maio 29, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Biden diz que Netanyahu está cometendo um ‘erro’ em Gaza e insta Israel a pressionar por um cessar-fogo | Guerra Israel-Gaza

Biden diz que Netanyahu está cometendo um ‘erro’ em Gaza e insta Israel a pressionar por um cessar-fogo |  Guerra Israel-Gaza

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que a abordagem do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em relação a Gaza foi um “erro” e instou Israel a estabelecer um cessar-fogo, numa entrevista transmitida na terça-feira.

Os comentários de Biden estão entre as críticas mais fortes a Netanyahu em meio às crescentes tensões sobre o número de mortes de civis devido à guerra israelense contra o Hamas e às difíceis condições dentro de Gaza.

“Acho que o que ele está fazendo é errado. Não concordo com sua abordagem”, disse Biden à Univision, uma rede de televisão americana de língua espanhola, quando questionado sobre a forma como Netanyahu lidou com a guerra.

Biden reiterou que o ataque de drone israelense da semana passada, que matou sete trabalhadores humanitários de uma instituição de caridade com sede nos EUA em Gaza – e gerou um telefonema tenso com Netanyahu – foi “ultrajante”.

Biden disse: “O que peço é que os israelenses peçam um cessar-fogo e permitam, durante as próximas seis ou oito semanas, acesso total a todos os alimentos e medicamentos que entram no país”.

As declarações do presidente sobre o cessar-fogo representam uma mudança em relação às suas declarações anteriores, nas quais ele disse que recai sobre o Hamas o fardo de concordar com um acordo de trégua e libertar os reféns.

Biden também intensificou a sua pressão sobre Israel para permitir mais ajuda à devastada Gaza, dizendo que tinha conversado com a Arábia Saudita, a Jordânia e o Egipto, e que eles estavam “prontos para transferir estes alimentos para a Faixa”.

“Não há desculpa para não atender às necessidades médicas e nutricionais destas pessoas. Isto deve ser feito agora”, acrescentou.

Israel disse que 468 camiões de ajuda entraram em Gaza na terça-feira, depois de 419 camiões terem entrado na segunda-feira, o número mais elevado nos seis meses desde o início do conflito. No entanto, a ONU disse que o montante ainda estava muito abaixo do mínimo para atender às necessidades humanitárias.

READ  Taleban ordena que mulheres se cubram da cabeça aos pés no Afeganistão: 'Queremos que nossas irmãs vivam com dignidade'

Separadamente, a administradora da USAID, Samantha Power, disse a um subcomité do Senado dos EUA na terça-feira: “Estamos a testemunhar uma mudança radical”. [in aid entering Gaza]Que esperamos que continue e se expanda.

“Temos condições semelhantes às da fome em Gaza e os supermercados estão cheios de alimentos a poucos quilómetros de distância”, disse Power. “Precisamos ir além dos 500 caminhões.”

A entrevista de Biden destacou a mudança dramática na sua política em relação a Israel desde que o assassinato de trabalhadores humanitários por Israel no World Central Kitchen em Gaza provocou indignação global.

Biden tem apoiado fortemente Israel desde os ataques sem precedentes do Hamas contra Israel em 7 de outubro, ao mesmo tempo que expressou preocupações crescentes sobre o custo humano em Gaza.

Mas foi apenas na sua tensa conversa com Netanyahu na semana passada que ele finalmente avisou que os Estados Unidos teriam de mudar a sua política se Israel não mudasse as suas práticas em Gaza.

Na chamada de quinta-feira, Biden disse que Israel deve permitir imediatamente mais ajuda e proteger os civis, ao mesmo tempo que instou Netanyahu a “capacitar os seus negociadores” para alcançar rapidamente um cessar-fogo com o Hamas.

Israel respondeu concordando em abrir novas passagens de ajuda, ao mesmo tempo que anunciou no fim de semana que retiraria as suas forças da cidade de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza.

Mas as relações ainda estão tensas, já que Netanyahu insistiu que tinha marcado uma data para um grande ataque a Rafah, na fronteira egípcia, ao qual Washington se opõe fortemente.

À medida que as eleições presidenciais dos EUA se aproximam, em Novembro, Biden também enfrenta uma oposição crescente à sua política em Gaza por parte dos eleitores muçulmanos e jovens, com os seus principais aliados a apelarem-lhe para que mude de rumo.

READ  Os Estados Unidos começam a treinar pilotos ucranianos em caças F-16

Familiares de alguns reféns americanos feitos pelo Hamas durante os ataques reuniram-se com a vice-presidente Kamala Harris na Casa Branca na terça-feira, enquanto as negociações continuavam para chegar a um acordo.

“Precisamos de resultados. Precisamos do nosso pessoal de volta”, disse aos jornalistas Rachel Goldberg, cujo filho Hirsch Goldberg Pauline estava entre os detidos.

Jonathan Dekel-Chen, pai do refém americano Sagi Dekel-Chen, pressionou o Hamas a concordar com o acordo.

“Está nas mãos deles. Não há razão para não prosseguir com este acordo”, acrescentou.

Mas ele alertou contra o lançamento de um ataque a Rafah antes da libertação dos reféns, acrescentando que as ações de Israel “não deveriam levar ao sacrifício dos reféns pela segunda vez”.

Com AFP e Reuters