maio 23, 2022

Atibaia Connection

Encontre todos os artigos mais recentes e assista a programas de TV, reportagens e podcasts relacionados ao Brasil

Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

A China apoiou as declarações feitas por seu embaixador na Ucrânia na quinta-feira, depois que o diplomata chinês prometeu apoio político e econômico de Pequim ao país devastado pela guerra.

“A China apoia firmemente as declarações do embaixador”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, em uma coletiva de imprensa regular.

A China apoia todos os esforços que levarão à redução da situação na Ucrânia e a um acordo político. [China] pronta para fazer sua parte para superar a crise humanitária”.

Mas referindo-se à possível tentativa de Pequim de jogar em ambos os lados, Zhao se recusou a dizer se o apoio de Pequim às declarações de seu embaixador significava que a China não ofereceria armas ou qualquer outra ajuda à Rússia para apoiar a invasão militar da Ucrânia.

“Essa é a sua própria interpretação”, disse ele, em resposta à pergunta de um repórter sobre isso. A China fez repetidas declarações. Não há razão para fazer tal conexão.”

Fan Xianrong, o embaixador chinês na Ucrânia, prometeu o apoio de Pequim e elogiou o povo ucraniano em uma reunião em Lviv na segunda-feira, de acordo com um comunicado de imprensa do governo regional.

“A China sempre será uma boa potência para a Ucrânia, tanto econômica quanto politicamente”, disse Fan a Maxim Kozytsky, chefe da Administração Regional de Lviv. A China nunca atacará a Ucrânia. Vamos ajudar, especialmente economicamente.”

“Neste caso, que você tem agora, agiremos com responsabilidade. Vimos quão grande é a unidade do povo ucraniano, e isso significa sua força”, continuou ele, acrescentando que a embaixada chinesa se mudou de Kiev para Lviv e permanecerá lá por enquanto.

Até a tarde de quinta-feira, os comentários de Fan não haviam sido divulgados pela mídia estatal chinesa, que ecoou amplamente os pontos de discussão no Kremlin desde o início da invasão russa.

READ  Manifestantes do Greenpeace na Ucrânia amarram um caiaque a um petroleiro russo

Na terça-feira, o embaixador da China nos Estados Unidos, Chen Gang, publicou um artigo de opinião no Washington Post afirmando que Pequim quer ver o fim do conflito na Ucrânia e dissipar “rumores” de que a China “sabia, aquiescia ou apoiava tacitamente”. ” a guerra.

“O conflito entre a Rússia e a Ucrânia não beneficia a China. Se a China soubesse da crise iminente, teríamos feito tudo o que pudéssemos para evitá-la”, escreveu Chen.

Seus comentários seguiram-se às garantias de oficiais de inteligência dos EUA de que a Rússia havia pedido apoio militar à China na Ucrânia. Tanto Pequim quanto Moscou negaram as acusações.