagem à vitória do Manchester United na semifinal da FA Cup como 'uma vergonha'

Ele então joga a bola para Rodri, que chuta para o substituto Jack Grealish, e o City foge para vencer por cinco a quatro.

9) Caos

Em um jogo sobre o qual nenhum dos lados tinha controle, essa jogada resumiu muito bem. Disasi abordou Foden e a bola voou para o alto.

Cinco segundos depois, houve outro grande desarme, com Grealish escorregando para Gallagher.

O Chelsea vence um tackle, o City vence um, mas a bola cai para Palmer, que tem opções a torto e a direito. Ele cruzou para Jackson e foi interceptado por Akanji.

Após o final do jogo, Mauricio Pochettino apareceu irritado com o árbitro por ter apitado quando o Chelsea estava no ataque, mas foi uma forma adequada de encerrar o jogo – um jogador driblando em direção à defesa adversária.

De certa forma, esta partida parecia uma anomalia ridícula – uma disputa louca de idas e vindas em que ambos os lados não tinham controle ou solidez defensiva. Mas, na realidade, isso provavelmente foi apenas um reflexo exagerado dos jogos entre os grandes clubes da Premier League neste momento.

Os defensores eram essencialmente criadores de jogo, encarregados de iniciar os movimentos. Os meio-campistas profundos eram recebedores eficazes e eram solicitados a receber passes para frente enquanto estavam sob pressão dos adversários. Os meio-campistas ofensivos eram quase puramente dribladores, com a tarefa de levar a bola para o espaço, em vez de passar. E os dois número 9, convencionalmente – cada um fez apenas 12 passes e ficou afastado por longos períodos, mas marcou três gols entre eles – devem ser considerados apenas finalizadores.

Nos grandes jogos, é disso que se trata a Premier League.

Vá mais fundo

Chelsea 4-4 Manchester City: Old Boys Palmer e Sterling Key, City não gosta de caos, mais atraso no VAR