julho 20, 2024

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Aumento da pressão sobre a Alemanha para fornecer à Ucrânia mísseis de longo alcance

Aumento da pressão sobre a Alemanha para fornecer à Ucrânia mísseis de longo alcance
Líderes de vários países da União Europeia durante uma cimeira em Granada, Espanha, na sexta-feira.crédito…Miguel Angel Molina/EPA, via Shutterstock

Os líderes da União Europeia debateram-se na sexta-feira sobre como o bloco teria de se adaptar caso incluísse a Ucrânia como membro, durante uma cimeira em Espanha marcada por questões sobre o apoio a longo prazo do Ocidente ao esforço de guerra de Kiev contra a Rússia.

A Ucrânia abriu o caminho para a adesão no ano passado, dando início a um processo de reformas que durou anos para alinhar a Ucrânia com os regulamentos da UE. O Presidente Volodymyr Zelensky, bem como os líderes da Polónia e dos Estados Bálticos, pressionaram para que o processo fosse acelerado, mas os líderes do bloco afirmaram que não existe um caminho rápido para a adesão.

No próximo mês, a Comissão Europeia, o braço executivo do bloco, deverá publicar uma avaliação dos esforços de Kiev para se conformar às regras da UE, e os líderes nacionais decidirão em dezembro se abrirão negociações de adesão com a Ucrânia.

“Dadas as perspectivas de uma União ainda mais alargada, a UE e os futuros Estados-membros devem estar preparados”, afirmaram os chefes de governo da UE num comunicado após a reunião. “Os aspirantes a membros devem intensificar os seus esforços de reforma, especialmente na área do Estado de Direito”, afirma o comunicado. “A União precisa de lançar as bases e as reformas internas necessárias.”

Se a Ucrânia se tornasse membro, isso provocaria uma grande mudança na estrutura orçamental do bloco. Alguns países da Europa Oriental serão obrigados a pagar mais do que recebem em subsídios.

“Há muitas questões e dúvidas”, disse Viktor Orban, da Hungria, sobre a possibilidade de a Ucrânia aderir ao bloco. “Primeiro, precisamos saber de quanto dinheiro estamos falando.”

READ  Harris se prepara para falar em um momento crítico sobre a crise Rússia-Ucrânia

As conversações informais esta semana em Granada, Espanha, onde os líderes também discutiram a migração e a independência económica, serviram de preparação para reuniões formais dos líderes do bloco no final deste ano.

Mesmo enquanto continuavam as conversações sobre a adesão da Ucrânia, os países da UE calculavam os custos económicos e políticos de continuar a enviar ajuda militar ao país, especialmente porque a turbulência política no Congresso ameaçava a ajuda dos EUA.

Espera-se que os líderes da UE discutam um pacote de ajuda de 50 mil milhões de euros para a Ucrânia numa cimeira no final deste mês em Bruxelas, mas já indicaram que não serão capazes de preencher a lacuna de apoio deixada pelos Estados Unidos se o Congresso não votar a favor. . Mais ajuda.

A invasão em grande escala da Ucrânia por Moscovo no ano passado forçou o bloco de 27 nações a considerar expandir ainda mais as suas fileiras, mas a adesão é um processo longo e árduo que normalmente leva cerca de uma década, mesmo para países que não estão em guerra.

“Com esta guerra que a Rússia está a travar contra a Ucrânia, já não é possível procrastinar”, disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, na sexta-feira, referindo-se à expansão do bloco. “Isto não significa que será fácil, porque existem diferentes opiniões e diferentes sensibilidades em toda a União Europeia.”