julho 24, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Biden enfrenta um grande teste no cenário mundial com a cúpula da OTAN em andamento

O desempenho do presidente Biden na cimeira da NATO esta semana foi sujeito a um escrutínio atento não só pelos líderes da aliança ocidental, mas também pelos legisladores democratas, à medida que ele atrasa os apelos para abandonar a corrida presidencial e tenta provar que apoia o seu partido. A melhor pessoa para enfrentar Donald Trump.

Biden abriu a cimeira dando as boas-vindas a mais de 30 líderes que chegaram a Washington na noite de terça-feira, enquanto os democratas regressavam ao Capitólio e debatiam se o presidente deveria ser o candidato presidencial do partido.

Os líderes estrangeiros estão acompanhando de perto Biden e o desenrolar do debate entre os democratas. O seu programa de debates foi cancelado em 27 de junho, aumentando o receio entre alguns aliados de que um segundo mandato de Trump seja mais provável – algo que a maioria dos líderes europeus teme.

O teste mais importante de Biden acontecerá na quinta-feira, enquanto ele se prepara para uma rara entrevista coletiva que os democratas consideram crucial para demonstrar que ele tem energia e agilidade mental para fazer campanha contra Trump. Os líderes europeus também acompanharão de perto a conferência de imprensa do presidente, tentando determinar se o seu desempenho no debate foi uma má noite, como argumentou Biden, ou um sinal de um problema maior que poderia tornar a derrota de Trump mais desafiadora.

“Esta cimeira dá ao presidente uma oportunidade de demonstrar a sua forte liderança global, ao contrário de Donald Trump, que enfraqueceria a NATO”, disse o senador Chris Van Hollen (D-Md.). “A cimeira completa dá-lhe a oportunidade de mostrar as suas credenciais de liderança e de política externa, e a conferência de imprensa dá-lhe a oportunidade de abordar as preocupações.”

READ  Um tribunal dos EUA permitiu que o Departamento de Justiça apelasse do caso Trump

Biden disse tristemente aos legisladores democratas sobre sua candidatura que não tinha intenção de desistir da corrida presidencial. Ele disse aos democratas para deixarem de lado seu desempenho no debate e, em vez disso, se concentrarem em enfrentar Trump.

Esses esforços, pelo menos por enquanto, parecem ter funcionado para acalmar o descontentamento no Capitólio. Tudo isso pode mudar se Biden falhar em sua coletiva de imprensa na quinta-feira, disseram vários legisladores democratas.

Na quarta-feira, Biden e a primeira-dama Jill Biden deverão participar numa sessão de trabalho antes de receberem os líderes da NATO e os seus cônjuges num jantar na Casa Branca. Antes de se dirigir à cimeira da NATO, Biden fará uma visita para se reunir com os líderes da AFL-CIO e depois realizará a sua primeira reunião bilateral com o novo primeiro-ministro britânico, Keir Starmer.

O comportamento e a agilidade mental de Biden serão examinados de perto nas reuniões e jantares da OTAN. Durante a cimeira do Grupo dos Sete, realizada no mês passado em Itália, muitos líderes europeus ficaram impressionados com o quanto o presidente parecia ter envelhecido desde a última vez que interagiram com ele, há um ano ou mesmo meses. Suas reações são contadas.

Os líderes notaram que ele estava muito cansado e fraco, e era mais provável que perdesse a capacidade de pensar, embora em breve voltasse ao caminho certo. A impressão geral é que os líderes acreditam que Biden é capaz de cumprir as suas funções agora, mas questionam-se como poderá cumprir mais quatro anos no cargo.

Biden tentou acalmar essas preocupações, começando com um discurso de boas-vindas aos líderes da OTAN em Washington, na terça-feira. Ele falou apaixonadamente sobre a força renovada da aliança – a adição de dois novos países, a Finlândia e a Suécia, e um aumento no número de países que gastam pelo menos 2% do PIB na defesa – e condenou implicitamente Trump. O ex-presidente ameaçou destruir a aliança e disse que deixaria a Rússia “fazer o que quiser” com qualquer país da NATO que não gastasse o suficiente.

READ  A infraestrutura da ponte de Pittsburgh desmoronada não está na lista de assistência jurídica

Biden não mencionou Trump nominalmente, mas insistiu que uma maioria bipartidária de americanos apoiasse a aliança e falou do perigo de um mundo sem ela.

“É melhor que estejamos mais fortes do que nunca porque este momento da história exige a nossa força colectiva”, disse Biden. “O povo americano compreende o que acontecerá se não houver a NATO, se não houver outra guerra na Europa, se as tropas americanas lutarem e morrerem, se os ditadores espalharem o caos.”