junho 30, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Canadá protesta atualizações ao vivo: Trudeau declara emergência nacional

Canadá protesta atualizações ao vivo: Trudeau declara emergência nacional
crédito…Blair Gable/Reuters

Novos detalhes sobre a fonte dos milhões de dólares que apoiam a caravana de caminhoneiros canadenses indicam que muitos dos maiores doadores são canadenses ricos, embora uma das maiores contribuições tenha sido em nome de um empresário de tecnologia americano.

Os dados vazados, supostamente da plataforma de crowdfunding JeffSindgo, postados ontem à noite em uma página agora extinta por um hacker desconhecido, listam registros de mais de 92.000 doações, totalizando mais de US$ 8 milhões. Uma análise dos dados mostra que cerca de US$ 4,3 milhões vieram do Canadá, enquanto outros US$ 3,6 milhões vieram dos Estados Unidos, embora os Estados Unidos tenham sido responsáveis ​​pela maior parte das doações individuais. Pequenas doações de dezenas de outros países representaram uma fração do valor total arrecadado.

Uma das maiores doações, US$ 90.000, é atribuída a Thomas M. Seibel, empresário bilionário e investidor do Vale do Silício. Ele não respondeu a um pedido de comentário enviado para o endereço de e-mail listado nos registros e para sua empresa.

Outros que fizeram doações entre US$ 10.000 e US$ 75.000 parecem ser principalmente empresários canadenses, com alguns americanos na mistura.

Brad Howland, presidente de uma empresa com sede em New Brunswick que fabrica lavadoras de alta pressão, aparece nos dados vazados como doando US$ 75.000, deixando o comentário: “Espere!” Em um e-mail, Holland confirmou que era um benfeitor, dizendo que os protestos “vai entrar nos livros de história”.

“Nossa empresa e minha família têm orgulho de apoiar esses homens e mulheres enquanto eles apoiam a Carta de Direitos e Liberdades para nossa grande nação”, disse ele.

READ  Guerra Ucrânia-Rússia notícias ao vivo e atualizações mais recentes

Uma doação de US$ 17.760, atribuída nos dados a Travis Moore, de Idaho, foi acompanhada da legenda: “Deixe a liberdade tocar, irmãos do Norte. A criptomoeda é o futuro”. Um pedido de comentário enviado a Moore, usando o endereço de e-mail listado nos registros de doação, foi respondido com uma resposta contendo um meme se opondo às restrições do Covid.

A maioria dos comentários deixados pelos doadores expressou solidariedade pacífica com a questão da oposição aos mandatos de vacinas e outras restrições relacionadas à pandemia. No entanto, mensagens positivas foram misturadas em um tom mais sério, como a deixada por um americano que doou US$ 50: “Prefiro pagar para apoiar esse movimento agora do que pagar pela liderança depois”.

A presença de evangelistas de criptomoedas entre os apoiadores da caravana é evidente em um conjunto separado de declarações revisadas pelo The New York Times. Isso mostra que as doações de Bitcoin foram feitas por meio de uma página da Web que apareceu depois que a ferramenta inicial de arrecadação de fundos, GoFundMe, desligou a campanha. O novo site, chamado “Bitcoin for Truckers”, é hospedado por um serviço de crowdfunding de criptomoedas e arrecadou US$ 946.000 na manhã de segunda-feira.

A campanha Bitcoin, que recebeu mais de 5.000 doações, principalmente de pequenos dólares, foi apoiada por um punhado de grandes pagamentos de impulsionadores de criptomoedas. O maior dos dois, com um valor total de mais de US$ 300.000 na época de sua fabricação, foi doado, sem revelar suas identidades.

Outra série no valor de cerca de US$ 42.000 cada parece estar ligada a um desafio online de A Ex-engenheiro de software que atende pelo pseudônimo LaserHodl e pede a outros fãs do Bitcoin que se juntem a ele no apoio à caravana do caminhoneiro. Jesse Powell, fundador da exchange de criptomoedas Kraken, Ele twittou sua aprovaçãoA doação atribuída a ele é mostrada nos dados.

READ  Coreia do Norte enfrenta surto de doenças infecciosas em meio a batalha contra COVID

Benjamin Dichter, um dos organizadores da caravana, disse em um Conferência de imprensa Na semana passada, após o início da campanha de crowdfunding de criptomoedas, ele recebeu ofertas de assistência de “grandes players” nos mercados de criptomoedas.

“Fiquei chocado com a velocidade com que comecei a receber mensagens de alguns dos clientes bitcoin mais proeminentes do mundo”, disse ele.

O vazamento de dados do GiveSendGo foi anunciado na noite de domingo em uma página da Web intitulada “GiveSendGo está agora congelado”, com um videoclipe de cinco minutos no qual uma declaração é passada por hackers anônimos em uma tela. Nele, os hackers reclamaram que o protesto do caminhoneiro “fizeram uma cidade de refém” e alertaram que “poderia ser uma cobertura para algum tipo de ataque do cavalo de Tróia onde extremistas e milícias podem chegar em grande número com armas”.

Os dados contêm um registro de cada doação que inclui o nome do doador, CEP e endereço de e-mail utilizado. Nem todas as doações podem ser verificadas de forma independente, mas algumas delas se alinham com doações que apareceram publicamente no GiveSendGo antes de ficar offline.

Por exemplo, o Sr. Siebel foi citado na semana passada por um Rede de notícias canadense, que observou que seu nome apareceu com a doação de US$ 90.000, no momento de sua apresentação, na página da campanha Caravan. Cerca de metade das doações não estavam acompanhadas do nome de uma pessoa quando apareciam publicamente na Página.

O GiveSendGo, que anteriormente foi alvo de outro hack de dados que revelou informações pessoais, como carteiras de motorista e passaportes, para alguns dos usuários do site, estava offline na manhã de segunda-feira. A empresa não respondeu a um pedido de comentário.

READ  Atualizações ao vivo: a guerra da Rússia na Ucrânia

Os organizadores lançaram a campanha GiveSendGo no início deste mês, depois que a GoFundMe encerrou uma campanha de arrecadação de fundos online que arrecadou quase US$ 7,8 milhões. Alex Shipley, porta-voz da GiveSendGo, disse ao The Times em um e-mail na semana passada que o dinheiro será usado para “fornecer assistência humanitária e apoio legal a caminhoneiros pacíficos e suas famílias”.